Temer acredita que somos todos bobos

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) afirma que o aumento da gasolina, autorizado pelo ilegítimo Michel Temer, impactará sobre a cesta básica (alimentos) e a passagem do ônibus, isto é, provocará aumentos em cascata. O colunista denuncia ainda que, para tentar ficar no cargo, Temer está agradando o setor empresarial, com o Refis de R$ 220 bilhões, e a banca, desmontando o Estado Social, ao invés de taxar as grandes fortunas.

Temer acredita que somos todos bobos

Luiz Claudio Romanelli*

“Vocês que fazem parte dessa massa que passa nos projetos do futuro. É duro tanto ter que caminhar e dar muito mais do que receber” Zé Ramalho

Com a justificativa de evitar o aumento do déficit fiscal, o governo anunciou na quinta-feira passada a elevação das alíquotas de PIS/Cofins sobre os combustíveis e um contingenciamento de despesas de cerca de R$ 5,9 bilhões.

A alíquota subiu de R$ 0,3816 para R$ 0,7925 para o litro da gasolina e de R$ 0,2480 para R$ 0,4615 para o diesel nas refinarias. Para o litro do etanol, a alíquota passou de R$ 0,12 para R$ 0,1309 para o produtor. Para o distribuidor, a alíquota, atualmente zerada, aumentou para R$ 0,1964.Os postos de combustíveis nem esperaram a medida começar a valer e já na mesma noite reajustaram o preço da gasolina em ate 16%, dependendo da região. Em Curitiba, o litro da gasolina subiu de R$ 3,09 para R$ 3,89.

Segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, o repasse integral do aumento de impostos levou a gasolina à maior alta nas bombas desde o início da série semanal de preços dos combustíveis da ANP, em 2004.

A grita foi geral. Porque não é preciso ser um especialista para saber que qualquer reajuste no combustível tem um impacto direto na inflação e nos custos de toda a cadeia produtiva.

A Confederação Nacional do Transporte estima uma alta do frete rodoviário na faixa de 2,5,%, enquanto a Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC & Logística) prevê alta de 4%. Um caminhão com capacidade para 150 litros pode ter que pagar R$ 31,50 a mais com o reajuste esperado para o óleo diesel.

E obviamente que esse aumento será repassado pelas transportadoras ao consumidor porque também os empresários não tem como arcar com mais esse ônus.

O aumento dos custos com frete deve pesar principalmente sobre os itens de menor valor agregado, como os produtos da cesta básica e será como um confisco para os produtores rurais.

Haverá ainda um grande impacto sobre o transporte coletivo já que o diesel tem um peso muito grande na planilha de custos do transporte público. A passagem de ônibus vai subir.

É claro que o reajuste terá reflexos em toda a cadeia de abastecimento e irá penalizar todos os setores da sociedade.

Ao afirmar que o povo iria compreender o aumento dos combustíveis, “porque esse é um governo que não mente. Não dá dados falsos. É um governo verdadeiro”, Michel Temer confirma que vive num universo paralelo, num mundo próprio. Ou talvez acredite que todos somos bobos. Um país de parvos ou um país do admirável gado novo de que nos fala a musica de Zé Ramalho, talvez?

Todo o país acompanha assombrado as patéticas manobras urdidas no Palácio do Planalto e no Congresso para salvar a cabeça do presidente, com a liberação de milhões em emendas parlamentares e a troca de deputados na Comissão de Constituição e Justiça. Para coroar o esforço, vem aí o Refis de R$ 220 bilhões para aliviar o setor produtivo e claro, beneficiar grandes sonegadores do país.

É publico e notório o vale tudo para livrar Temer.

Não é só credibilidade e caráter que faltam ao presidente. Falta coragem de tomar medidas sérias e corretas para aumentar a arrecadação. Em vez de penalizar toda a população com um reajuste no preço dos combustíveis, poderia e deveria tributar aplicações financeiras e estabelecer imposto para as grandes fortunas, por exemplo. O país tributa mais quem tem menos renda e nem passa pela cabeça do presidente e da equipe econômica inverter essa situação perversa.

Todas as medidas tomadas pelo governo ilegítimo de Temer penalizam os trabalhadores. A PEC do teto dos gastos, a reforma trabalhista, a terceirização, a proposta reforma da previdência, tudo isso visa o desmonte de importantes direitos sociais, conquistados a duras penas pelos brasileiros.

Temer e seus ministros estão tratando a Nação como se fosse um povo de tolos, gado marcado e feliz.

Boa Semana! Paz e Bem!

*Luiz Cláudio Romanelli, advogado, especialista em gestão urbana, deputado estadual ( PSB) e líder do Governo na Assembleia Legislativa do Paraná.

Comments are closed.