Quem são os bandidos do provisório governo de Michel Temer?

jorge_bernardi_coluna

O vereador curitibano Jorge Bernardi (REDE), em sua coluna deste sábado (28), pergunta quem são os bandidos do provisório governo de Michel Temer (PMDB). Ele cita trechos de conversas gravadas do senador Romero Jucá (PMDB-RR), o breve, ex-ministro do Planejamento, que explica o golpe: deveriam “mudar o governo pra poder estancar essa sangria”; o golpista ainda afirmou que “conversei ontem com alguns ministros do Supremo. Os caras dizem ó, só tem condições sem ela (Dilma). Enquanto ela estiver ali, a imprensa, os caras querem tirar ela” [Dilma Rousseff]. Segundo o colunista, enquanto o Supremo Tribunal Federal não prende os bandidos de Temer, o povo brasileiro aguarda ansiosamente a surpresa da manhã seguinte. Abaixo, leia, ouça, comente e compartilhe a íntegra do texto:

Download do áudio

Quem são os bandidos do provisório governo Temer?

Jorge Bernardi*

Quem são os bandidos que o provisório Governo Temer tem de enfrentar? São os quase 300 parlamentares deputados e senadores que sendo investigados, em inúmeros processos, fazem parte de base aliada ou da oposição? A declaração do presidente em exercício de que não está frágil, de que não é coitadinho, de que foi duas vezes secretário de segurança em São Paulo, e, que tratava com bandido, merece uma explicação.

Entre os ministros de Temer sete foram citados na Operação Lava Jato. O senador Romero Jucá, o mais emblemático de todos, durou pouco mais de uma semana no Ministério do Planejamento e, caiu pela boca, ao revelar o plano de impeachment de Dilma Rousseff era o grande acordão para por fim a Lava Jato.

Os ministros Geddel Vieira Lima e Henrique Alves, ambos de extrema confiança de Temer e do PMDB, estão respondendo inquéritos após a delação premiada dos diretores da construtora OAS. Agora, na condição de ministros, possuem foro privilegiado, ou seja, serão julgados apenas pelo Supremo Tribunal Federal.

Mas há outros ministros de grosso calibre citados na Lava Jato, entre eles José Serra, o todo poderoso chefe da diplomacia internacional e do comercio exterior, que está na lista do Odebrecht junto com Mendonça Filho, Raul Julgmann, Bruno Araujo e Ricardo Barros.

Depois da divulgação, pela Folha de São Paulo, de conversas impróprias gravadas de Romero Jucá e Renan Calheiros com o ex-senador Sérgio Machado, a conclusão que se chega, as análises sociológicas e históricas no futuro deverão demonstrar de que o impeachment foi a solução encontrada para pôr fim à Lava Jato.

É conclusiva a afirmação de Jucá segunda qual deveriam “mudar o governo pra poder estancar essa sangria.” Ele ainda afirmou que “conversei ontem com alguns ministros do Supremo. Os caras dizem ó, só tem condições sem ela (Dilma). Enquanto ela estiver ali, a imprensa, os caras querem tirar ela”.

Mas afinal, a que bandidos o presidente provisório Michel Temer estava se referindo? Os da política que ele nomeou para os ministérios? Ou os bandidos que estão no Congresso e respondem por crimes no STF? O tempo dará a resposta. Enquanto isto o povo brasileiro aguarda ansiosamente a surpresa da manhã seguinte.

*Jorge Bernardi, vereador de Curitiba (REDE), é advogado e jornalista. Mestre e doutorando em gestão urbana, ele escreve aos sábados no Blog do Esmael.

Comentários encerrados.