“Ai, ai, ai… ai, ai… Se empurrar o Rossoni cai”

Daqui a pouco, no período da tarde, o Grêmio Estudantil do Colégio Casemiro Karman, de Campo Largo, região metropolitana de Curitiba, realizará manifestação contra corrupção no governo Beto Richa (PSDB) e contra a obra inacabada no estabelecimento.

Em julho de 2016, a comunidade escolar apoiou o Grêmio na ocupação da escola de 1,5 mil alunos. Aliás, foi a segunda das 800 escolas ocupadas no ano passado contra a reforma do ensino médio e contra a corrupção no governo do Paraná.

Na época, para pôr fim à ocupação, a secretária de Estado da Educação Ana Seres Comin, indicada no cargo pelo chefe da Casa Civil Valdir Rossoni (PSDB), assinou documento se comprometendo a entregar a escola do no 1º dia do ano letivo de 2017. Só ficou na promessa…

Hoje à tarde, a moçada vai cantarolar a seguinte palavra de ordem: “Ai, ai, ai… ai, ai… Se empurrar o Rossoni cai”.

O chefe da Casa Civil entrou na marca do pênalti depois de a Folha de S. Paulo revelar, nesta segunda-feira (20), que ele dividia escritório com empresas investigadas pela Operação Quadro Negro.

Segundo o Ministério Público, o parlamentar fazia pressão para que obras não concluídas nas escolas fossem pagas pelo governo do estado.

Veja o documento assinado pela secretária Ana Seres, indicada para ocupar o cargo por Rossoni:

http://www.esmaelmorais.com.br/wp-content/uploads/2017/02/promessa.pdf

Comentários encerrados.