Richa vai reduzir em 50% salários de professores no Paraná; GREVE NELE!

Embora ostente um supersalário de R$ 67 mil, o governador Beto Richa (PSDB) vai reduzir em 50% os salários dos professores que tiveram afastamentos nos últimos cinco anos no Paraná.

O sistema de distribuição de aulas extraordinária penaliza o profissional que faltou por doença, cursos, licença-prêmio e morte do cônjuge, segundo a Resolução 113/2017.

O professor que tem padrão de 20 horas ficaria proibido de pegar mais 20 aulas (extraordinárias), por exemplo, caso ele tenha se licenciado em algum momento do passado para um tratamento de câncer. Portanto, o salário desse profissional ficaria reduzido a 50%.

Isto é motivo de greve ou não?

Esse critério draconiano havia sido suspenso no início da semana por força de uma liminar, mas um desembargador do TJPR a derrubou em decisão monocrática. A questão voltará para o pleno da corte.

Noutra frente da batalha jurídica, a 14ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba derrubou nesta quarta (8) o artigo 9º da Resolução 113, que previa a redução da hora-atividade de 33% para 25%. Esse lance representaria a demissão de até 10 mil professores nas escolas da rede pública.

A medida suspensa hoje atingiria, sobretudo, os professores contratados em regime PSS (mas também tocaria o quadro próprio).

É dentro desse contexto que a APP-Sindicato realizará neste sábado (11), na cidade de Maringá, a assembleia geral da categoria para deflagrar greve por tempo indeterminado. A expectativa é que o movimento seja iniciado dia 15 de fevereiro, o que suspenderia o início do ano letivo de 2017.

Comentários encerrados.