Alvaro: “Precisamos valorizar o MP”

alvaro_janotpor Alvaro Dias*

O senador Alvaro Dias (PV-PR), em sua coluna desta quarta (18), destaca a importância constitucional do Ministério Público Federal e sua autonomia. Segundo ele, alterar o processo de escolha do procurador-geral da República, que é o chefe do MPF, seria um retrocesso. O cargo é ocupado hoje pelo procurador Rodrigo Janot. “Felizmente, o próprio presidente em exercício Michel Temer apressou-se em desautorizar o ministro [da Justiça]”, anota o colunista. Abaixo, leia, ouça, comente e compartilhe o texto na íntegra:

Download do áudio

Precisamos valorizar o Ministério Público

As multidões que foram às ruas não queriam apenas a substituição de uma presidente da República, mas também a mudança desse sistema de governança promíscuo e a mudança nas instituições.

E algumas das nossas instituições fizeram a leitura correta. Uma delas é o Ministério Público Federal, que tem atuado com independência, autonomia e competência ímpar. Por essa razão, é uma instituição que deve ser preservada, defendida e valorizada.

Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, o novo ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, disse que o governo poderia alterar o processo de escolha do procurador-geral da República. Felizmente, o próprio presidente em exercício Michel Temer apressou-se em desautorizar o ministro. Faça-se a ele, portanto, justiça. Seria um retrocesso retirar dos procuradores a prerrogativa de votar e escolher o chefe do Ministério Público.

A autonomia do Ministério Público para investigar é uma exigência da sociedade brasileira. Nós aspiramos a uma nova Justiça, e ela dá sinais de que se está instalando no País.

O presidente em exercício Michel Temer terá da minha parte a colaboração da crítica leal ao País. Terá o apoio intransigente ao acerto e a implacável condenação do erro. A cultura política do nosso País é do adesismo fácil. Os partidos políticos gostam da sombra do poder. E creio ser mais importante, num momento como este, uma postura de independência altiva, de quem se dispõe a fiscalizar os atos do governo para apontar seus erros, para sinalizar novos caminhos, se eventualmente desvios estiverem ocorrendo. É uma contribuição que atende o interesse nacional.

Nesse cenário de indignação, de revolta popular, de descrença que se generalizou, há uma esperança latente que nos é concedida exatamente por essas instituições.

E a valorização do Ministério Público, certamente, contribui para a certeza de que é possível, sim, termos uma nova Justiça capaz de combater a corrupção e oferecer um futuro de dignidade ao povo brasileiro.

*Alvaro Dias é senador pelo Partido Verde. Ele escreve nas quartas-feiras para o Blog do Esmael sobre “Ética na Política”.

Comentários encerrados.