Richa põe “tio-torto” na marca do pênalti

richa_crise-592x295O secretário de Comunicação do Paraná, engenheiro Márcio Villela, “tio distante” do governador Beto Richa (PSDB), foi colocado na marca do pênalti. Portanto, segundo o Palácio Iguaçu, será chutado para a meta após as eleições municipais, ou seja, daqui duas semanas.

Vilela é irmão “torto” — por parte de pai — da mãe do governador tucano, dona Arlete Richa.

O “tio-torto” entrou no cargo em maio passado com a promessa de “adquirir” a consciência dos jornalões e emissoras hostis ao tucanato. Não deu certo, bateu na trave.

Oriundo do mercado de softwares, o secretário em queda trabalhou forte nos bastidores vendendo influências (que não tem) sobre rádio e TVs no estado.

“O governador trocou o Lorde Costeleta pelo Professor Girafalis”, brincou um deputado da bancada do camburão de maus bofes com Villela e a tutoria do secretário da Casa Civil Valdir Rossoni (PSDB).

Richa continua rejeitado por 90% dos paranaenses, segundo todas as pesquisas sérias. Tanto é verdade que ele sumiu do horário eleitoral de candidatos a prefeito aliados, conforme observa o deputado Enio Verri (PT).

Caindo o “tio-torto” quem entra no lugar?

O governador estuda convidar para o vistoso cargo de secretário de o ex-titular da pasta Marcelo Cattani ou o dono da Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo.

Cattani caiu novamente nas graças do tucano devido ao sucesso de Rafael Greca (PMN) na corrida pela Prefeitura de Curitiba.

Hidalgo, por outro lado, tem forte influência nos Barros, isto é, na família da vice-governadora Cida Borghetti (PP). Ele é o principal estrategista da campanha de Maria Victória (PP), filha de Ricardo Barros (PP), na capital de todos os paranaenses.

Comentários encerrados.