Sucesso dos Jogos Olímpicos graças aos governos de Lula e Dilma

Romanelli_14biO deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), líder do governo na Assembleia do Paraná, em sua coluna desta segunda (8), diz que o Brasil conseguiu superar a síndrome dos vira-latas ao realizar os Jogos Olímpicos. Além de debater o legado, o colunista também reverbera a vaia que o interino Michel Temer (PMDB) levou na cerimônia de abertura da competição. Abaixo, leia, ouça, comente e compartilhe a íntegra do texto:

Download do áudio

As Olimpíadas e a síndrome dos vira-latas

Luiz Claudio Romanelli*

“No Maracanã, vaia-se até minuto de silêncio e, se quiserem acreditar, vaia-se até mulher nua” (Nelson Rodrigues).

“Mais rápido, mais alto, mais forte”. O lema olímpico, em latim Citius, Altius, Fortius, está mais vivo do que nunca. A cerimônia de abertura das Olimpíadas 2016 foi bonita, bem organizada, emocionante, contrariando os que acreditam que vivemos numa República de Bananas e não conseguiríamos organizar um evento desse porte, com sucesso. Pois a festa foi um show de alegria e contagiou todos os que participaram e assistiram no mundo inteiro pela televisão.

Lembrei-me do dia 2 de outubro de 2009, em Copenhague, quando o Comitê Olímpico escolheu o Rio para sediar os Jogos 2016, vencendo as fortes concorrentes Tóquio, Chicago e Madri.

Recordei as palavras do presidente Lula naquela ocasião: “Hoje o Brasil saiu do patamar de país de segunda classe e entrou no patamar de país de primeira classe… “O Brasil provou ao mundo que nós
conquistamos cidadania internacional absoluta”… “Acho que o Brasil merece. Aqueles que pensam que o Brasil não tem condições vão se surpreender. Os mesmos que pensavam que nós não tínhamos condições de
governar esse país vão se surpreender com a capacidade do país de fazer uma Olimpíada”.

Lamento que o ex-presidente Lula não estivesse no Maracanã para assistir à belíssima cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos e confirmar a veracidade de suas palavras no já longínquo 2009. Também
lamentei que a presidente Dilma não estivesse lá, para formalmente abrir as Olimpíadas, como chefe da Nação. Afinal, foi graças ao esforço de ambos como governantes que o Brasil recebe pela primeira
vez uma Olimpíada, a primeira na América Latina.

Muita coisa mudou no Brasil de 2009 para o de 2016. “Entre o discurso de 2009 e a realidade de 2016, há um país em que a conciliação do inconciliável já não é possível nem como construção identitária”,
analisa a escritora e jornalista Eliane Brum, no excelente artigo “O Brasil chega à Olimpíada sem cara” publicado pelo El País Brasil. Vale a leitura!

A despeito dos que sempre preferem ver o copo meio vazio e que apostavam que a festa de abertura e as próprias Olimpíadas no Brasil seriam um vexame de proporções épicas, foi emocionante a alegria popular, a empolgação dos atletas e a criatividade do espetáculo.

Desde jovem, sempre acompanhei as Olimpíadas. É um momento de reafirmar a cidadania e a crença na força da superação, no valor do esforço individual e do coletivo, em que os atletas exibem o melhor de si com orgulho de representar seus países. O espírito olímpico é o espírito da civilização e da democracia. Todos participam em condições de igualdade. E que vença o melhor.

Em 1972, menino ainda, acompanhei as vitórias de Mark Spitz na natação, com seus 7 ouros olímpicos nos jogos de Munique, manchado pelo atentado terrorista organizado pelo Setembro Negro que deixou um
saldo de 11 atletas israelenses mortos.

Em 76, em Montreal e em 80, em Moscou, vibrei com as conquistas do bronze do brasileiro João do Pulo, no salto triplo e com as medalhas da ginasta romena Nádia Comaneci.

Em 84, em Los Angeles, as vitórias memoráveis de Joaquim Cruz, ouro nos 800 m e as medalhas de prata das seleções masculinas de vôlei e futebol.

Em 88, em Seul, de novo a conquista de Joaquim Cruz, desta vez prata e da seleção de futebol, prata também.

Nos anos 90 e 2000, acompanhei a ascensão dos nossos judocas, velejadores, das seleções de vôlei de quadra e areia, dos atletas da natação e atletismo. Enfim, como cada brasileiro vibrei com as medalhas conquistadas por nossos atletas e com as grandes exibições de atletas e equipes de outros países.

