Por Esmael Morais

Educação inicia nesta 2ª feira greve contra retrocessos de Richa e Temer

Publicado em 16/10/2016

Os educadores contam com a providencial ajuda tácita dos estudantes, que ocupam mais de 500 escolas em todo o estado. A tendência é que esse número aumente no decorrer da semana com o início da greve geral do magistério.

Há uma pluralidade de reivindicações da educação — dos corpos discente e docente — que incluem a retirada da MP 746 (reforma do ensino médio) e da PEC 241 (congelamento de investimentos na educação por 20 anos), relativas ao governo federal, e da retirada da mensagem 403, de Richa, referente à Lei de Diretrizes Orçamentárias, que revoga a lei da data-base em janeiro de 2017, ou seja, oficializa o calote em 200 mil servidores públicos que ficarão sem a reposição da inflação deste ano.

Paralelamente à luta “parlamentar” dos educadores, contra os retrocessos, há uma intensa movimentação dos servidores públicos e estudantes visando o início de 1 milhão de assinaturas físicas e outras duas milhões virtuais, pela internet, para adensar ao pedido de impeachment do governador Beto Richa.

A partir desta segunda, no início da greve, a APP-Sindicato orienta os educadores a:

1- Passar na Escola e levar os/as companheiros/as pra luta.
2- Visitar a escola mais próxima e levar os/as companheiros/as para a luta.
3- No centro Cívico, em Curitiba, teremos o local de concentração. Lá é nosso local de encontro e organização em Curitiba. Cada Núcleo Sindical terá seu local, entre em contato.

NA TERÇA FEIRA 18/10
Manhã: todos e todas visitar a Formação em Ação.
10h: No Centro Cívico – Debate sobre a MP do Ensino Medio (rejeição) e o que queremos do EM.
A decisão da Greve foi em Assembléia Estadual. Juntos pressionaremos o governo.