Blog do Esmael

A política como ela é em tempo real.

O inferno astral do judiciário provocado pela Lava Jato

moro_requiao_katia_renanDepois que mandou invadir o Senado Federal, a Lava Jato empurrou juízes e integrantes do Ministério Público de todo o país para uma espécie de inferno astral.

Senão, vejamos.

No final de outubro, a Polícia Federal invadiu o Senado da República para prender agentes da Polícia Legislativa que faziam varreduras antigrampo para os senadores. O Congresso Nacional viu excessos e abuso de autoridade da Lava Jato.

A partir daí dois fronts políticos foram abertos no Senado contra esses abusos: 1- investigação dos supersalários; e 2- investigação do abuso de autoridade.

O presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL) abriu a porta do inferno quando atacou os supersalários de juízes no Rio de Janeiro.

“Você continuar pagando, apesar da limitação do gasto público, R$ 150 mil para servidor é um acinte, é um horror”, disse. “O caso do Rio de Janeiro é um horror. Pessoas que estão ganhando até R$ 200 mil, isso é um acinte a um país tão desigual”, completou.

Criada uma comissão para investigar o pagamento de salários acima do teto permitido pela Constituição a servidores públicos, chamados de “supersalários”, Renan não titubeou para nomear a senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) no comando desse colegiado. A parlamentar foi uma das mais combativas na luta contra o golpe de Estado, que derrubou a presidente Dilma Rousseff em 31 de agosto deste ano.

Renan também escolheu a dedo o senador Roberto Requião (PMDB-PR), igualmente destacado general anti-impeachment, para conduzir a relatoria do projeto contra abuso de autoridade.

Enfim, embora as duas temáticas — abuso de autoridade e supersalários — não tenham relação direita com a Lava Jato, é evidente que a Lava Jato, por seus excessos, empurrou o legislador com suas prerrogativas constitucionais para colocar uma lupa em todos juízes e integrantes do Ministério Público.

Portanto, o judiciário tem que “agradecer” ao juiz Sérgio Moro e ao procurador do MPF Deltan Dallagnol — digníssimos coordenadores da pirotecnia chamada Lava Jato.

Comentários desativados.