Gaeco desarticula máfia do ônibus em Araucária, Grande Curitiba

O empresário Luiz Ben-Hur Loures, dono da Transtupi, que faz a linha de ônibus em Araucária, região metropolitana de Curitiba, foi na tarde desta terça-feira (21) pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

A prisão ocorreu na 2ª fase da Operação Fim de Feira, que investiga casos de corrupção na gestão anterior da Prefeitura e supostas fraudes no transporte coletivo do município.

Para o Gaeco, que é o braço policial do Ministério Público do Paraná, se trata de uma máfia que foi desarticulada com a prisão do empresário.

“Nós temos indícios de que o dono da viação teria feito pagamento de propina a favor do ex-prefeito Rui Alves de Souza [PTC] que foi preso em dezembro do ano passado e de outras pessoas relacionadas a ele”, explicou o coordenador do Gaeco, Leonir Batisti, em entrevista à Rádio Banda B.

De acordo com o procurador de Justiça, a segunda fase da operação cumpriu cinco mandados de prisão, seis de busca e apreensão e três de condução coercitiva – quando a pessoa é conduzida para depor.

Na segunda-feira (20), vereadores de Araucária informaram ao Blog do Esmael que o empresário preso estimulou uma manifestação para restituir uma linha de ônibus — Tupi/Pinheirinho — desativada pelo prefeito Hissam Hussein Dehaini (PPS), que estima economizar ao erário R$ 9 milhões neste ano.

O Sindicato das Empresas de Ônibus da Grande Curitiba (Setransp), segundo a Banda B, não quis se pronunciar sobre a prisão do dono da Transtupi.

O município de Araucária, a 27 km de Curitiba, tem 140 mil habitantes. Tem o terceiro maior orçamento do Paraná (perde apenas para Curitiba e São José dos Pinhais). Possui cerca de 90 mil eleitores.

Comentários encerrados.