Justiça decide que Greca não pode esconder partido de Richa na propaganda; veja a decisão

greca_psdb_richaA juíza Sayonara Sedano, da 175ª Zona Eleitoral, determinou que o candidato à Prefeitura de Curitiba pelo PMN, Rafael Greca, veicule de forma audível os partidos que integram a coligação. Na prática, o candidato terá que mostrar o apoio do PSDB, partido do governador Beto Richa.

A magistrada disse que Greca veiculou no último dia 15 de outubro programa eleitoral no rádio sem citar nome da coligação e dos partidos. Sedano estipulou multa de R$ 100 mil em caso de descumprimento da ordem judicial.

O advogado Gustavo Guedes, da coordenação jurídica da campanha de Ney Leprevost (PSD), disse que é razoável que os eleitores saibam quem apoia quem na disputa pela Prefeitura de Curitiba. “Isto o ajuda a decidir o voto”, completou.

Leia a íntegra da decisão:

http://s3.amazonaws.com/static.esmaelmorais.com.br/wp-content/uploads/2016/10/22104840/Greca_PSDB_Richa.pdf

16 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. O povinho idiota e arrogante de Curitiba vai acabar elegendo outro deputadozinho de merda para administrar a cidade. Sai um merda e entra um bosta. Essa gente ignorante merece isso. Curitiba vai ficar mais 4 anos entregue às traças.

  2. Quero ver o Leprevost honrar a promessa feita em debate, de reconectar o transporte
    entre a região metropolitana e a capital, em 30 dias, e baixar a passagem a R$ 3,60.
    Teoricamente terá que estar operando a RMC com a capital em 01/02/2017, se não errei
    essa conta de padeiro.
    Para quem quiser conferir, aqui vai o vínculo.
    http://www.bandab.com.br/jornalismo/em-30-dias-de-gestao-retomo-reintegracao-do-transporte-em-curitiba-e-regiao-diz-leprevost/

  3. Essa juíza só toma medidas tendenciosas e que são sempre prejudiciais à chapa do Greca!!! Greca 33!!!

  4. Agora em 2016, em Curitiba o assunto é FEDOR & POLÍTICA!

    O Greca que está na frente liderando, o PT e seus satélites o acusam de ter nojo de FEDOR (os ditos politicamente corretos). Mas Grega não é hipócrita!

    O FEDOR e a Política (PT e satélites estão falando muito em FEDOR e GRECA):
    Você pega um▪ Dallagnol; uma Laura Tessler (designada para Operação, julho 2015); um Juiz do caso cujo nome é Moro [temos certeza que Petistas NEM SABEM DE QUEM SE TRATA ESSE NOME, sobretudo o 1º]. Compara com PETISTAS HISTÓRICOS de Brasília, exemplo: Rui Falcão, Jacques Wagner, o picareta Ricardo Berzoini, Gleisi Hoffmann, fingido Tarso Genro, — aí você vê enorme diferença: esses Petistas, comparados, ficam como BARANGOS, gente feia [atenção seus politicamente corretos! Existe sim gente feia.]. E que FEDE também… Rafael Greca não é hipócrita.

    Qualquer animal fica dias sem tomar banho e não fede; agora o ser humano já 1 dia sem tomar banho já fede muito, é um fedor danado.

  5. hahahaha e o Ney com o Sciarra e o Francischini, os verdadeiros comandantes do massacre. É uma comédia esta campanha

