Por falar em corrupção, copiloto de Beto Richa é condenado a 97 anos de cadeia no Paraná

Publicado em 15 dezembro, 2016
Compartilhe agora!

O ex-inspetor-geral de fiscalização da Receita Estadual, Márcio Albuquerque Lima, amigo e copiloto do governador Beto Richa (PSDB) nas corridas de 500 Milhas de Londrina, foi condenado a 97 anos de prisão nesta quinta (15) por chefiar esquema de corrupção na Receita Estadual do Paraná.

A sentença foi assinada pelo juiz Juliano Nanuncio, da 3ª Vara Criminal de Londrina, no norte do Paraná, também atingiu outros 41 réus na ação criminal referente à primeira fase da Operação Publicano.

O próprio governador Beto Richa é investigado pelo STJ desde março deste ano.

Segundo a ex-auditor fiscal da Receita Luiz Antônio de Souza, R$ 4,3 milhões em propina arrecadados no esquema teriam sido destinados ao financiamento da campanha de reeleição de Richa, em 2014.

A Operação Publicano teve início em janeiro de 2015 com a prisão do fotógrafo e ex-assessor do governador Marcelo Tchello Caramori.

Conhecido nos bastidores policiais e políticos como “Taradão do Palácio Iguaçu”, em virtude do cargo comissionado que tinha até janeiro de 2015 e com sua prisão pela exploração de menores, Caramori também entregou as relações promíscuas do primo do governador, o lobista Luiz Abi Antoun, com a Receita Estadual, bem como as fraudes no governo do estado.

De acordo com balanço da força-tarefa da Operação Publicano, liderada pelo Gaeco, o braço policial do Ministério Público, o esquema de corrupção na Receita Estadual deu prejuízo de R$1,8 bilhão aos cofres públicos do Paraná.

Veja a relação dos condenados pela Publicano:

Ademir de Andrade, condenado a nove anos de reclusão mais 47 dias-multa
Ana Paula Pelizari Marques Lima, condenada a 76 anos de reclusão mais 605 dias-multa
André Luis Santelli, condenado a 15 anos, um mês e 15 dias de reclusão mais 278 dias-multa
Antônio Belini Júnior, condenado a quatro anos e oito meses de reclusão mais 37 dias-multa
Antônio Pereira Júnior, condenado a um ano e três meses de reclusão mais 13 dias-multa
Antônio Carlos Lovato, condenado a 69 anos e seis meses de reclusão mais 346 dias-multa
Bruno Enko Júnior Andreatta, condenado a quatro anos e oito meses de reclusão mais 37 dias-multa
Camila Nayara De Souza, condenada a um ano e três meses de reclusão mais 13 dias-multa
Cláudio Tosatto, condenado a nove anos e seis meses de reclusão mais 57 dias-multa
Clóvis Agennor Rogger, condenado a 37 anos e três meses de reclusão mais 163 dias-multa
Daniela Feijó, condenada a um ano e três meses de reclusão mais 13 dias-multa
Ednardo Paduan, condenado a nove anos e seis meses de reclusão mais 74 dias-multa
Ernani Koji Tutida, condenado a 12 anos e um mês de reclusão mais 103 dias-multa
Hederson Flávio Bueno, condenado a dois anos e seis meses de reclusão mais 26 dias-multa
Íris Mendes Silva, condenada a 12 anos e nove meses de reclusão mais 66 dias-multa
João Augusto Della Torre, condenado a quatro anos e oito meses de reclusão mais 37 dias-multa
José Aparecido Valêncio da Silva, condenado a 38 anos, um mês e 15 dias de reclusão mais 191 dias-multa
José Luiz Favoreto Pereira, condenado a 37 anos, oito meses e 15 dias de reclusão mais 412 dias-multa
Láercio Rossi, condenado a 69 anos e seis meses de reclusão mais 346 dias-multa
Leandro Junior Capelanes Rodrigues, condenado a dois anos e seis meses de reclusão mais 26 dias-multa
Leila Maria Raimundo Pereira, condenada um ano e três meses de reclusão mais 13 dias-multa
Lídio Franco Samways Júnior, condenado a 51 anos e seis meses de reclusão mais 249 dias-multa
Lúcia Eiko Tutida, condenada a 12 anos e um mês de reclusão mais 103 dias-multa
Luiz Antônio De Souza, condenado 49 anos e um 1 mês de reclusão e 1 ano de detenção
Márcio De Albuquerque Lima, condenado a 97 anos, 1 mês e 29 dias de reclusão, pelos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva e organização criminosa.
Marco Antônio Bueno, condenado a 17 anos e um mês de reclusão mais 316 dias-multa
Maria Nunes Clementino, condenada a dois anos e seis meses de reclusão mais 26 dias-multa
Miguel Arcanjo Dias, condenado a 17 anos e três meses de reclusão mais 94 dias-multa
Milton Antônio Oliveira Digiacomo, condenado a 44 anos e nove meses de reclusão mais 210 dias-multa
Milton Egídio Evangelista, condenado a três anos de reclusão e dez dias-multa
Orlando Coelho Aranda, condenado a 14 anos e três meses de reclusão mais 95 dias-multa
Paulo Roberto Dias Midauar, condenado a dez anos e oito meses de reclusão mais 101 dias-multa
Rafael Renard Gineste, condenado a quatro anos e oito meses de reclusão mais 37 dias-multa
Ranulfo Dagmar Mendes, condenado a 14 anos e três meses de reclusão mais 95 dias-multa
Ranulfo Santana De Castro, condenado a dois anos e seis meses de reclusão mais 26 dias-multa
Renato Batista Esperandio, condenado a um ano de reclusão mais dez dias-multa
Ricardo De Freitas, condenado a 11 anos e três meses de reclusão mais 72 dias-multa
Rogério Spinardi, condenado a cinco anos de reclusão mais 52 dias-multa
Rosângela de Souza Semprebom, condenada a 12 anos de reclusão por corrupção passiva e organização criminosa
Rosineide de Souza, condenada a dois anos e seis meses de reclusão mais 26 dias-multa
Sílvio Nunes Barbosa, condenado a cinco anos de reclusão e 52 dias-multa
Stefan Ruthschilling, condenado a cinco anos de reclusão e 52 dias-multa

Compartilhe agora!

Comments are closed.