Assisti os atletas Gustavo Kuerten e Hortência conduzirem a chama olímpica até Vanderlei Cordeiro de Lima, que acendeu a pira olímpica da Rio-2016, vi o desfile dos atletas das 207 delegações representadas e o belo show dirigido por Fernando Meirelles, Andrucha Waddington, Daniela Thomas e Rosa Magalhães, com produção executiva de Abel Gomes.

A coreógrafa Deborah Colker fez um trabalho excepcional. Paulinho da Viola cantando o Hino Nacional Brasileiro e o 14 Bis voando no Maracanã foram momentos especiais da festa. Inteligente a mensagem
sobre a preocupação com o aquecimento global e inovadora a ideia de fazer a floresta dos atletas.

Lindas todas as exibições dos cantores e bailarinos, especialmente a bela interpretação de Gil, Caetano e Anitta da música Isso Aqui o Que é ( Sandália de Prata) de Ary Barroso e o show das escolas de samba do Rio.

Queriam ou não, o Rio de Janeiro ficará com um belo legado após as Olimpíadas, especialmente no setor de infraestrutura. Os cariocas ganharam um centro revitalizado. A Região Portuária foi totalmente
renovada. O Museu do Amanhã já está em funcionamento. Foram 5 milhões de m² recuperados. Houve investimentos pesados no transporte público, a revitalização dos arredores do Maracanã e a construção de uma estação de tratamento de esgoto em Deodoro, entre outros.

A candidatura previa 17 projetos de legado e foram entregues 27. Como legado, após os jogos a Arena do Futuro dará lugar a 4 escolas municipais, com 2 andares e 16 salas de aulas para 500 alunos cada
uma. O Parque Olímpico que vai sediar 16 modalidades olímpicas após os Jogos será transformado em um amplo complexo esportivo e educacional destinado a estudantes da rede municipal e atletas de alto rendimento.

A população também se beneficia com novos 200 km de BRT (Transporte Rápido por Ônibus), VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) e metrô, áreas de lazer, como o parque Madureira e o parque Radical de Deodoro, obras de saneamento e urbanização da zona oeste; reservatórios para combater alagamentos históricos da zona norte, como frisou o prefeito Eduardo Paes – que aliás a história ainda fará justiça, pois sem a determinação e coragem que teve, não teríamos conseguido realizar os jogos -, em artigo recente, defendendo os investimentos realizados.

A Vila Olímpica, onde estão alojados os atletas, será ocupada futuramente pela população do Rio, assim como foi feito em Londres.

São 31 edifícios, com 3604 apartamentos. A vila foi incluída na parceria público privada que viabilizou grande parte do Parque Olímpico e não contou com aporte de verbas públicas.

Os custos para a realização dos Jogos do Rio foram de R$ 39 bilhões –60% dos quais bancados pela iniciativa privada. Foram R$ 7 bilhões para a construção de arenas e projetos necessários para receber o evento, R$ 24,6 bilhões de obras de legado para a população e os R$ 7,4 bilhões injetados pelo Comitê Rio 2016, recursos também da iniciativa privada.

Apenas para comparar, a China gastou US$ 43 bilhões o equivalente a mais de R$ 141 bilhões, para sediar as Olimpíadas de Pequim, em 2008.

Além de número recorde de delegações olímpicas, a participaçãobrasileira também é histórica. São 462 atletas, 253 homens e 209 mulheres participando das competições.

Como disse Lula em 2009: “finalmente o mundo reconheceu: é a hora e a vez do Brasil. Esse país precisa ter uma chance. Não é possível que esse país não tenha, no século 21, a chance que não tivemos no século 20”.

P.S- Michel Temer bem que tentou tornar-se invisível. Pela primeira vez numa Olimpíada, o mandatário do país sede dos Jogos não foi nominado. Mas a estratégia para poupar o presidente interino das vaias
não funcionou. Bastou fazer o anúncio formal da abertura das Olimpíadas para explodirem as vaias. Boa Semana. Paz e Bem.

*Luiz Cláudio Romanelli, advogado e especialista em gestão urbana, ex-secretário da Habitação, ex-presidente da Cohapar, e ex-secretário do Trabalho, é deputado pelo PSB e líder do governo na Assembleia Legislativa do Paraná. Escreve às segundas-feiras sobre Poder e Governo.

15 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Realmente vi o quanto o Lula LUTOU para que essas olimpíadas viesse para o Brasil.
    Podem malhar o Lula o quanto quiserem, mas é preciso reconhecer o esforço que ele fez indo lá fora lutando para que o Rio fosse eleito para sediar esses jogos.

  2. ………………… Brasil, um país de todos ( Luiz Inácio da Silva )

    ….Quantos ” silvas ” anônimos constroem este país a séculos e estão anônimos…

    ….Darcy Ribeiro sempre atual……( O mau do Brasil, é a sua elite reacionária )…..