  6. Ambrosio
    outubro 8, 2016 em 17:28
    Se ao menos a honestidade apregoada por Ney, com relação a prisão de corruptos, não tem relação a sua pessoa ou “laranjas”, poderia levantar a cabeça e se fazer de pessoa honrada ao julgamento popular. Porém ser honesto sem processo não precisa dizer que é, será preciso perante as evidencias, mostrar que não é. Não é (ou Neym é), como já em andamento, conforme documentado em:
    por esmael
    33 Comentários
    PMDB orienta pelo voto nulo em Curitiba
    PMDB orienta pelo voto nulo em Curitiba
    outubro 4, 2016 por esmael | 33 Comentários
    33 COMENTÁRIOS
    Deixe um comentário →
    Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.
    ANALISTA TRIBUNAL
    outubro 4, 2016 em 11:15
    Vejam a decisão abaixo. A festa vai começar….
    Número interno do documento:
    AC-640-4/14-1
    Número do Acórdão:
    640
    Ano do Acórdão:
    2014
    Colegiado:
    Primeira Câmara
    Processo:
    026.811/2010-3
    Tipo do processo:
    TOMADA DE CONTAS ESPECIAL (TCE)
    Interessado:
    3. Responsáveis: Instituto de Desenvolvimento da Organização Nacional de Excelência Administrativa – Iabras (CNPJ: 07.279.398/0001- 96), representado por Rodrigo Dziedzick (CPF: 914.860.689-87) e Patrícia dos Santos Fisch (CPF: 764.137.640-15); CWB Brasil – Eventos, Publicidade, Promoções e Participações Ltda. (CNPJ: 06.264.681/0001-81), representada por João Guilherme Leprevost (CPF: 09.978.764.299-04)
    Entidade:
    Instituto de Desenvolvimento da Organização Nacional de Excelência Administrativa (Iabras)
    Relator:
    VALMIR CAMPELO
    Representante do Ministério Público:
    Procurador Marinus Eduardo De Vries Marsico
    Unidade técnica:
    Secretaria de Controle Externo no Paraná (Secex/PR)
    Representante Legal:
    Marina Michel de Macedo (OAB/PR nº 36.786), Melina Breckenfeld Reck (OAB/PR nº 33.039) e Clèmerson Merlin Clève (OAB/PR nº 09.361)
    Sumário:
    TOMADA DE CONTAS ESPECIAL. IRREGULARIDADES NA APLICAÇÃO DE RECUROS DE CONVÊNIOS FIRMADOS ENTRE O MINISTÉRIO DO TURISMO E INSTITUIÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS DO ESTADO DO PARANÁ. CITAÇÕES. SRA. PATRICIA DOS SANTOS FISCH EXCLUÍDA DO PROCESSO. ALEGAÇÕES DE DEFESA REJEITADAS. CONTAS IRREGULARES. DÉBITO. MULTA. COBRANÇA JUDICIAL E PARCELAMENTO DA DÍVIDA. CÓPIA DO ACÓRDÃO PROFERIDO, ACOMPANHADO DO RELATÓRIO E VOTO QUE O FUNDAMENTAM, À PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO PARANÁ, À RECEITA FEDERAL DO BRASIL E AO MINISTÉRIO DO TURISMO.
    Acórdão:
    VISTOS, relatados e discutidos estes autos de tomada de contas especial (TCE) instaurada em cumprimento ao Acórdão nº 5.316/2010-TCU-1ª Câmara proferido no TC-010.645/2010-1, que tratou de relatório de auditoria realizada na gestão de recursos de convênios firmados pelo Ministério do Turismo com instituições não governamentais do Estado do Paraná.
    ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em Sessão da Primeira Câmara, ante das razões expostas pelo Relator, em:
    9.1. excluir da relação processual a Sra. Patrícia dos Santos Fisch, (CPF: 764.137.640-15);
    9.2. rejeitar as alegações de defesa apresentadas pelo Instituto de Desenvolvimento da Organização Nacional de Excelência Administrativa – Iabras (CNPJ: 07.279.398/0001-96) e pela empresa CWB Brasil – Eventos, Publicidade, Promoções e Participações Ltda. (CNPJ: 06.264.681/0001-81), com base no art. 12, inciso II e §1º, da Lei 8.443/92, porquanto não comprovaram a boa e regular aplicação dos recursos públicos repassados por meio dos convênios firmados com o Ministério do Turismo;
    9.3, com fundamento nos arts. 1º, inciso I; 16, inciso III, alíneas “b”, “c” e “d” e § 2º, alínea “b”; 19, caput, e 23, inciso III, “a”; todos da Lei 8.443/92, c/c o art. 214, inciso III, “a”, do Regimento Interno, julgar irregulares as contas do Instituto de Desenvolvimento da Organização Nacional de Excelência Administrativa – Iabras (CNPJ: 07.279.398/0001-96 e da empresa CWB Brasil – Eventos, Publicidade, Promoções e Participações Ltda. (CNPJ: 06.264.681/0001-81), condenando-os solidariamente ao pagamento dos débitos a seguir relacionados, fixando-lhes o prazo de quinze dias a contar da notificação para que comprovem perante o Tribunal o recolhimento da dívida aos cofres do Tesouro Nacional, atualizada monetariamente e acrescida dos juros de mora calculados a partir das datas mencionadas até o efetivo recolhimento, nos termos da legislação em vigor:
    9.4. aplicar, individualmente, ao Instituto de Desenvolvimento da Organização Nacional de Excelência Administrativa – Iabras (CNPJ: 07.279.398/0001-96 e à empresa CWB Brasil – Eventos, Publicidade, Promoções e Participações Ltda. (CNPJ: 06.264.681/0001-81) a multa prevista no art. 57 da Lei 8.443, de 1992, no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), fixando-lhes, nos termos do art. 214, inciso III, alínea “a”, do Regimento Interno, o prazo de 15 (quinze) dias, a contar da notificação, para que comprovem perante o Tribunal o recolhimento da referida quantia aos cofres do Tesouro Nacional, na forma da legislação em vigor;
