Surpresa no Planalto: ministro da AGU é o 3º a despencar em três semanas de Michel Temer

Fábio_Medina_OsórioO ministro interino Fábio Medina Osório, nomeado para a Advocacia-Geral da União, surpreendentemente, é o terceiro a cair no governo provisório de Michel Temer (PMDB).

Surpreendente por que ele furou a fila dos degolados. Antes dele estavam Fátima Pelaes (Mulheres) e Ricardo Barros (PP-PR).

A queda do sucessor de José Eduardo Cardozo na AGU mantém o script de um ministro a menos por semana no governo do golpe.

O primeiro a ser defenestrado foi Romero Jucá (PMDB-RR), do Planejamento, e o segundo Fabiano Silveira, da Transparência.

Agora, só falta o próprio Temer cair. Não será por falta de ajuda, pois, neste sábado (4), às 15 horas, haverá manifestação pelo “Fora Temer” em Curitiba, às 15 horas, cuja palavra de ordem é “ai, ai, ai… ai, ai, ai… se empurrar o Temer cai!”.

Abaixo, leia os motivos dessa queda do ministro da AGU nos textos do Brasil 247 e pelo jornalista Jorge Bastos Moreno, colunista do Globo:

CAI O TERCEIRO MINISTRO DE TEMER: OSÓRIO, DA AGU

do Brasil 247 Mantendo a média de um demitido por semana, o governo provisório de Michel Temer perde, neste sábado, seu terceiro ministro, que se soma aos já degolados Romero Jucá (PMDB-RR), do Planejamneto, e Fabiano Silveira, da Transparência.

Trata-se de Fábio Medina Osório, nomeado para a Advocacia-Geral da União, e cuja demissão foi anunciada neste sábado pelo jornalista Jorge Bastos Moreno, colunista do Globo e porta-voz informal do governo provisório de Michel Temer.

São dois os motivos: (1) na base área de Brasília, ele tentou dar uma carteirada para conseguir um jato da Força Aérea Brasileira para viajar a Curitiba num jatinho da FAB; (2) o governo o responsabiliza pela lambança ocorrida na EBC, com a demissão ilegal do presidente Ricardo Melo e a nomeação também ilegal do jornalista Laerte Rimoli, que iniciou um desmonte na empresa, interrompido por decisão do ministro Dias Toffoli.

Além disso, Osório também se indispôs com a advocacia ao abrir sindicância contra o antecessor José Eduardo Cardozo; com sua degola, ele se soma ao senador Romero Jucá (PMDB-RR) e a Fabiano Silveira, demitidos do Planejamento e da Transparência.

Leia, abaixo, a nota de Moreno:

Queda a jato

Há ministros caindo por causa da Lava-Jato. Mas tem um que deverá cair nas próximas horas por causa de um jato. Isto mesmo: um jato.

Trata-se de Fábio Osório, advogado-geral da União, que provocou um fuzuê ao tentar embarcar esta semana para Curitiba, na Base Aérea. Negado o pedido, Osório deu uma carteirada nos oficiais da Aeronáutica, dizendo ter status de ministro de Estado.

A confusão chegou ao gabinete do presidente.

Para complicar ainda mais a situação de Osório, Temer descobriu que Tóffoli só revogou a decisão de demitir o presidente da EBC nomeado por Dilma porque o advogado-geral da União, que deveria fazer a defesa do governo, estava nessa fatídica viagem a Curitiba.

Agora, até o padrinho do advogado, o ministro Eliseu Padilha está pedindo sua cabeça ao presidente.

Comentários encerrados.