Dilma será cassada e Eduardo Cunha continuará exercendo o mandato de deputado

gaspari_dilma_cunhaO jornalista Elio Gaspari diz hoje (31) que o impeachment é “um caso de pouco crime para muita responsabilidade”. O texto observa que a “taxa de mortalidade dos presidentes no Brasil é a mesma do ebola”. Gaspari ainda fulmina dizendo que Dilma Rousseff será deposta e o deputado Eduardo Cunha, espoleta do seu processo de impedimento, continua no exercício do mandato. Abaixo, leia a íntegra:

O que vem a ser o golpe de 2016

Elio Gaspari*

Como no de 1840, o impedimento de Dilma Rousseff irá para a história coberto pela névoa das paixões do momento

Na manhã de ontem o senador Aloysio Nunes Ferreira reagiu a uma provocação de um deputado que ofendia a advogada que acusava a presidente Dilma Rousseff e ameaçou chamar a Polícia Legislativa para retirá-lo do plenário. Na véspera, como Nunes Ferreira, o senador José Anibal, também da bancada tucana de São Paulo, lembrou seus 50 anos de amizade com a presidente e, em seguida, defendeu seu impedimento.

Hoje, Dilma Rousseff perderá seu mandato. Assim, dos quatro brasileiros eleitos para a Presidência desde a redemocratização, dois terão sido defenestrados. Essa é uma taxa de mortalidade superior à do vírus ebola, um sinal de que algo vai mal em Pindorama. Afinal, Dilma será deposta, e o deputado Eduardo Cunha, espoleta do seu processo de impedimento, continua no exercício do mandato.

As sessões do julgamento de Dilma mostraram a beleza do ritual da Justiça. Ouvidos a ré, os advogados e os senadores, restarão uma sentença e a impressão de que houve muita corda para pouca forca. As pedaladas — o único elemento levado ao juízo — foram crime de responsabilidade, num caso de pouco crime para muita responsabilidade. Como não existe a figura de “pouco crime”, o resultado estará aí, irrecorrível, legal e legítimo.

Dilma será deposta pelo conjunto da obra, uma obra que foi dela, e não dos chineses. Seu longo depoimento, confirmou sua capacidade de viver numa realidade própria. Em 14 horas de depoimento e respostas aos senadores, a presidente, ao seu estilo, manteve-se numa atitude professoral, com um único momento que se poderia chamar de pessoal. Cansada, informou que estava prestes a perder a voz: “É inexorável”. Não era, aguentou até ao fim.

A palavra “golpe” tem uma essência pejorativa. O primeiro grande golpe da história nacional é costumeiramente conhecido como “Golpe da Maioridade” e entregou o trono do Brasil a Dom Pedro II, um garoto de 14 anos. Antecipando a conduta de Michel Temer, quando lhe perguntaram se ele queria a Coroa, teria respondido: “Quero já”. O tempo cobriu a violência do episódio. Argumente-se que quase dois séculos de distância fazem qualquer serviço.

Contudo, a posição dos senadores Aloysio Nunes Ferreira e José Anibal mostra como as paixões alteram condutas e que não são necessários 200 anos. Em 1965, o jovem José Anibal, como Dilma Rousseff, era um militante da organização Política Operária, a Polop. Do grupo de 20 estudantes mineiros, sete foram presos, seis foram banidos, um foi assassinado, outro matou-se para não ser preso e quatro exilaram-se, inclusive José Aníbal, que a polícia procurava como “Clemente” ou “Manuel”. Aloysio Nunes Ferreira, o “Mateus” da Ação Libertadora Nacional de Carlos Marighella, participou de um assalto a um trem pagador e exilou-se em Paris. Em 1975, de seis participantes, só ele estava vivo.

Numa trapaça da história, Dilma Rousseff, a “Estela”, teve dois companheiros de armas dos anos 60 na bancada do seu impedimento. Na defesa de seu mandato, ficou só o protoguerrilheiro amazônico João Capiberibe, senador pelo PSB do Amapá.

Esses cacos de memória parecem não querer dizer nada, mas daqui a 50 anos dirão tudo ou, no mínimo, dirão mais. Hoje começará a avaliação de Michel Temer.

*Elio Gaspari é jornalista.

15 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Dilma não foi cassada…….., se deixou GOLPEAR sob a complacência de nós como Sociedade, a Direcão Partidária, Lula e a sua própria inocência e/ou incompetência Política.

    Só falta agora ir à Mídia Nativa (quem sabe de forma exclusiva para própria Globo) e agradecer o apêlo CÍNICO (de última hora) do Renan para que em acréscimo (após apeada) não lhe dessem um COICE………………………!!!!