    9.5. autorizar, desde logo, a cobrança judicial das dívidas, nos termos do art. 28, inciso II, da Lei 8.443, de 1992, caso não atendidas as notificações;
    9.6. autorizar, desde logo, com fundamento no art. 26 da Lei 8.443/1992 combinado com o art. 217 do Regimento Interno, caso seja do interesse dos responsáveis, o parcelamento das dividas em até 36 (trinta e seis) parcelas mensais e consecutivas, incidindo sobre cada uma, corrigida monetariamente, os correspondentes acréscimos legais; sem prejuízo de alertá-los de que, caso optem por essa forma de pagamento, a falta de comprovação do recolhimento de qualquer parcela implicará o vencimento antecipado do saldo devedor, nos termos do parágrafo único do citado art. 26 da Lei Orgânica do Tribunal combinado com o art. 217, § 2º, do Regimento Interno e;
    9.7. encaminhar cópia do presente acórdão, acompanhado do relatório e voto que o fundamentam:
    9.7.1. ao Ministério do Turismo;
    9.7.2. à Procuradoria da República no Estado do Paraná/PR, nos termos do art. 16, § 3º, da Lei 8.443/92, c/c o art. 209, § 6º, do Regimento Interno, para o ajuizamento das ações cabíveis;
    9.7.3. à Receita Federal do Brasil, para as providências que entender pertinentes;
    Quórum:
    13.1. Ministros presentes: Walton Alencar Rodrigues (na Presidência), Valmir Campelo (Relator), Benjamin Zymler e José Múcio Monteiro.
    13.2. Ministro-Substituto presente: Augusto Sherman Cavalcanti.
    (…)
    4. Assim, a amostra oriunda desse levantamento elencou dezoito convênios, que abarcaram a movimentação de R$ 6.903.482,26 dos cofres públicos federais entre os exercícios de 2008 e 2009, distribuídos da seguinte forma: R$ 2.250.000,00 para o Iabras, relativo a onze convênios; R$ 3.462.282,26 para o Instituto Origem, decorrente de sete convênios; e R$ 1.191.200,00 ao Londrina Convention & Visitors Bureau, por conta do convênio 629352/2008.
    5. Os processos autuados, TC 010.643/2010-9 (Fiscalis 500/2010 – Origem e LCVB) e 010.645/2010-1 (Fiscalis 501/2010 – Iabras), evidenciaram a prática de várias irregularidades, tanto de responsabilidade dos órgãos concedentes, quanto por ação dos convenentes relacionados.
    (…)
    TCU, Sala das Sessões Ministro Luciano Brandão Alves de Souza, em 18 de fevereiro de 2014.
    VALMIR CAMPELO
    Ministro-Relator
    Data da sessão:
    18/02/2014
    Ata:
    4/2014
    Responder
    ANALISTA TRIBUNAL
    outubro 4, 2016 em 11:21
    Outra situação que se arrasta no tribunal de contas da União:
    Número interno do documento:
    AC-7307-37/13-1
    Número do Acórdão:
    7307
    Ano do Acórdão:
    2013
    Colegiado:
    Primeira Câmara
    Processo:
    010.645/2010-1
    Tipo do processo:
    RELATÓRIO DE AUDITORIA (RA)
    Na sequência dos trabalhos, outras irregularidades foram sendo levantadas. Dentre elas, o fato da proponente não possuir capacidade técnica, administrativa e financeira para executar os objetos propostos, contrariando declarações juntadas por ela própria e por outras entidades (Prefeituras Municipais, Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel/PR), Conselho de Turismo, Deputado Estadual Ney Leprevost, etc.). As demonstrações contábeis, evidenciando prejuízos ano após ano, a localização em duas pequenas salas alugadas, a ausência de funcionários e a contratação de terceiros para realizar todos os serviços requeridos, foram suficientes para comprovar que os responsáveis do Iabras agiram com má-fé desde o início.
    Tais contratações, investidas de aparente legalidade, eis que originadas de cotações prévias realizadas com fundamento nos recentes normativos, consistiram em meras simulações, sem qualquer propósito de selecionar a melhor proposta para a administração pública. Para 9 (nove) dentre as 10 (dez) cotações feitas, as propostas apresentadas foram sempre das mesmas empresas: CWB Brasil Eventos, Publicidade e Promoções Ltda. (de propriedade de irmãos do deputado mencionado acima), Occasio Comunicação e Eventos Ltda. (que além de não possuir funcionários, não foi encontrada no endereço indicado nos orçamentos, sendo que o endereço informado no cadastro do CNPJ da Receita Federal é de uma residência localizada na periferia de Curitiba). As evidências são de que as seleções supostamente realizadas foram montadas com um único objetivo de propiciar a contratação da CWB Brasil Eventos, Publicidade e Promoções Ltda., prestigiada com a cifra de R$ 1.890.000,00 pelo Iabras, sendo R$ 1.750.000,00 oriundos dos cofres federais.
    MUITO IMPORTANTE VOLTAR A SALIENTA QUE O CANDIDATO POR DUAS VEZES DISSE QUE A “PESSOA DEVE TER FICHA LIMPA”, NÃO ESTAR COM PROCESSO E SOB SUSPEITA DE IRREGULARIDADES. Em tão bom! Quem dois dois está mentindo?
    Sugiro, Esmael, para os próximos debate que o candidato Ney não diga que o debate seja só em torno de propostas, uma vez que a a vida privada também é forma de governo: PASSADO, PRESENTE E FUTURO. Ou seja, fazer de cabeça erguida e sem “rabo” preso.
    Agora é GRECA! Neym pensar em mais alguém.

