Charge do dia: Fidelidade

nani2

Charge de Nani para A Charge Online.

7 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Awesome write-up. I am a normal visitor of your blog and appreciate you taking the time to maintain the excellent site. I will be a frequent visitor for a really long time.

  2. I just want to tell you that I am beginner to blogs and absolutely loved this web blog. Probably I’m planning to bookmark your blog . You absolutely have really good writings. Thanks for sharing your website.

  3. I simply want to say I am new to blogging and site-building and really liked you’re web blog. Likely I’m going to bookmark your website . You surely have perfect articles and reviews. Thanks a bunch for sharing your web page.

  4. S T F ,E ISSO MESMO ??? ENTÃO NÃO TEMOS JUSTIÇA VERGONHOSO.

  5. Cumprir contrato,já o povo burro tem que aprender votar,isso e fato mas??? a lei ficha limpa e justiça eleitoral uma corja de mentiras.

  6. A cada dia me afirma LULA tem muita RAZÃO Acovardados,porque vergonha puro golpe.

  7. “POPULAÇÃO NÃO CONFIA MAIS NO STF QUE SEGUE MAIS EDUARDO CUNHA DO QUE A CONSTITUIÇÃO FEDERAL

    Acredito que Eduardo Cunha, pela experiência que tem, de primeiro-ministro, presidente da Câmara dos Deputados, de segundo vice, prestes a ser promovido vice-presidente da República do Brasil, seria o presidente ideal do atual STF. Cunha pode ser tudo, mas não é frouxo.
    O povo não conhece os ministros da suprema justiça. Suas biografias são bem escondidas.
    Nos Estados Unidos, os membros do judiciário são eleitos pelo povo (sic). O processo de nomeação dos ministros do Supremo é idêntico ao do Brasil, mas lá as sessões do Senado que aprovam a indicação presidencial não são secretas. Um boa mostra de como funciona está no documentário “Confirmação” de Rick Famuyiwa.
    O juiz Clarence Thomas é nomeado para o importante cargo de Juiz da Suprema Corte dos Estados Unidos, substituindo outro juiz negro. Mas na hora da validação junto aos outros senadores, uma ex-funcionária na faculdade, a professora de direito Anita Hill, acusa-o de tê-la assediado sexualmente dez anos atrás. Na ausência de provas, o caso gera um escândalo no país, suscitando debates sobre o papel das mulheres na política, o abuso de poder no sistema americano e as questões raciais nas altas instâncias do governo.
    Esse debate jamais aconteceria no Brasil. Nossos juízes são deuses, intocáveis, inimputáveis.
    Nossa justiça é uma casta absolutista, reacionária, cara, antissocial e fechada em luxuosas cortes.
    Após Eduardo Cunha (PMDB-RJ) conduzir sob a condição de réu o processo de impeachment contra a presidenta da República Dilma Rousseff, a população brasileira passou a desconfiar dos poderes do STF e a questionar a lisura e a ética dos seus ministros.
    Cunha é réu no STF, mas mesmo assim continua no comando, sendo que há mais de cinco meses foi pedido o afastamento dele pela Procuradoria Geral da República. “O problema está no STF”, disse Rodrigo Janot, da PGR.
    Realmente o problema está no STF. Até um juiz de primeira instância (Sérgio Moro) manda mais do que os ministros do STF.
    O poder de persuasão de Cunha sobre o STF foi verificado em junho de 2015, quando confrontou os magistrados que poderão julgá-lo nas investigações da Operação Lava-Jato.
    Na ocasião, Eduardo Cunha mandou um recado para a ministra do STF Rosa Weber, relatora do mandado de segurança impetrado por 63 deputados, em que se pede a anulação da votação da Câmara que aprovou o financiamento privado de campanhas. Por meio de um ministro do STF, ele disse que se Rosa deferir a liminar, “vai ter troco”.
    Outro sinal de que Cunha manda no STF. Por duas vezes se recusou a prestar depoimentos sobre as acusações no âmbito da Lava Jato. E o que STF fez? Aceitou, pasmem, senhores.
    Na semana passada o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki encaminhou ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados os documentos referentes às investigações envolvendo Eduardo Cunha, na Operação Lava Jato.
    Cunha responde a processo por quebra de decoro parlamentar por negar em depoimento à CPI da Petrobras que tivesse contas no exterior.
    O material encaminhado ao colegiado pelo STF integra um conjunto de provas solicitado pelo relator do processo no Conselho de Ética, deputado Marcos Rogério (DEM-RO), no âmbito das investigações contra Cunha.
    Segundo documentos do Banco Central encaminhados há cerca de duas semanas ao Conselho, Cunha nunca declarou possuir contas no exterior.”

    by Talis Andrade | abril 24, 2016 às 3:06 pm