Blog do Esmael

A política como ela é em tempo real.

Deu chabu no PCdoB: militantes recorrem à convenção contra coligação com Ney Leprevost

ney_recurso_kikoDeu ruim o acordo firmado entre a direção municipal do PCdoB de Curitiba e o deputado Ney Leprevost, do PSD, na disputa pela Prefeitura.

Um grupo de militantes da legenda vermelha recorreu à convenção municipal que ocorrerá nesta sexta (5), às 19 horas, sede da UPE (União Paranaense dos Estudantes) — Rua Carlos Cavalcanti, 1157, esquina com a Rua João Manuel, no bairro São Francisco.

No sábado (31), o diretório municipal do PCdoB aprovou por 10 votos favoráveis, seis contrários e uma abstenção apoio à candidatura de Leprevost.

“Ao apoiar um candidato expressamente identificado com as forças golpistas, em aliança com setores reacionários e fundamentalistas, o PCdoB de Curitiba mancha a luta abnegada conduzida por nossa militância, anula seu protagonismo decisivo na luta contra o golpe”, diz um trecho da petição.

O Professor Francisco de Assis França, o Professor Kiko, um dos líderes da rebelião, ao justificar o recurso à convenção, disse considerar um “absurdo” o apoio da maioria do diretório municipal à aliança Ney-Ratinho-Francischini em Curitiba.

Os comunistas rebelados preferem apoiar a candidatura de Requião Filho, do PMDB, em virtude da militância do senador Roberto Requião contra o golpe em curso no país.

Leia a íntegra da petição da militância à convenção do PCdoB de Curitiba:

Recurso contra Decisão do Comitê Municipl do PCdoB – Curitiba

Nós, militantes do Partido Comunista do Brasil nesta capital, com base no art. 28, letra d, do Estatuto do PCdoB, apresentamos recurso à Convenção Municipal, contra a decisão do pleno do Comitê Municipal, de aliança eleitoral com o PSD e apoio ao golpista Ney Leprevost, candidato a prefeito nas eleições municipais de 2016.

A decisão, tornada pública nas redes sociais e em todo o meio político, e apresentada ao candidato do PSD como decisão já consumada pelo Partido em Curitiba, secundariza o papel da Convenção Municipal, à qual cabe efetivamente a tomada de posição quanto a alianças eleitorais, de acordo com o art. 29 de nosso Estatuto.

Nesta condução vê-se desconsiderada a importância da consulta ao conjunto da militância, fato que vai na contramão da necessária construção de unidade do Partido em torno das decisões a serem tomadas pela Convenção, desvirtuando o Centralismo-Democrático que é peça chave da nossa construção partidária.

Ao lado de buscar a ampliação do espaço do PCdoB no executivo e parlamentos municipais, nacionalmente o Partido dá relevância central ao fato de que esta luta, no contexto atual, compreende a disputa de narrativas sobre a crise política e o golpe perpetrado contra o governo Dilma e as forças de esquerda.

Ao apoiar um candidato expressamente identificado com as forças golpistas, em aliança com setores reacionários e fundamentalistas, o PCdoB de Curitiba mancha a luta abnegada conduzida por nossa militância, anula seu protagonismo decisivo na luta contra o Golpe.

É inaceitável que um Partido historicamente comprometido com a luta ao lado das forças democráticas e progressistas, tendo como objetivo estratégico a construção do socialismo, em uma conjuntura de necessidade de união das forças de esquerda contra o avanço do fascismo no Brasil, faça opções com base em uma limitada e duvidosa matemática eleitoral.

Rejeitamos a possibilidade de aliança com a direita curitibana, com forças abertamente defensoras do golpe contra nossa democracia, parceiras da agenda retrógrada que prevê a retirada de direitos dos trabalhadores, as privatizações e a entrega do patrimônio nacional, defensoras da repressão aos educadores com propostas como a “Lei da Mordaça”, enfim, representantes da direita mais conservadora, em uma das cidades onde o discurso reacionário mais avançou em nosso país.

Considerando isto, apresentamos este recurso ao Comitê para que reposicione-se em favor do direito resguardado à Convenção Municipal, quanto à decisão sobre a definição da aliança eleitoral em Curitiba, em favor da construção de um projeto político coerente, através do qual o Partido Comunista do Brasil possa apresentar-se com unidade e combatividade.

Curitiba, 31 de julho de 2016.

Comentários desativados.