Requião Filho: Se é perfeito o mundo de Richa, por que o povo protesta?

beto_richa_caloteiro_coluna_requiao_filho

O deputado Requião Filho (PMDB-PR), em sua coluna desta quinta (2), contesta a versão segunda qual o Paraná do governador Beto Richa (PSDB) seria um “mundo perfeito” diante de injustiças e imperfeições no país inteiro. O colunista afirma que, em contraste com a explanação do secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, a vida real das pessoas é bem diferente daquela apresentada esta semana na Assembleia Legislativa. Se tudo é perfeito e maravilhoso, questiona o líder da oposição, “por que presenciamos denúncias diárias de falta de merenda nas escolas, de descontos inconcebíveis em salários de professores, de recauchutagem ilegal de coletes balísticos por falta de recursos para aquisição de novos, viaturas encostadas por falta de manutenção e a saúde abandonada?”. Abaixo, leia, ouça, comente e compartilhe a íntegra do texto de Requião Filho:

Download do áudio

A visita do secretário da Fazenda

Requião Filho*

Esta semana a Assembleia Legislativa do Estado do Paraná recebeu a visita do secretário da Fazenda do Beto Richa. Digo visita, porque não posso rotular de outra forma o cumprimento de uma mera formalidade legal, sem o mínimo de aproveitamento prático.

Como não é segredo para ninguém, o Estado sequer teve a decência de enviar os relatórios das contas públicas do 1º quadrimestre do ano com o mínimo de antecedência para que os deputados pudessem conhecer os números apresentados e questioná-los.

De qualquer modo, dentro do possível, tentamos fazer a nossa parte e confrontamos a atual situação do Estado com as contas perfeitas trazidas pelo secretário.

Pergunto a vocês: se o orçamento do Estado está tão maravilhosamente fechado, se há aplicações fabulosas em áreas estratégicas como educação, segurança e saúde, por que presenciamos denúncias diárias de falta de merenda nas escolas, de descontos inconcebíveis em salários de professores, de recauchutagem ilegal de coletes balísticos por falta de recursos para aquisição de novos, viaturas encostadas por falta de manutenção e a saúde abandonada?

Os números trazidos pelo secretário apresentam ao paranaense um “mundo perfeito”, mas, infelizmente, este mundo não condiz com a vida real da população.

Nós não vivemos na ficção Sr. governador! Nós temos uma vida de verdade e para que ela siga de forma digna o Estado precisa ser gerido de forma séria.

Sabemos que os impostos no Paraná são altíssimos e, eventuais superávits nos números apresentados pelo Governo, não significam eficiência na gestão da coisa pública, mas, ao contrário, escancaram má administração, pois se recursos há, por que os problemas acima mencionados só se agravam?

A má gestão dos recursos públicos deixa, frequentemente, policiais sem coletes, sem viaturas e sem armamento adequado.

Prezado leitor, morador ou não da capital, já percebeu, há muito, o “sumiço” da Polícia Militar das ruas. Mas como fazer segurança pública sem coletes balísticos confiáveis, sem viaturas e ainda com a desmotivação dos Policiais pelo atraso no pagamento das suas promoções? Não há como fazer!

O Hospital de Reabilitação Ana Carolina de Moura Xavier, por exemplo, é o retrato do descaso com a saúde dos paranaenses, pois até hoje não estão em funcionamento leitos de UTI e vários outros equipamentos construídos e adquiridos com recursos públicos.

Mas, segundo o secretário da Fazenda do Estado, falando pelo governador Beto Richa, afirma que há dinheiro em caixa…de duas uma, ou os números apresentados são mentirosos ou a má gestão do Estado ultrapassou o limite do legal para se tornar criminosa.

*Requião Filho é advogado, deputado estadual pelo PMDB e líder da oposição na Assembleia Legislativa do Paraná, especialista em políticas públicas.

Comentários encerrados.