Por Esmael Morais

Câmara Municipal suspende ‘sessão da maldade’ contra servidores de Curitiba

Publicado em 13/06/2017

A Câmara informou que suspendeu a sessão que votaria o pacotaço devido à adesão dos trabalhadores concursados da Casa à greve e à pressão dos manifestantes.

Os 33 mil funcionários dos serviços públicos curitibanos estão paralisados desde segunda-feira (12), quando deram início ao movimento paredista.

Trabalhadores grevistas denunciam que vereadores agiram de forma truculenta para entrarem à força, esta manhã, usando carro para intimidar os servidores e jogando água e bombas nos manifestantes para tentar dispersar o movimento.

No meio da confusão, alguns vereadores se retiraram da Câmara Municipal e se recusam a votar os projetos por conta do autoritarismo do processo.

Entretanto, os sindicatos de servidores municipais dizem que suspender a sessão não é o suficiente.

“O pacote de ajuste fiscal deve ser retirado de tramitação”, reivindicam as entidades representativas dos servidores públicos municipais.

De acordo com o Sismmac e o Sismuc, que organizam a greve, os vereadores podem tentar aprovar os projetos do pacotaço de Greca a qualquer momento.

“Entre eles, está o projeto que permite o saque – já considerado inconstitucional pelo Projuris e Ministério da Fazenda – de 600 milhões do Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Curitiba. Permitir a votação desse e de outros projetos ilegais do pacotaço é um absurdo e, por isso, os servidores estão se manifestando para garantir a manutenção dos direitos”, denunciam os sindicalistas.

O pacotaço de Greca guarda similaridades com os do governador Beto Richa (PSDB), que retiraram direitos dos servidores públicos estaduais.