Temer “vaza” áudio mostrando que ele “já sentou” na cadeira de Dilma; ouça

Alvo de pedido de impeachment na vice, Michel Temer (PMDB), deixou vazar hoje (11) áudio de quinze minutos em que se dirige à nação como se já estivesse sentado na cadeira de presidente da República. O peemedebista repete o gesto de Fernando Henrique Cardoso, em 1985; no áudio, Temer afirma que "muitos me procuraram para que eu desse pelo menos uma palavra preliminar à nação brasileira, o que faço com muita modéstia, cautela, moderação mas também em face da minha condição de vice-presidente e também como substituto constitucional da senhora presidente da República"; abaixo, ouça o áudio.

Alvo de pedido de impeachment na vice, Michel Temer (PMDB), deixou vazar hoje (11) áudio de quinze minutos em que se dirige à nação como se já estivesse sentado na cadeira de presidente da República; peemedebista repete o gesto de Fernando Henrique Cardoso, em 1985 (na época, FHC perdeu disputa pela Prefeitura de São Paulo para Jânio Quadros); no áudio, Temer afirma que “muitos me procuraram para que eu desse pelo menos uma palavra preliminar à nação brasileira, o que faço com muita modéstia, cautela, moderação mas também em face da minha condição de vice-presidente e também como substituto constitucional da senhora presidente da República”; abaixo, ouça o áudio.

Alvo de pedido de impeachment na vice, Michel Temer (PMDB), deixou vazar hoje (11) áudio de quinze minutos em que se dirige à nação como se já estivesse sentado na cadeira de presidente da República.

O peemedebista repete o gesto de Fernando Henrique Cardoso, em 1985, que perdeu disputa pela Prefeitura de São Paulo para Jânio Quadros.

No áudio, Temer afirma que “muitos me procuraram para que eu desse pelo menos uma palavra preliminar à nação brasileira, o que faço com muita modéstia, cautela, moderação mas também em face da minha condição de vice-presidente e também como substituto constitucional da senhora presidente da República”.

O vice-presidente é alvo de pedido de impeachment que tramita no Supremo Tribunal Federal.

Antes de sentar na cadeira da presidente Dilma Rousseff, ainda há um caminho constitucional pela frente. Hoje, por exemplo, a comissão do impeachment votará a admissibilidade do processo que logo depois vai para o plenário da Câmara.

Não é a primeira vez que uma carta de Temer “vaza” à imprensa.

Em dezembro passado, o vice-presidente enviou carta à presidente Dilma apontando “fatos reveladores” da desconfiança que o governo possui em relação a ele e ao PMDB. Na missiva, Temer reclamou que seria um “vice decorativo”.

Comentários encerrados.