Por Esmael Morais

Termina em confusão comício do tucano Beto Richa no Paraná; assista

Publicado em 19/05/2016

Os manifestantes que ocuparam as galerias Câmara Municipal cobravam a investigação do sumiço de dinheiro destinado à construção de escolas, contra o corte de verbas na Universidade Estadual de Ponta Grosa, e exigiam melhoria na merenda dos alunos da rede de ensino básico.

Na Assembleia Legislativa, tem um pedido de CPI com base nas investigações da operação “Quadro Negro” do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado). O Ministério Público estima que autoridades governamentais tenham roubado R$ 24 milhões da educação.

Em Maringá, Noroeste do estado, o Colégio Estadual Gerardo Braga está ocupado por estudantes que lutam praticamente pelas mesmas coisas: merenda de qualidade e CPI do Quadro Negro na Assembleia.

Para contrapor-se ao protesto das galerias, formadas principalmente por estudantes e professores, o exército de comissionados da Prefeitura Municipal de Ponta Grossa e do governo do estado entoou “Fora PT”.

O quiproquó só arrefeceu depois que dois jovens manifestantes foram presos, segundo o Repórter Sassá.