À espera de novo pacote de maldades de Richa, Assembleia suspende recesso no Paraná

richa_lemosO deputado Professor Lemos (PT) denunciou que entidades patronais estão atacando servidores públicos a pedido do governador Beto Richa (PSDB).

Segundo o parlamentar, essas organizações cujos dirigentes têm supersalários que até ultrapassam os R$ 40 mil — pagos com recursos públicos, sem fiscalização e transparência — pressionam pela retirada de direitos dos educadores e funcionários públicos do estado.

“Não vi o mesmo empenho dessas entidades patronais pedindo investigação do roubo do dinheiro destinado à construção de escolas ou mesmo para investigar desfalque de mais de R$ 1,5 bilhão na Receita Estadual, conforme apurou o Gaeco”, criticou Professor Lemos.

Fiep, Faep, Faciap, dentre outras entidades patronais, estariam enviando e-mails para os deputados pressionando-os a votar nova Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO), vinda do Palácio, sem a previsão do pagamento de reajustes, avanços e promoções aos servidores públicos.

Lemos ainda lamentou o fato de a Assembleia Legislativa do Paraná, submissa, atender ao pedido do governador Beto Richa para suspender recesso com intuito de recebe o novo pacote de maldades.

O recesso parlamentar seria entre 15 e 31 de julho.

Comentários encerrados.