Por Esmael Morais

Em Curitiba, PCdoB se desdiz em relação à aliança com PT

Publicado em 12/05/2016

O diabo é que tanto Tadeu quanto Requião Filho sabem que o sonho de consumo do presidente estadual do PCdoB, Ricardo Gomyde, seria uma aliança com o PDT de Gustavo Fruet — que tentará a reeleição. Portanto, o comunista Lacoste estaria apenas utilizando-os para discutir melhores condições.

O Blog do Esmael conversou com os deputados Tadeu Veneri e Requião Filho sobre o imbróglio.

O petista acredita que esse ruído será dirimido em Brasília entre as cúpulas do PT e PCdoB.

Já o parlamentar peemedebista levou o PCdoB na esportiva: “Tenho que dar uma chance para eles me traírem também”.

Requião Filho se refere às eleições de 2014, que, depois de fechada a aliança com o pai dele — senador Roberto Requião — para o governo, Gomyde também fechou com o PT em cuja aliança concorreu ao Senado.

A seguir, leia a íntegra da nota oficial do PCdoB do Paraná:

Sobre as recentes noticias veiculadas dando conta da aliança do PCdoB para as eleições de Curitiba neste ano, faz-se necessário ressaltar:

1- Não existe aliança já consolidada até o presente momento. O partido analisa as diversas candidaturas lançadas em nosso campo político e decidirá quando achar oportuno com base no melhor projeto para Curitiba e que permita acima de tudo o crescimento partidário.

2- O centro do projeto partidário em Curitiba é a obtenção de uma vaga no Legislativo Municipal e não necessariamente uma candidatura a vice prefeito.

3- Causou amplo dissabor na militância partidária a tentativa externa de atropelar a discussão interna no afã de anunciar algo que não existe. O rumo que tomaremos em 2016 na capital está sendo examinado nos fóruns partidários.

Comitê Estadual Paraná do PCdoB