Por Esmael Morais

Presidente do PCdoB-PR entre o “queijo” e o “socialismo chinês”

Publicado em 27/09/2017

Gomyde só tem uma certeza, a qual já compartilhou com o Blog do Esmael: vai mesmo deixar o PCdoB, partido que está filiado há 25 anos.

Nesta terça (26), o ainda presidente do PCdoB esteve reunido “escondidinho” com o líder do governo na Assembleia Legislativa, Romanelli, analisando juntos os possíveis cenários para 2018.

O PSB seria “atrativo” numa eventual filiação de Osmar Dias, que, segundo a frente política, deixará o PDT na próxima quarta-feira (4). Some-se a isso o ingresso de Aldo Rebelo, ex-PCdoB, nas fileiras socialistas. O ex-ministro é padrinho político e de casamento de Gomyde.

Caso Osmar opte pelo Podemos do mano Alvaro Dias, no entanto, para Gomyde, o PSD de Ratinho Junior vira uma possibilidade mais concreta “devido a perspectiva de vitória” do candidato do governador Beto Richa (PSDB).

Em tempo: O PCdoB-PR e Gomyde estiveram juntos com a tropa de Ratinho Junior nas duas últimas eleições municipais de Curitiba, em 2012 e 2016.