gim_pf

| Comente agora

Ex-senador Gim Argello foi preso preventivamente hoje (12), em Brasília, na 28º fase da Operação Lava Jato, sob suspeita de ter recebido propina em troca de sua atuação política em comissões parlamentares de inquérito que investigavam a Petrobras, informou o Ministério Público Federal do Paraná (MPF-PR); prisão foi autorizada após terem sido recolhidas provas de que ele recebeu R$ 5 milhões em propina da empreiteira UTC Engenharia, conforme depoimento do dirigente da empresa, Ricardo Pessoa, em delação premiada, à força-tarefa da Vaza Jato; na condição de vice-presidente da CPI mista da Petrobras, ex-senador Gim Argello, teria orientado o empreiteiro destinar dinheiro na forma de doações eleitorais aos diretórios nacionais de quatro partidos indicados por ele: DEM (R$ 1,7 milhão), PR (R$ 1 milhão), PMN (R$1,15 milhão) e PRTB (R$1,15 milhão); siglas integravam uma coligação com o PTB, em 2014, partido pelo qual o ex-senador tentava a reeleição. (Valter Campanto/Agência Brasil).

Deixe uma resposta

Preenchimento obrigatório *.