Lula: “Se me perseguem é por causa das coisas boas que fizemos neste país”

lula_coletivaO ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em emocionado pronunciamento nesta quinta (15), se disse vítima de perseguição política e mandou vários recados à mídia, ao judiciário e à burguesia nacional. Ei-los, abaixo:

• “Não pensem que estou desanimado, sofrido, estou orgulho, que a perseguição a mim foi pelas coisas boas que nós conseguimos fazer neste país”;

• “Se quiserem, podem continuar me atacando. Vou continuar aqui. Alguns pensam que a história terminou. Mal começou. Vou viver muito ainda”;

• “Eu tenho convicção de que quem mentiu está numa enrascada”;

• “Quero agradecer a imprensa. Espero que deem o mesmo destaque que deram ontem”;

• “Muita gente que fez concurso é analfabeto político. Não tem noção do que é um governo de coalizão”;

• “Tenho certeza de uma coisa: NADA pode me fazer parar de LUTAR pelo que eu acredito”;

• “Essa meninada que está indo para a rua reivindicar democracia é o Lula multiplicado milhões de vezes”;

• “Não tenho tempo de parar. Subimos apenas um degrau na escada social”;

• “A desgraça de quem conta a primeira mentira é que tem que passar a vida mentindo. Peçam desculpas. Mas parem de inventar coisas para justificar a primeira mentira”;

• “Os companheiros do Ministério Público têm que ficar atentos. Meia dúzia de pessoas não podem estragar uma instituição tão importante”;

• “Querem me investigar, investiguem. Só quero que sejam honestos comigo, respeitem a Dona Marisa”;

• “Tenho prova, pq mudei o país. Promovi a maior inclusão social que este país já viu sem dar um tiro, usando os instrumentos da democracia”;

• “Vocês vão ter problema com esse golpe que vocês deram”;

• “Eu conquistei o direito de andar de cabeça erguida nesse país. Provem uma corrupção minha, que eu irei a pé para ser preso”;

• “Eles construíram uma mentira, como se fosse uma novela. E está chegando o fim do prazo. Precisa concluir a novela. O fecho é acabar com a vida política do Lula. Não existe outra explicação para a pirotecnia de ontem”; e

• “Vivemos um momento em que a lógica não é mais os autos do processo, é a manchete: ‘Quem vamos criminalizar, demonizar?’”.

Comentários encerrados.