Cai o segundo ministro do golpe em 18 dias. Agora falta Michel Temer

Publicado em 30 maio, 2016

fabiano_silveira

Fabiano Silveira não é mais ministro da Transparência no governo provisório de Michel Temer (PMDB). Ele caiu depois que gravações em que ele orienta Renan Calheiros (PMDB-AL) a driblar investigações da Lava Jato.

.

Silveira caiu em 18 dias. O primeiro a ser defenestrado, em 12 dias, foi o senador Romero Jucá (PMDB-RR), do Planejamento, também flagrado em gravações contra as investigações do juiz Sérgio Moro.

O ex-ministro da Transparência (antiga CGU) divulgou uma carta esta noite pedindo demissão do cargo. Ele não resistiu ao protesto de funcionários do órgão, que não deixaram-no entrar no prédio hoje pela manhã.

Leia a íntegra da carta de Fabiano Silveira:

.

Recebi do Presidente Michel Temer o honroso convite para chefiar o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle.

Nesse período, estive imbuído dos melhores propósitos e motivado a realizar um bom trabalho à frente da pasta.

Pela minha trajetória de integridade no serviço público, não imaginava ser alvo de especulações tão insólitas.

.

Não há em minhas palavras nenhuma oposição aos trabalhos do Ministério Público ou do Judiciário, instituições pelas quais tenho grande respeito.

Foram comentários genéricos e simples opinião, decerto amplificados pelo clima de exasperação política que todos testemunhamos. Não sabia da presença de Sérgio Machado. Não fui chamado para uma reunião. O contexto era de informalidade baseado nas declarações de quem se dizia a todo instante inocente.

Reitero que jamais intercedi junto a órgãos públicos em favor de terceiros. Observo ser um despropósito sugerir que o Ministério Público possa sofrer algum tipo de influência externa, tantas foram as demonstrações de independência no cumprimento de seus deveres ao longo de todos esses anos.

.

A situação em que me vi involuntariamente envolvido – pois nada sei da vida de Sérgio Machado, nem com ele tenho ou tive qualquer relação – poderia trazer reflexos para o cargo que passei a exercer, de perfil notadamente técnico.

Não obstante o fato de que nada atinja a minha conduta, avalio que a melhor decisão é deixar o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle.

Externo ao Senhor Presidente da República o meu profundo agradecimento pela confiança reiterada.

.

Brasília, 30 de maio de 2016.

Fabiano Silveira

Comments are closed.