Rafael Greca enfrenta “crise suíça” na corrida pela Prefeitura de Curitiba

greca_vices_2016O engenheiro Rafael Greca (PMN) enfrenta uma crise sui generis, do tipo suíça, para fechar sua chapa para disputar a Prefeitura de Curitiba. Explica-se:

O ex-prefeito ampliou o leque de alianças em três direções e, por isso, há pluralidade de pretendentes ao cargo de vice.

Tal qual uma crise suíça, cujo dilema é escolher o tipo de queijo que se comerá, Greca tem à disposição José Antônio Andreguetto (PSB), Eduardo Pimentel (PSDB) e Maria Victória Borghetti Barros (PP).

Os três nomes tem ligação com o governador Beto Richa (PSDB), mas o preferido do tucano é o seu subchefe da Casa Civil Dudu — neto do ex-governador Paulo Pimentel.

A deputada Maria Victória é indicada pelo pai Ricardo Barros, ministro interino da Saúde, também conhecido como “Leitão Vesgo”; Andreguetto é o pedido de contrapartida do ex-prefeito Luciano Ducci, que abriu mão da candidatura pelo PSB para apoiar Greca.

Além de Greca, também pleiteiam a cadeira do prefeito Gustavo Fruet (PDT), que vai à reeleição, os seguintes candidatos: Tadeu Veneri (PT), Requião Filho (PMDB) e Ney Leprevost (PSD).

Comentários encerrados.