Alvaro Dias pede auditoria da dívida pública brasileira de R$ 4 trilhões

alvaro_divida_auditoriaO senador Alvaro Dias (PV-PR), em sua coluna desta quarta (19), propõe a suspensão do pagamento de juros até a auditoria da dívida pública brasileira, que, segundo o colunista, chega a R$ 4 trilhões em 2016 e impõe o pagamento de R$ 1,3 trilhão anual apenas em juros. Abaixo, leia, ouça e comente a íntegra do texto:

Donwload do áudio

Raio X da dívida pública

Alvaro Dias*

Protocolei, na Mesa Diretora do Senado, requerimento solicitando realização de auditoria, pelo Tribunal de Contas da União (TCU), na dívida pública interna federal. O Congresso precisa discutir a fundo o controle de gastos públicos, a correta aplicação dos recursos em benefício da população, além de buscar alternativas para uma melhor administração da dívida brasileira, que já alcança o patamar de R$ 4 trilhões e impõe o pagamento de R$ 1,3 trilhão anual apenas em juros.

Nós, parlamentares, precisamos debater de que forma o País pode ter uma administração mais eficaz de seu endividamento público. Entretanto, para isso, precisamos conhecer os números desta dívida em profundidade. Por esse motivo estamos fazendo algumas indagações essenciais ao Tribunal de Contas, como por exemplo o que causou tamanho crescimento da dívida. Também queremos saber para quem devemos e por que os encargos de rolagem da dívida chegaram a este volume de recursos.

Nos últimos 12 anos, a dívida bruta interna da União cresceu aproximadamente R$ 2 trilhões. O estoque de dívida em 2016 já ultrapassa R$ 3,9 trilhões. Do total da dívida, 22,9% estão nas mãos das instituições financeiras e 21,3% com os fundos de investimentos. Juntos, são os principais credores.

E onde o governo federal investiu todo esse dinheiro? Olhando a realidade brasileira, o que enxergamos é a deterioração dos serviços públicos, a falta de infraestrutura, sucateamento das malhas ferroviárias e rodoviárias existentes, falta de tratamento de esgoto e risco frequente de apagão.

Efetivamente esse dinheiro todo não foi investido em prol da sociedade brasileira. Caso o governo não adote medidas para frear o aumento galopante da dívida e reformular o modelo de gestão hoje estabelecido, seguramente o País prosseguirá sem recursos para investimentos, cada dia mais terá que vender patrimônio e o contribuinte brasileiro continuará expectador passivo do aumento exponencial de uma dívida que alguém está construindo para depois a sociedade pagar.

*Alvaro Dias é senador pelo Partido Verde. Ele escreve nas quartas-feiras para o Blog do Esmael sobre “Ética na Política”.

Comentários encerrados.