Por Esmael Morais

Caiu mais uma farsa: Juiz que mandou prender Paulo Bernardo foi aluno de autora do pedido de impeachment

Publicado em 24/06/2016

Para o Blog do Esmael, a operação da Lava Jato deveria ser chamada de “Operação Impeachment” (ou seria melhor Operação Tabajara?) haja vista a tentativa de impactar de fora para dentro na decisão do Senado sobre o afastamento de Dilma.

O aluno da autora do impeachment, antes dessa situação de golpe de Estado, dizia que não cabe ao juiz combater o crime” por que o magistrado estaria se colocando contra o réu.

Na reportagem de novembro de 2015, no site Consultor Jurídico (Conjur), Azevedo ainda afirma: “Se existe a obrigação de punir, o resultado do processo é previamente conhecido. Assim, (…) o processo penal torna-se uma farsa”.

Para Azevedo, conforme o Conjur, o juiz “não pode decidir temendo a crítica da mídia ou de doutrinadores autodenominados progressistas”, pois a fundamentação é a melhor defesa contra ataques à decisão judicial.

Como se vê, caiu a farsa da operação cuja realização trapalhada visava dar uma ajudinha extra ao golpe de Estado em curso. Será que o Supremo garantirá esse vexame?