Dilma fará pronunciamento

cardozo_coletivaO ministro da AGU, José Eduardo Cardozo, ao analisar a votação na Câmara, na madrugada de hoje, reafirmou convicção de que se trata de um golpe de Estado. O advogado adiantou que a presidente Dilma Rousseff fará um pronunciamento à Nação nesta segunda-feira, 18. Abaixo, a íntegra da coletiva de Cardozo:

via Blog do Planalto

Decisão da Câmara é um golpe, mas não abaterá luta pela democracia, diz Cardozo

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, afirmou na madrugada desta segunda-feira (18) que o governo recebeu com indignação e tristeza o resultado pela instauração do processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados. Segundo Cardozo, a natureza da decisão se mostrou “absolutamente política” já que não há base legal e nem recai sobre a presidenta nenhuma acusação em relação à sua probidade e honestidade. Ele também informou que a presidenta fará um pronunciamento sobre a instauração do impedimento do seu mandato.

Essa questão, portanto, nos deixa indignados porque esta ruptura com a Constituição configura, ao nosso ver, um golpe, como temos dito. Um golpe na democracia, um golpe nos 54 milhões de brasileiros que elegeram a presidenta Dilma Rousseff, um golpe numa Constituição que foi fruto de uma conquista histórica do povo brasileiro depois da ditadura de 1964”, disse antes de mencionar que, apesar da ruptura, a presidenta seguirá lutando. “Quero, todavia, observar que a decisão tomada hoje pela Câmara não abaterá a presidenta Dilma Rousseff, e nem fará com que ela deixe de lutar pelo o que ela acredita. A presidenta Dilma Rousseff, uma das pessoas que tem apego a cargos, mas é uma pessoa que tem apego a princípios. Ela dedicou a sua vida à luta por certos princípios. E a luta que ela desenvolverá agora é a luta que pela democracia“.

O ministro também disse que a presidenta recebeu com serenidade a decisão da Câmara por ser “uma mulher de fibra”. “A presidenta passou momentos difíceis na sua vida e, se passa por outro agora, não perde a serenidade, não perde o equilíbrio. A presidenta é uma mulher forte […] e sabe como lutar uma boa luta“, explicou.

O advogado-geral disse acreditar que o rito do processo de impeachment no Senado, onde se dará a fase da constituição probatória, terá um “clima completamente diferente” do que na Câmara.

“No Senado é diferente, no Senado tem prova, vai ter julgamento, inclusive, dentro daquilo que a lei prescreve em ritos. […] O presidente Renan (Calheiros) tem mostrado muita isenção nas conduções dos processos que estão submetidos ao Senado e eu confio muito nessa posição do presidente Renan. Não creio que ele tomará nenhuma – ao contrário do presidente da Câmara -, não creio que ele tomará nenhuma medida onde possa haver a demonstração de qualquer descomprometimento com a lei e com a Constituição”.

Citando novamente o deputado Eduardo Cunha, Cardozo afirmou considerar um paradoxo o fato do processo do impeachment ser conduzido por um parlamentar acusado de graves delitos. “Inclusive, ele próprio presidiu a sessão de hoje, impedindo que a defesa falasse por último e não escondendo a satisfação de julgar um processo que ele é o autor direto do início ao fim”.

Cardozo também agradeceu, em nome da presidenta Dilma, a todos que foram às ruas em defesa da democracia. “Que continuem a fazê-lo, de forma pacífica, de forma respeitadora da lei e da ordem, porque é assim que se espera dos que defendem a democracia e a Constituição se comportem […] A luta continua.

9 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Estamos vivendo um momento surreal, Como alguém pode compactuar com tamanha ilegalidade. As defesas da PRESIDENTA HONESTA, foram brilhantes, clara, apresentaram todos os fatos e indícios, provando que o processo de impeachment não passava de um golpe contra a democracia. Então a quem se deve atribuir a culpa desse golpe? Eu digo, a nós mesmos eleitores que votamos em pessoas desonestas, os deputados de todo o Brasil que votaram ontem pelo sim provaram perante o mundo de que não possuem moral, ética e nem civilidade por tratar um momento tão sério como se fosse um circo. Portanto nos trataram como palhaços, pois fomos nós eleitores do Brasil que autorizamos uma corja de malandros a nos representar. E no momento mais sério ficamos sem representatividade. Vamos ver se em 2018 essa cena de picadeiro de circo reviva em nossa memória e cada um dos eleitores que foram traídos ontem pelo sim diga não a esses golpistas.

  2. Durma com barulho deste:

    Ao votar pelo impeachment da presidente Dilma, a deputada federal Raquel Muniz (PSD-MG) dedicou o seu voto ao seu marido, o prefeito de Montes Claros, Ruy Adriano Borges Muniz (PSB); “O meu voto é pra dizer que o Brasil tem jeito, e o prefeito de Montes Claros mostra isso para todos nós com a sua gestão”; o curioso é que o prefeito foi preso preventivamente pela PF nesta segunda-feira (18), em Brasília (DF); segundo as investigações, ele usou meios fraudulentos para favorecer o funcionamento do Hospital das Clínicas Mario Ribeiro da Silveira, que pertence a ele e aos seus familiares, ao mesmo tempo em que tentava inviabilizar a operação de outros hospitais

    • Caro Antonio, esses canalhas interpretam dessa forma honestidade. Duvido que a mídia e principalmente a rede golpe dará crédito a esse caso. São todos iguais, fazem parte da mesma quadrilha.

  3. O Senado vai manter o golpe e o STF vai dizer amém!!

  4. Claro que o processo de impeachment não deveria ser conduzido por Eduardo Cunha, mas o que vai mudar no Senado com Renam Calheiros na presidência?
    Se um é ladrão e corrupto o outro é oque?
    Estamos cercados e governados por uma quadrilha e das mais perigosas.

  5. Nossas leis são meramente INTERPRETATIVAS,ou despreparo por quem não as ve de modo correto.o senado federal esta preparado ou parte dele também vera de modo político e não jurídico,não se compra um bolo e lava uma torta,e depois não terá razão de trocar mesmo diante de noto fiscal.

  6. Tomara que o Senado não se comporte da mesma maneira que os Deputados que, com seus discursos recheados de sentimentalismo barato deram seu SIM. E MAIS REVOLTANTE AINDA, foi assistir EDUARDO CUNHA, evolvido em esquemas de corrupção, dinheiro em paraíso fiscal presidir tranquilamente o processo de impeachment, mesmo sendo investigado. NUM JOGO PERIGOSO PARA A DEMOCRACIA tão arduamente conquistada.

  7. Cardozo nos deu esperanças, que a luta continua. O processo está cheio de ilegalidades.