Por Esmael Morais

Requião Filho: Propaganda, a grande marca do governo Beto Richa

Publicado em 17/10/2017

Propaganda, a grande marca do governo Beto Richa

Requião Filho*

Prestes a entregar a gestão do Paraná, diante da proximidade do período eleitoral de 2018, observamos nos bastidores da política mais uma contratação de publicidade do Governo do Estado, agora de 120 milhões!

Para Beto, que não é bobo, nem “nada sabe”, é preciso propaganda para vender boas notícias, não importa se reais ou fictícias! Imprensa feliz, bem remunerada, candidato eleito. E assim tem feito. Assim sua estratégia tem sido mantida.

Já não nos choca mais o modus operandi, mas ainda nos causa estranheza que a reiterada conduta permaneça tendo sucesso nas urnas. Não consigo vislumbrar como todo este dinheiro gasto em publicidade poderá apagar o 29 de abril, os pacotaços, os cortes de investimentos, a falta de diálogo, os escândalos de corrupção, a ostentação com helicópteros e aeronaves.

Planejamento não é a palavra preferida, quiçá a atitude, do atual governo.

Mas não venho aqui para lamentar, e sim para trazer números, fatos e demonstrar como um governo sério agiria ao administrar o que é público; o seu dinheiro.
Vamos pegar quatro setores para comparar como os recursos gastos em propaganda pelo atual governo poderiam ser melhores investidos e trazer mais benefícios a você, cidadão paranaense. Clique em cada link abaixo e confira o que acontece em Segurança, Educação, Saúde e Emprego:

SEGURANÇA
Considerando o crescimento vegetativo da população, a reposição do quadro normal de funcionários que chegam a aposentadoria e os altos índices de criminalidade, hoje no Paraná faltam 6 mil policiais para atender a demanda da segurança pública. A reposição do quadro efetivo de policias, por si só, já resolveria. Entretanto, sabemos que não basta contratar, também é necessário capacitação, treinamento e a aquisição dos mais variados equipamentos. Há toda uma logística visando uma política de segurança pública.

Realizando alguns cálculos, chegamos à conclusão de que a média inicial de remuneração e os preços de mercado, com aproximadamente 66 milhões de reais, ou seja, metade dos gastos do Governo com publicidade nos grandes veículos, é possível contratar ao menos 6 mil policiais, além da aquisição de 6 mil novos coletes, 200 veículos, 6 mil equipamentos, 6 mil fardamentos completos e 6 mil armamentos com carregador. Ou seja, com a metade dos recursos de publicidade investida no Paraná, nossa corporação estaria pronta para atender a demanda da população.

EDUCAÇÃO
Segundo os padrões disponibilizados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE, que possui parâmetros para facilitar investimentos no setor, apresenta que o custo médio de uma escola com 111 m² é de 158.472 mil reais por sala de aula. Com os 120 milhões de reais gastos hoje com propaganda, seria possível construir 757 salas deste tamanho, atendendo (em três turnos) cerca de 86.324 alunos.

Ainda de acordo com os dados do FNDE, escolas de 854 m², possuem custo médio de 1.219.239 milhões reais por sala de aula. Com os 120 milhões de reais gastos hoje com propaganda, seria possível construir 98 salas deste tamanho, o que beneficiaria (em três turnos) cerca de 67.321 alunos.

Isto sem falar que 120 milhões de reais possibilitariam a contratação de 4.044 professores, com salário inicial de R$ 2.473,00 cada, conferindo o devido respeito à categoria dos professores que merece maior estabilidade.

SAÚDE
Outro ponto estratégico de atendimento da população, e que não tem recebido a devida atenção do Governo do Estado, é a Saúde.

Os profissionais não são devidamente valorizados, os atendimentos permanecem centralizados nas grandes cidades, o serviço psiquiátrico é praticamente inexistente e há baixo investimento em políticas preventivas. Hospitais fechados sem funcionamento e o dinheiro público aplicado em propaganda no horário nobre. Pra que?

Valores como os empregados em publicidade poderiam amenizar a dor e agonia de muitas famílias que recorrem ao sistema público de saúde.

No nosso Governo, investimos R$ 10 bilhões em saúde pública, promovemos um aumento de 74% no número de leitos de UTI, mais de 300 Clínicas de Saúde da Mulher e da Criança, com a redução de 30% da mortalidade infantil, 13 novos hospitais e outros 31 reformados ou ampliados. Custos reduzidos em publicidade e altos investimentos em Saúde, do jeito que o PMDB sabe fazer.

EMPREGO
Com a crise, o desemprego é um dos fantasmas que assombra a vida dos paranaenses. De acordo com um estudo realizado pelo IPARDS no início deste ano, sua maior concentração está na Região da Capital do Estado, que é a responsável por 67% do saldo negativo de vagas, reflexo direto da retração da indústria.

Entre os meses de janeiro a novembro de 2016, o Paraná, no geral, acumulou um saldo negativo de 28,9 mil vagas de emprego, sendo que 19,5 mil se encontravam na Região Metropolitana de Curitiba.

O novo ICMS proposto representa um aumento de 246,7% nas finanças das pequenas e micro empresas, e 13,7% para as grandes. A Constituição prevê a proteção aos micro e pequenos empresários, mas aqui fica claro que nós estamos prejudicando este setor. O desemprego será naturalmente uma consequência catastrófica para o Paraná.

***

Enquanto Beto Richa segue empregando mais de R$ 450 milhões em publicidade na grade de programação das telenovelas e dos telejornais, a população do Paraná segue pagando a conta, não somente com o custeio dessa divulgação exagerada, mas acima de tudo com a precarização de serviços essenciais como segurança, saúde e educação.

É fato que o “melhor” que estava por vir, prometido durante toda a campanha de 2014, nunca chegou. Se o discurso do atual Governador é de austeridade, necessidade de contenção de gastos e de superação da crise: por que, afinal, quando se trata de gastos que o beneficiam, o discurso muda?

O dinheiro poderia estar sendo utilizado em prol da população, mas não. O dinheiro é gasto com propaganda, na vã tentativa de recuperar a imagem desgastada do Governo.

Nosso Estado que vem sangrando lentamente e vemos empresas públicas que priorizam acionistas ao povo. As estradas são asfaltadas no editor de vídeo de propagandas, pois os buracos não podem ser filmados. Os impostos sobem exponencialmente, enquanto o Estado atende cada vez menos as expectativas do paranaense.

*Requião Filho é deputado estadual pelo PMDB do Paraná.