Crendeospai: Justiça responsabiliza ‘professoras’ pelo massacre de 29 de abril

Publicado em 15 agosto, 2017
Compartilhe agora!

De acordo com sentença da juíza Patricia de Almeida Gomes Bergonse, da 5.ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, a culpa de massacre de 213 pessoas no dia 29 de abril de 2015 foi dos manifestantes — não do governador Beto Richa (PSDB), que autorizou a ação violenta da Polícia Militar.

A magistrada rejeitou a ação civil pública movida pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) pedindo a condenação do tucano por improbidade administrativa.

Há dois anos e quatro meses, no Centro Cívico, na capital paranaense, o governo do estado empregou 3 mil policiais para reprimir protesto contra o confisco da poupança previdenciária de 300 mil servidores públicos do Paraná.

Também se livraram da ação civil pública o ex-secretário de Segurança Pública e atual deputado federal Fernando Francischini (SD), o ex-comandante da PM César Kogut e os oficiais da PM Hudson Leôncio Teixeira e Nerino Mariano de Brito.

A juíza afirma em sua decisão que “não poderia se esperar outra conduta dos policiais que não podiam permitir a ocupação do Legislativo, por mais relevantes que fossem as reivindicações expostas pelos manifestantes”, além disso, acrescentou que “as agressões foram iniciadas pelos próprios manifestantes” e que “havia caminhão de som incitando a população”.

A maioria absoluta dos manifestantes de 29 de abril de 2015 era formada por educadores, cuja categoria é nitidamente composta por mulheres.

O diabo é que há vídeos comprovando justamente o contrário, ou seja, o caminhão de som pedia para que a PM parasse de jogar bombas. Por outro lado, diante do massacre, o Palácio Iguaçu comemorava o ataque a manifestantes. Assista ao vídeo e relembre:

Compartilhe agora!

Comments are closed.