    PS.: Ironia das nossas Esquerdas , na undécima hora apelar até para o apoio da defesa da Kátia Abreu……………….!!!!!! O PT e as Esquerdas provavelmente precisam de um EXPURGO, pois pela falta de estratégica Política, ao se deixarem GOLPEAR, prestaram imenso desservico à Nacão BRASILEIRA…………!!!!!

  2. QUEREMOS EDUARDO CUNHA FORA! SERÁ QUE NÃO ENTEDERAM!!!????

  3. Se livrarem o “coro” do Cunha, vão passar o próprio atestado de canalhas.
    Mas quanto a Dilma, o que ela queria aliando-se ao PMDB?
    O PMDB emplacou Sarney, Itamar, e agora Temer.
    Os vices do PMDB tem um canibal apetite de poder, só podia dar no que
    deu!
    O último discurso de Dilma e a sua posterior autodefesa, mais uma vez
    insistiram nas explicações de percentuais e, na explanação de leis, que
    confundem os simples, não convencem os esclarecidos, e não comovem
    e nem interessam aos senadores.
    Como o placar está “apertado” a favor do impeachment, ela perdeu a
    oportunidade de se dirigir nominalmente a cada senador, que ocupou
    ministério ou secretaria em seu governo, e lhes perguntar se viram algo
    objetivo e pessoal de mal em sua conduta.
    Era a chance de virar a canoa antes dela chegar na margem do rio.
    Foi um discurso e uma defesa que repisaram os mesmos e inúteis
    argumentos de sempre.
    Foi também uma tentativa de limpar e lustrar de leve a sua biografia,
    fazendo o papel de vítima imolada em favor da democracia.
    Talvez foi mal orientada.

  4. O Sr. Elio Gaspari sem dúvida é um bom jornalista, mas é também um profissional bastante cioso e fiel aos seus empregadores; smj, considero-o suspeito de parcialidade e não não totalmente dotado de credibilidade examinar e emitir parecer substancial sobre o presente processo de impeachment e outros casos tormentosos que possam atingir os órgãos poderosos que lhe garantem o salários, o que compreensível.

  5. O Gaspari está certo.
    Enquanto um congresso de bandidos depõe a Presidenta, o Min Teoria Zazaki, mantém solto o maior bandido do país.
    Dá pra se desconfiar desse STF.
    Será que a Lava Jato chegou lá mesmo?
    Ou será que AlibabáCunha tem algum Ministro do STF preso pelo rabo?
    Mas essa palhaçada vai custar caro, inclusive para o STF.
    Como disse Requião, a guerra civil vem por aí.
    O povo não ficará calado.

  6. Temer, Renan e CUNHA vao ficar para voces coxinhas burros!

  7. Esperando os 31 senadores prometidos pelo nosso senador Requiao….
    Zzzzzzzzzzzz

  8. Nao estou te endendo sr esmael, o sr falou aos ventos o tempo todo que a querida nao ia cair, e o picareta do senador bob loco falou que a eliçao no senado estava liquidada. qta mentira, so papo furado, depois dessa nao acredito mais nesse senador fanfarao.

  9. Temos hoje uma divisão entre quem e quem de quem e ninguem se entende ???,no parana o bando do camburão,na camara dos de puta mais de trezentos picaretas,um senado com mais de 60% de corruptos.nem o S T F escapa gilmar m mal caráter janot não cofiavel ,lula tem muita razão.Dilma não cometeu crime algum,esperamos que a lava jato siga e dr, MORO confirme as delação dos famosos e temer deve tremer..

  10. Ué não era a Dilma que teria 31 votos ao seu favor………

    Agora o Cunha não vai cair…..

    Quanta precisão…..

    Meu deus……

    • Meu amigo, leia com atenção, o texto é de Elio Gaspari. Estou certo que o dono do blog ainda continua acreditando que o golpe não passará. Como no futebol, o resultado certo só no final do jogo. E na política temos o imponderável provocado sempre pela ação do traidor. Além da traição dos medíocres e sem caráter, a Dilma ainda tem inimigos poderosos a serem revelados. Não é à toa que duas figuras importantes do golpismo representam o capitalismo internacional. Temer recentemente foi revelado como informante dos Estados Unidos. Em certos regimes, figuras políticas que são descobertas nessa condição são fuzilados. A outra figura que claramente defende interesses estrangeiros no Brasil hoje é chanceler nomeado por Michel Cunha: José Serra. Quanto a Cunha não ser punido (ou receber punição simbólica), é fato tão evidente que o noticiário pouco trata dele. Até no juiz Moro se percebe certa generosidade em relação ao deputado Cunha: sua esposa acabou de receber de volta o passaporte que lhe permitirá viagens internacionais.