Golpista Michel Temer rebaixa forças armadas à condição de polícia no Rio

O ilegítimo governo Michel Temer rebaixou as forças armadas à condição de mera polícia no Rio de Janeiro.

O Tinhoso jura que a presença de tropas das forças armadas na capital fluminense tem o objetivo de “preservar a ordem pública” e as instituições.

Até o mais acéfalo comedor de alfafa sabe que o aumento de delitos no Rio – e no resto do país – está intrinsecamente ligado à deterioração da qualidade de vida das pessoas após o golpe de com o consequente desmonte do Estado Social.

A pauperização do povo brasileiro aviltado pelo desemprego crescente, somada à retirada de direitos dos trabalhadores, precarização da mão de obra, fim de investimentos públicos em áreas como saúde e educação, e, daqui a pouco o fim da aposentadoria, agrava a situação e aumenta o desespero dos cidadãos.

A autorização das forças armadas no Rio tem a ver com aqueles três pontos sobre os quais os desenvolvimentistas não se cansam de denunciar: 1- a precarização do Executivo, transformado num chefe de polícia para reprimir manifestações populares; 2- a maximização do poder do Banco Central independente; e 3- a precarização do Parlamento, com o financiamento de campanha por bancos e grandes empresas.

Ou seja, o ilegítimo utiliza as tropas federais para conter problemas sociais maximizados pelo golpe de Estado. Assim como era ilegal o uso do Exército para conter manifestações em maio passado, em Brasília, também o é no caso concreto do Rio.

Portanto, a presença das forças armadas no Rio é um atestado de que o golpe falhou e que Temer tem que cair fora; que somente as eleições Diretas Já têm condições de restabelecer a democracia e a paz social no país.

Comentários encerrados.