    ….Negra e favelada, ganha medalha de ouro !!

    ….A séculos somos assim…..

    …A educação um dia será programa de GOVERNO neste país de poucos ainda….,,

    …Então ? A palavra democracia será algo rotineiro e real na vida dos brasileiros…

  3. Viva o PT!!
    Viva a LGBT conduzindo a bicicleta.
    Viva as mulheres negras cantando!
    Viva Hortência e Cordeiro!!!
    Viva o show grandioso Riowoodiano!!!
    Isso é PT

    Sem PT sobra o menos!!! Onde menos é menos.
    Menos igualdade, menos distribuição, menos riqueza, menos Brasil!!!!
    Mas tem o mais: mais TV, mais Jornal, e de novo tem o menos, menos informação, e mais, mais manipulação.

  4. Não lembro do PMDB do PSDB trazer para o Brasil alguma coisa grandiosa e olha que eles tem anos de governo não lembro do Brasil sendo reconhecido no governo deles doa a quem doer quem trauxe a copa as Olimpíada foi o Lula quem é querido é o Lula. Mas isso não vem ao caso.

  5. Pedro o tal apartidário é partidário, um verdadeiro lambe botas dos tucanos e CIA, o Genildo não é defeituoso, o coitado é que não foi agraciado pela mãe natureza com um massa cinzenta na cabeça e o Zezito pior ainda, no lugar da cinzenta a mãe natureza colocou marrom no lugar.

  6. esqueçam pessoal, apartidario(nao tem nome)e genildo. nao sao retar…,é esperma com defeito mesmo.

  7. Engraçado!!!!!, semana passada tinha uns petralhas aqui, falando que as finanças do Brasil estava no fundo do poço por causa das olimpíadas que o atual governo Temer estava gastando horrores para sua realização, agora que tudo deu certo, foi graças ao governo Dilmanta!!!!!! que coisa né?????

  8. Pelo menos o povão não esqueceu que Temmer é um cara sem voto e só está na Presidência interinamente, devido ao um bando de VAGABUNDOS que se dizem parlamentares ou melhor dizendo, Deputados Federal, que no acordão que fizerem com os golpistas acabaram com este governo eleito pelo voto popular. Mas também sei que o governo pelo voto popular, não se ajudou, fez tudo e mais um pouco para sair. Errou nas suas indicações e acabou pagando o preço por ter colocado corruptos e ladrões a sua volta, que resultou no que hoje estamos vendo.
    Uma país dividido e procurando o seu rumo. Espero que após as Olímpiadas a gente consiga consertar a casa e colocar novamente o bonde nos trilhos para que o Brasil não seja mais um país de “segunda categoria” e sim um país de primeira categoria. A festa de abertura foi um espetáculo, que prova que somos capazes de realizar um grande evento. Teve suas correções, mas isso é normal e dentro do esperado.
    E como fique feliz em ouvir o povo gritando FORA TEMMER, FORA TEMMER, FORA TEMMER.
    Muito bom, afinal demonstra que ainda tem gente consciênte neste país, sabedoras que sofremos um golpe contra a DEMOCRACIA.
    Porque a corrupção ainda corre solta e o Juiz síbolo dos que são alienados, não provou que vai acabar com a corrupção, até o momento é mais para ajudar a tucanada e seus associados no golpe a se reerguerem depois de doze anos levando uma surra nas urnas.

  9. O “Roma” tem razão !

  10. Uma pena que o Brasil está pagando pela imagem golpista, as Olimpíadas estão mostrando que o nosso país é acolhedor e seguro, se teve problemas com furtos não foram maiores do que ocorrem em qualquer país capitalista em qualquer canto do mundo.

  11. O usurpador fez de tudo para fugir das vaias, não anunciaram o nome dele, quando os espectadores perceberam que era ele iniciou uma vaia gigante, muito maior do que a Dilma recebeu dos coxinhas na abertura da copa das confederações em 2013.

  12. Então! A situação precária de crise em que se encontra o Brasil é culpa dos cinco meses do governo Temer, mas o sucesso dos jogos olímpicos se deve aos governos Lula e Dilma.

    VAI DORMIR!

  13. Primeiramente, Fora Temer!
    Boa!
    Pelo menos esse reconhece a verdade.
    O resto é mi mi mi dos coxinhas midiotoas.

  14. Imagine o Lula e a Dilma na abertura… Seriam milhoes e minutos de aplausos, Nós brasileiros pagamos a conta e não só os cariocas. O RJ é uma questão geografica apenas e uso da beleza natural. A copa do mundo foi pior… Vamos esperar o pós para saber o quão grande foi o estouro da boiada.