Por Esmael Morais

Em clima funesto, CCJ do Senado deve votar daqui a pouco a reforma trabalhista; acompanhe ao vivo

Publicado em 28/06/2017

Temer transformou a CCJ do Senado num campo de batalha para “provar” que ainda respira mesmo depois de denunciado por corrupção ativa no STF.

O senador Paulo Paim (PT-RS) defende que a votação do PLS 38/2017 seja adiado em virtude de Michel Temer ter sido alvo de denúncia apresentada pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot.

“O correto seria não votarmos nada em vista dos fatos”, disse o senador à Rádio Senado.

Quanto ao projeto em si, o senador Roberto Requião (PMDB-PR) afirmou que não faz sentido acabar com a CLT para justificar a recessão e o desastroso modelo da economia. “Claro que a CLT precisa de alguns ajustes, mas destruir direitos do trabalho para justificar fracassos empresariais na recessão é estupidez!”, considerou.

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL), líder do partido no Senado, bateu na medalha em discurso realizado nesta terça (27) defendendo o adiamento da votação da reforma trabalhista. Segundo ele, é uma reforma que revoga direitos do trabalhador e foi ditada exclusivamente pelo sistema financeiro. “Um presidente denunciado por corrupção não tem moral para aprovar uma reforma desse tipo”, disparou para então aconselhar o governo a “dialogar com a sociedade”.

O líder da Rede Solidariedade, senador Randolfe Rodrigues (AP), também pediu o adiamento da votação. “Ouçamos o bom senso e adiemos a votação desse tema. É o que o bom senso indica, porque o senhor Michel Temer não tem condição alguma de liderar quem quer que seja”, disse Rodrigues. Na mesma linha, o líder do PT, senador Lindbergh Farias, e as senadoras Lídice da Mata (PSB-BA) e Vansessa Grazziotin (PCdoB-AM) sugeriram que a votação da proposta fosse adiada.