Disputa na APP à flor da pele

O coletivo SOMOS MAIS APP, que tem a hegemonia na APP-Sindicato, contestou na noite deste domingo (11) a informação de que Professor Paixão lidera os esforços por uma frente única para combater virtual chapa articulada pelo grupo do governador Beto Richa (PSDB).

“Estamos desde janeiro tentando negociar com o Paixão pra tentar a composição”, dizem os integrantes do coletivo SOMOS MAIS APP, que complementam: “a matéria em seu blog que não condiz com a verdade.”

“Realizamos 5(cinco) reuniões com companheiras(os) da Militância Socialista desde janeiro deste ano”, revelam os dirigentes da APP-Sindicato.

Professor Paixão, por sua vez, esclarece que “a proposta que fizemos de uma frente ampla foi uma contraproposta ao pedido de composição da direção estadual da APP. Eles nos procuraram.”

Portanto, o coletivo SOMOS MAIS APP reitera em documento enviado que é autor da proposta de frente — não de Paixão –, bem como a disposição para aprofundar os diálogos e o exercício de composição de uma chapa estadual e chapas regionais, representativas das diferentes forças políticas que historicamente se reúnem em torno de nossa entidade na defesa da categoria.

Abaixo, leia a íntegra do “Chamado à unidade cutista” lançado pelo coletivo SOMOS MAIS APP:

ELEIÇÕES NA APP-SINDICATO – CHAMADO À UNIDADE CUTISTA

O momento atual exigem muita unidade e organização coletiva para o fortalecimento da nossa luta em defesa dos direitos da nossa categoria e da classe trabalhadora como um todo, princípio esse que fez a APP-Sindicato se filiar a CUT.

As forças reacionárias impõem ao Brasil retrocessos sociais, econômicos e trabalhistas. A reforma da previdência, se aprovada, irá negar aos trabalhadores e trabalhadoras atuais seu direito à aposentadoria e condena as novas gerações à desesperança e ao desamparo futuro. O golpe se aprofunda. O governo ilegítimo se esgotou. Mas independente dele, a agenda imposta pelo capital, só faz aumentar a retirada de direitos. No Estado do Paraná, a Comissão de Política Salarial determina os rumos político-financeiros do governo e os compromissos com a educação, alguns deles previstos em lei, são descumpridos acintosamente por Richa. No período de três anos foram 4 greves, além das constantes mobilizações e atividades que a APP-Sindicato organizou para fazer frente aos recorrentes ataques aos direitos dos(as) educadoras(es) paranaenses.

Como método de ação política, o governo estadual opta pela desqualificação do trabalho do sindicato e seus dirigentes. Os tempos são de perseguições e coações. Faltas ilegais foram consignadas. Por ocasião das ocupações escolares e da greve de outubro/2017 juntamente com forças reacionárias – como o MBL, o governo estimulou o denuncismo que coloca milhares de trabalhadoras(es) da educação em processos desmedidos.

É nesse cenário complexo, de embates constantes e investidas do capital contra os direitos trabalhistas e previdenciários, que, no próximo mês de setembro, ocorrerão as eleições para direção estadual, direção dos 29 núcleos sindicais, conselho fiscal da APP-Sindicato e representantes de municípios. A atual direção estadual, composta por forças políticas que integram o coletivo SOMOS MAIS APP, tem consolidado uma gestão participativa e democrática garantindo, assim, que cada vez mais nossa entidade seja uma força de defesa dos direitos de Professoras(es) e Funcionárias(os) das redes estadual e municipais da Educação Pública do Paraná, representando os/as trabalhadores/as ativos(as) e aposentados(as).

O governo Beto Richa que ataca frontalmente os(as) servidores(as) públicos está de olho também no nosso processo eleitoral. Sabemos dos movimentos que ocorrem nos NREs e nas escolas para a formação de chapas.

Neste sentido, nos últimos meses viemos envidando esforços para ampliar nossa composição na direção estadual. Realizamos 5(cinco) reuniões com companheiras(os) da Militância Socialista desde janeiro deste ano. Avaliamos coletivamente a importância de retomar um trabalho de luta sindical que realizamos juntos até 2014. As duas últimas reuniões, contaram com a presença de dirigentes da CUT Nacional e Estadual além de dirigentes da CNTE – Confederação Nacional dos(as) Trabalhadores(as) em Educação. Vale ressaltar que as forças políticas citadas compõem a direção nacional de ambas as entidades.

Também realizamos reunião com dirigentes da CTB – Central de Trabalhadores(as) do Brasil, força essa que vem participando da direção de vários Núcleos Sindicais.

É necessário o esforço coletivo para se fazer as lutas e superar os desafios que o cenário nacional e estadual exigem, pautadas na defesa da Escola Pública, dos(as) professores(as) e funcionários(as) da rede estadual e das mais de 200 redes municipais que a APP-Sindicato representa. Assim sendo, o coletivo SOMOS MAIS APP, reafirma sua disposição para aprofundar os diálogos e o exercício de composição de uma chapa estadual e chapas regionais, representativas das diferentes forças políticas que historicamente se reúnem em torno de nossa entidade na defesa da categoria.

“O que a vida quer da gente é coragem”(Guimarães Rosa)

CARTA PÚBLICA aos(às) professores(as) e funcionárias(os) ativos(as) e aposentados(as) que participam da construção da política sindical na APP-Sindicato.

Curitiba, 3 de junho de 2017

Comentários encerrados.