Requião e Gleisi avaliam o ‘golpe contra a democracia’ em curso no país

Senador Roberto Requião (PMDB-PR), tal qual Gramsci, se diz um pessimista no prognóstico e otimista na ação; "Hoje, Dilma está praticamente cassada pelo Congresso", avalia a pedido do Blog do Esmael; ele diz que falta “mexer na economia” para barrar o golpe em curso no país; "Tudo o que vi até agora favorece o rentismo e ferra capital produtivo e trabalho. Que tal um projeto para mudar o Brasil?", tuitou o peemedebista neste domingo (27); ele confirmou a existência de um grupo suprapartidário no Congresso, do qual ele não participa, que lançará uma ofensiva esta semana pela renúncia da presidente; Blog do Esmael também entrevistou a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), ex-ministra da Casa Civil, que discorda do colega de parlamento acerca dos motivos do golpe: "o problema é político, pois já fizemos ajustes para garantir a execução dos programas sociais"; “O golpe não passará, mas se consumado, teria um elevado custo para todos e isso não valeria a pena nem para os golpistas”, alerta Gleisi; "Dilma está praticamente cassada pelo Congresso. Agora resta a força da economia e das ruas para defender a democracia", diz o gramsciano Requião.

Senador Roberto Requião (PMDB-PR), tal qual Gramsci, se diz um pessimista no prognóstico e otimista na ação; “Hoje, Dilma está praticamente cassada pelo Congresso”, avalia a pedido do Blog do Esmael; ele diz que falta “mexer na economia” para barrar o golpe em curso no país; “Tudo o que vi até agora favorece o rentismo e ferra capital produtivo e trabalho. Que tal um projeto para mudar o Brasil?”, tuitou o peemedebista neste domingo (27); ele confirmou a existência de um grupo suprapartidário no Congresso, do qual ele não participa, que lançará uma ofensiva esta semana pela renúncia da presidente; Blog do Esmael também entrevistou a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), ex-ministra da Casa Civil, que discorda do colega de parlamento acerca dos motivos do golpe: “o problema é político, pois já fizemos ajustes para garantir a execução dos programas sociais”; “O golpe não passará, mas se consumado, teria um elevado custo para todos e isso não valeria a pena nem para os golpistas”, alerta Gleisi; “Agora resta a força da economia e das ruas para defender a democracia”, diz o gramsciano Requião.

O senador Roberto Requião (PMDB-PR), tal qual Gramsci, se diz um pessimista no prognóstico e otimista na ação. “Hoje, Dilma está praticamente cassada pelo Congresso”, avalia a pedido do Blog do Esmael.

Perguntado sobre o que falta para barrar o golpe em curso no país, Requião foi taxativo: “mexer na economia”.

Segundo o senador peemedebista, a presidente Dilma prefere cair empunhando a bandeira dos banqueiros e do capital vadio em detrimento do desenvolvimento nacional.

A crença de Requião na economia pode ser traduzida pela tuitada que ele deu na manhã deste domingo (27): “Tudo o que vi até agora favorece o rentismo e ferra capital produtivo e trabalho. Que tal um projeto para mudar o Brasil?”, provoca.

O Blog do Esmael também entrevistou a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), ex-ministra da Casa Civil, presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Ela discorda do colega de parlamento acerca dos motivos do golpe: “o problema é político, pois já fizemos ajustes para garantir a execução dos programas sociais”, disse.

“O golpe não passará, mas se consumado, teria um elevado custo para todos e isso não valeria a pena nem para os golpistas”, alerta.

Requião confirmou a existência de um grupo suprapartidário no Congresso, do qual ele não participa, que lançará uma ofensiva esta semana pela renúncia da presidente Dilma.

“Dilma já foi torturada, ela não renuncia. Vai ter luta, que se preparem os golpistas!”, exclamou Gleisi.

“Dilma está praticamente cassada pelo Congresso. Agora resta a força da economia e das ruas para defender a democracia”, diz o gramsciano Requião.

Comentários encerrados.