Blog do Esmael transmite AO VIVO sessão da Alep para vender Copel e Sanepar; acompanhe

O Blog do Esmael, em parceria com a TV 15, a partir das 14h30, transmite ao vivo para o Brasil e o mundo a sessão da Assembleia Legislativa do Paraná que discute a venda das estatais Copel (energia) e Sanepar (água e esgoto).

O governador Beto Richa (PSDB) tenta retomar a ideia do ex-governador Jaime Lerner que, nos idos de 2000, também quis privatizar as duas empresas estratégicas para o desenvolvimento do Paraná.

Tal qual seu criador (Lerner), a cria (Richa) quer torrar os ativos das estatais numa criminosa farra publicitária. Somente ganham com as privatizações a velha mídia, os jornalões, a Globo. Para o povo sobra os tarifaços e a conta da quebradeira do estado.

De acordo com as últimas pesquisas, 94% dos paranaenses são contrários à venda da Copel e Sanepar.

Exemplo de unidade contra a dilapidação do patrimônio público foi o Fórum Contra Venda da Copel, em 2001, que reuniu 429 entidades da sociedade civil.

15 anos depois de derrotar a proposta lernista, eis que ressurge a organização agora denominada ‘Fórum Popular em Defesa das Empresas Públicas’ que agrega mais de 200 entidades da sociedade civil e partidos políticos.

É importante que esses amplos fóruns dissipem as reivindicações corporativas, isto é, da luta salarial, em nome de um ‘Projeto para o Paraná’, portanto maior, — algo que o vocábulo de Richa desconhece. Toda vez que uma categoria olhou para o próprio umbigo, em detrimento da sociedade, perdeu o embate para o governo de plantão.

richa_copel_sanepar_venda-600x300

Sobre a venda da Copel e da Sanepar

Em novo “pacotaço” o governador Beto Richa quer fatiar as empresas públicas e se desfazer de R$ 2 bilhões em ações, mantendo apenas o mínimo para continuar majoritário. O ato contra a proposta do governo Beto Richa, às 14 horas no plenário da Alep, é organizado pelo Fórum Popular em Defesa das Empresas Públicas.

Para que vender parte das empresas mais lucrativas do Estado? O que será feito com o dinheiro arrecadado? O Projeto de Lei 419/2016 enviado à Alep não dá conta de explicar isso. Isso porque a entrega do patrimônio público é injustificável.

Com o “ajuste fiscal” o Governo quer novamente lesar o povo paranaense para cobrir contas de uma administração irresponsável. Em 2014, foi o aumento elevadíssimo do ICMS em mais de 95 mil itens, o aumento do IPVA, a taxação das aposentadorias e outros cortes no bolso da população para o rombo. Agora, querem sacrificar parte da Copel e da Sanepar.

Hoje os paranaenses detêm 58,6% das ações da Copel e 74,97% da Sanepar. Com a venda, o governo entregará 8,5% das ações da Copel. No caso da Sanepar, o leilão será de cerca de 25% das ações da empresa.

As empresas arrecadam por ano R$ 200 milhões aos cofres do governo. A perda anual com a venda do excedente dos ativos da Copel e Sanepar no mercado financeiro poderá chegar a R$ 60 milhões por ano.

Fundamentais para o desenvolvimento do Paraná, para o acesso à água, ao saneamento básico e demais serviços essenciais à população, a Copel e a Sanepar são as empresas mais lucrativas do povo paranaense.

Em 2015, a Copel atingiu uma receita operacional líquida de cerca de R$ 14 bilhões, e um lucro líquido de R$ 1,3 bilhão. O patrimônio líquido da estatal de energia elétrica, que tem uma carteira de 4,5 milhões de clientes, é de R$ 13 bilhões.

A Sanepar não foge dos números. No mesmo ano, a receita operacional líquida da empresa de saneamento foi de quase R$ 3 bilhões, o lucro líquido foi de R$ 438 milhões, e o patrimônio líquido da empresa é estimado em R$ 4,2 bilhões.

E não são apenas números como esses que estão em risco com a entrega de parte da empresa. As estatais representam também a vida de milhares de trabalhadores e familiares. São 8.813 funcionários próprios e 6.457 terceirizados na Copel, e 7.473 empregados próprios e 3 mil terceirizados na Sanepar. São mais de 26 mil trabalhadores nas duas estatais.

É pelo futuro do patrimônio da população paranaense que dizemos:

NÃO À VENDA DA COPEL E SANEPAR.

Comentários encerrados.