  7. QUE FEIO RAFAEL GRECA, ESCONDENDO QUE É APOIADO PELO PSDB DO BETO RICHA, SÓ PORQUE ELE MANDA BATER EM PROFESSORES. COMO É COLIGAÇÃO, TEM QUE ASSUMIR. SÓ POQUE O BETO, ESTÁ COM 90% DE DESAPROVAÇÃO NO ESTADO DO PARANÁ? QUEM QUE INDICOU O VICE DO RAFAEL? FOI O PRÓPRIO BETO RICHA.

  8. Até isso, hooo gentalha, kkkkk … Curitiba também tá pessima de candidato, não tem pra quem votar

  9. Tranquilo. Se tivesse coligado com o PT aí sim seria problema, perderia uma monstruosidade de votos.

  10. Será que o Ney vai divulgar que está com o PCdoB também? A regra vale para todos.

  11. Depois do Dória na campanha, já deu para perceber que o PSDB do Paraná está com ele. E como eu não voto em quem bate em professores e funcionáriso que estavam reinvidicando os direitos de não mexerem na previdência estadual para pagarem dividas da sua incompetência adminsitrativa, fica aqui o meu voto contra ele.
    Quem sabe na próxima Grega, quando você tiver melhores companhias ao seu lado.
    Mas não sendo justo, também cabe isso ao Leprevost que na parte de divulgar as suas coligações é aquela fita corrida…. e tem gente que acha que eles não tem vinculos como o Richa….kkkkkk……

  12. Ele já mostrou o Dória: o suficiente pra ele ir pras “cucuias”

    • Depois da manifestação sincera do Greca, a coligação poderia mudar de nome para Coligação Corrente do Bem… Vomitado!!! E o partido do Greca, depois dessa aliança com Beto Richa, pode mudar a sigla para PMNdoPSDB!!!