PDT decide votar contra impeachment de Dilma; PMDB, PP e PRB se dividem

Bancada do PDT fechou questão contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff; mesmo com algumas críticas à política econômica do governo, os 20 parlamentares do partido fecharam questão em favor da democracia e contra o golpe; Palácio do Planalto também discute avulso com deputados do PMDB, PP e PRB -- que oficialmente anunciaram que votarão "sim" no próximo domingo (17); oposição precisará arregimentar 342 votos — ou dois terços de 513 deputados — para depor Dilma. A missão é praticamente impossível, segundo todos os institutos de pesquisas sérios do país; segundo DataEsmael, que nunca errou sondagem antes, dentro da margem de erro, governo tem na ponta do lápis 326 votos contra o impeachment ante 171 dos golpistas; indecisos somam 16.

Bancada do PDT fechou questão contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff; mesmo com algumas críticas à política econômica do governo, os 20 parlamentares do partido fecharam questão em favor da democracia e contra o golpe; Palácio do Planalto também discute avulso com deputados do PMDB, PP e PRB — que oficialmente anunciaram que votarão “sim” no próximo domingo (17); oposição precisará arregimentar 342 votos — ou dois terços de 513 deputados — para depor Dilma. A missão é praticamente impossível, segundo todos os institutos de pesquisas sérios do país; segundo DataEsmael, que sempre acertou todas, dentro da margem de erro, governo tem na ponta do lápis 326 votos contra o impeachment ante 171 dos golpistas; indecisos somam 16.

O governo garantiu a bancada do PDT na votação contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Mesmo com alguns críticos à política econômica, os 20 parlamentares do partido fecharam questão em favor da democracia e contra o golpe.

Além de assegurar o PDT, o Palácio do Planalto discute avulso com deputados do PMDB, PP e PRB — que oficialmente anunciaram que votarão “sim” no próximo domingo (17).

O PP que tem 43 parlamentares, por exemplo, poderá dar até 20 votos contra o golpe. Os governistas também contabilizam 20 do PMDB, de uma bancada de 65.

O PSD também discute posição sobre o impeachment. O partido tem o Ministério das Cidades, ocupado por Gilberto Kassab, e há outros interesses em áreas do governo. Até agora, de uma bancada de 31 deputados, 15 estão contra o golpe.

A oposição precisará arregimentar 342 votos — ou dois terços de 513 deputados — para depor Dilma. A missão é praticamente impossível, segundo todos os institutos de pesquisas sérios do país.

Segundo o DataEsmael, que sempre acertou todas, dentro da margem de erro, o governo tem na ponta do lápis 326 votos contra o impeachment ante 171 dos golpistas.Os indecisos somam 16.

4 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Esse instituto de pesquisa, o DataEsmael é muito supoerior ao datafoda-se, da folha de sampa, e o globope … não erra uma …

  2. BRIZOLA, ESTA APLAUDINDO A DECISAO DO PDT, SEMPRE DEFENDEU A DEMOCRACIA, E AS CLASSES MAIS NECESSITADAS. 64NUMCAMAIS

  3. Aliel, da Rede, fez história ao dizer não ao impeachment e aos golpistas comandados pelos pilantras Temer e Cunha. Espero que este deputado de Ponta Grossa seja o modelo a ser seguido pelos demais.

  4. BOA, O partido do saudoso, LEONEL BRIZOLA, não iria se JUNTAR A ESSES GOLPISTAS, o que ele diria; ISSO E UM GOLPE MAIS SUJO, JAMAIS VISTO NA HISTORIA DESSE PAIS. FORA GOLPISTAS