Protesto contra “Escola Sem Partido” termina em confusão com MBL de Curitiba

O k-suco ferveu na manhã desta terça-feira (15), em frente à Câmara Municipal de Curitiba, quando educadores e militares de movimentos sociais compareceram à manifestação do MBL favorável ao projeto “Escola Sem Partido”.

Em nota, o grupo CWB Resiste afirmou que considera a “pauta fascista de censura ao pensamento dentro das escolas públicas no país” e contra a repetição aqui no Brasil de “cenas ocorridas neste fim de semana em Charlottesville”, nos Estados Unidos, onde houve confrontos racistas.

“Uma fogueira foi feita com faixas dos fascistas do MBL”, descreve a nota, que ainda denuncia: “agrediram mulheres, idosas e participantes do nosso ato. Houve troca de empurrões e socos, tudo iniciado e incentivado pelo MBL”.

As provocações entre ambos os grupos, pró e contra o projeto que limita o pensamento na escola, era possível ouvir de dentro do plenário da Câmara.

“Nem todo professor é comunista”, “aqui não é a Venezuela”, “Fora PT”, “Não se faz política em sala de aula”, “A escola educa, os pais ensinam”, “Os jovens não são massa de manobra” eram as frases usadas pelos militantes do Movimento Brasil Livre. “Durante muito tempo vocês não tiveram contraponto, mas o Brasil acordou”, retrucou o CWB.

“Fascistas não passarão”, “MBL lixo”, “Educação não é mercadoria”, “Escola Sem Partido é a doutrina dos que já mandam no país”, “Inconstitucional”, “Falar de Diversidade não é crime”, “Sociedade com pensamento crítico”, “Fora Temer” eram ditos em resposta.

Assista ao vídeo, via SISMUC:

Com informações da assessoria da Câmara Municipal de Curitiba

Comentários encerrados.