Globo quer cooptar ministros do STF com prêmios. Quem para o golpe?

do Brasil 247

E a ministra Carmem Lúcia, que será a próxima presidente do Supremo Tribunal Federal, exalta a Operação Lava Jato, "que cumpre as leis", e também diz que o impeachment “não é golpe” por estar previsto na Constituição – um truísmo, pois golpe, como afirmou a presidente Dilma Rousseff, é um impeachment sem crime de responsabilidade, como está ocorrendo no seu caso, sob intensa pressão da Globo; nos últimos dois anos, a emissora da família Marinho deu o prêmio Faz Diferença para dois juízes: Joaquim Barbosa e Sergio Moro, numa clara estratégia de cooptação do Poder Judiciário; dois ministros do STF, Marco Aurélio Mello e Teori Zavscki, definiram como crime a divulgação de grampos ilegais da presidente Dilma Rousseff. E agora, diante dessa parceria Globo-STF, a quem os cidadãos comuns poderão recorrer?

E a ministra Carmem Lúcia, que será a próxima presidente do Supremo Tribunal Federal, exalta a Operação Lava Jato, “que cumpre as leis”, e também diz que o impeachment “não é golpe” por estar previsto na Constituição – um truísmo, pois golpe, como afirmou a presidente Dilma Rousseff, é um impeachment sem crime de responsabilidade, como está ocorrendo no seu caso, sob intensa pressão da Globo; nos últimos dois anos, a emissora da família Marinho deu o prêmio Faz Diferença para dois juízes: Joaquim Barbosa e Sergio Moro, numa clara estratégia de cooptação do Poder Judiciário; dois ministros do STF, Marco Aurélio Mello e Teori Zavscki, definiram como crime a divulgação de grampos ilegais da presidente Dilma Rousseff. E agora, diante dessa tentativa de cooptação de ministros do STF, quem para o golpismo estimulado pela Globo?

Pelo terceiro ano seguido, a Globo, da família Marinho, concedeu seu prêmio Faz Diferença a um juiz. Primeiro foi Joaquim Barbosa, depois Sergio Moro e, na noite de ontem, a ministra Carmen Lúcia, que será a próxima presidente do Supremo Tribunal Federal.

Em seu discurso, a ministra exaltou a Operação Lava Jato, “que cumpre as leis”, e também disse que o impeachment não é golpe por estar previsto na Constituição – um truísmo, pois golpe, como afirmou a presidente Dilma Rousseff, é um impeachment sem crime de responsabilidade.

“Não acredito que a presidente tenha falado que impeachment é golpe. Impeachment é um instituto previsto constitucionalmente. O que não pode acontecer de jeito nenhum é impeachment nem ou qualquer tipo de processo político-penal ou penal sem observar as regras constitucionais. Não há impeachment em andamento ainda, não tenho nenhuma dúvida que teremos que observar todas as regras constitucionais”, disse a ministra.

O que Dilma afirmou é que, embora esteja previsto na Constituição, um processo de impeachment não prescinde de um crime de responsabilidade – o que, no seu caso, inexiste. A acusação contra a presidente está ancorada na tese das “pedaladas fiscais”, quando as contas do governo federal nem sequer foram apreciadas pelo Congresso Nacional.

Ao premiar juízes, a Globo parece adotar uma estratégia de sedução e cooptação de magistrados. No entanto, nas últimas semanas, dois ministros do STF, Marco Aurélio Mello e Teori Zavscki, definiram como crime a divulgação de grampos ilegais da presidente Dilma Rousseff – o que foi feito pela Globo após o vazamento dos áudios pela Lava Jato. Depois da decisão de Teori, um editor da Globo chegou até a prever que Teori seria alvo de revolta popular (leia aqui). Ou seja: a Globo premia os amigos e ameaça os divergentes.

Comentários encerrados.