MST põe polícia para correr no PR

O MST colocou a Polícia Militar para correr de um acampamento no município de Porecatu, no Norte do Paraná. O governador Beto Richa (PSDB) havia autorizado reintegração da área ocupada desde 2008.

NOTA DO MST

Policia militar tenta realizar despejo em acampamento do MST no Paraná

Na manhã desta terça-feira (07/03), viaturas da policia militar tentaram realizar um despejo no acampamento Herdeiros da Terra de Porecatu, região norte do estado, quando os trabalhadores estavam na colheita da produção do acampamento.

Segundo informações, dos próprios acampados, a policia chegou, sem conversar, acompanhada por dois tratores, expulsando os camponeses que se encontravam na roça. Com as maquinas, eles começaram a destruir a plantação dos acampados, sem negociação e diálogo.

As famílias, assustadas com o que estava acontecendo, se organizaram e foram para a área de plantação do acampamento, impedir a destruição da produção, onde foram recebidos de forma brutal pelos policiais da tropa de choque que ali se encontravam.

No momento encontram-se três trabalhadores feridos por estilhaços de bala, e 20 trabalhadores que foram presos quando estavam indo para a roça, e encontram-se detidos na delegacia do município de Florestópolis.

As 400 famílias Sem Terra acampadas desde novembro de 2008 na antiga Fazenda Variant esperam há quase dez anos serem assentadas com objetivo de produzir alimentos saudáveis e terem terra para trabalhar, desde então, produzem e tiram seu sustento do cultivo de plantações efetuadas nesse período.

A coordenação do MST no Paraná reforça que os casos de Reforma Agrária devem ser resolvidos em forma de diálogo e não por violência, como tem agido o aparato da Policia Militar no estado, exigindo, portanto o assentamento das 10 mil famílias acampadas em todo o estado.

A coordenação do MST no Paraná reforça que os casos de Reforma Agrária devem ser resolvidos em forma de diálogo e não por violência, como tem agido o aparato da Policia Militar no estado.

Comments are closed.