Fruet poderá “apagar” a Tocha Olímpica em Curitiba, alerta sindicato que mantém greve dos agentes de trânsito

tocha_sindiurbano_fruetO Sindiurbano alerta que a intransigência do prefeito Gustavo Fruet (PDT), que enrola os trabalhadores da Urbs, empresa que gerência o trânsito e o transporte de Curitiba, poderá colocar em risco a integridade da passagem da Tocha Olímpica pela capital paranaense nesta quinta (14). A categoria está em greve há 24 horas.

O fogo olímpico exigirá efetiva participação de agentes de trânsito entre 9 horas e 23 horas, porém, segundo o presidente do sindicato da categoria, Valdir Mestriner, “não há qualquer determinação judicial para que os trabalhadores cumpram suas escalas”.

A tarefa de manter a chama acesa em Curitiba caberá aos comunistas Joel Benin e Ricardo Gomyde, que representam a Autoridade Olímpica no evento de hoje.

Os trabalhadores que tem a tarefa de fiscalizar e orientar o trânsito reivindicam reposição da inflação que chega a quase 10%; a diretoria da URBS ofereceu 0% de reajuste nas cláusulas econômicas, entre elas, o salário, o vale alimentação, as gratificações e os adicionais.

Abaixo, leia o despacho da noite de ontem (13) do Sindiurbano sobre a greve dos trabalhadores:

A greve continua

Os trabalhadores da URBS decidiram manter a paralisação de todas as atividades da empresa, em assembleia realizada no fim desta tarde (13).

Isso porque a diretoria da empresa apresentou a mesma contraproposta que já havia sido rejeitada em assembleia, que ocorreu às 9h da manhã.

Sendo assim, as atividades da URBS e da SETRAN continuam paralisadas, sendo que haverá concentração de greve na Sede URBS Rodoferroviária e na Sede Setran Prado Velho, a partir das 8h30min de amanhã, 14 de julho.

Tocha

Os trabalhadores presentes na assembleia decidiram que os agentes de trânsito e os fiscais do transporte coletivo que estiverem escalados para acompanhar a passagem da tocha, cumprirão sua escala de trabalho.

Não há qualquer determinação judicial para que os trabalhadores cumpram suas escalas, tampouco a URBS solicitou que os agentes de trânsito e os fiscais trabalhem. A decisão de cumprir as escalas se deve unicamente pela disposição dos trabalhadores de não penalizar a população e garantir o evento de passagem da tocha.

Os demais trabalhadores (todos aqueles que não estejam envolvidos na passagem da tocha) devem manter a paralisação e estar presentes na concentração de greve. Lembre-se, apenas a sua disposição de luta garantirá o reajuste salarial digno, já que a diretoria da empresa não demonstra qualquer esforço em atender às reivindicações dos trabalhadores.

Comentários encerrados.