Coluna do Reinaldo de Almeida César: O outono de Beto Richa

outono

Reinaldo de Almeida César, em sua coluna desta quinta-feira (24), comenta e faz previsões para a reta final, o “outono”, do governo Beto Richa (PSDB); articulista parte do princípio de que o tucano disputará o Senado ou a Câmara Federal, em 2018, visando o foro privilegiado, o que lhe restariam apenas dois anos para desincompatibilizar-se do Palácio Iguaçu; aliás, falando em Congresso, ex-secretário da Segurança, recorda de comitiva do governador que visitara o Senado, que barrou um dos integrantes — Luiz Abi Antoun – o qual vestia calça jeans e camiseta preta com gola V; Reinaldo analisa ainda o perfil da vice-governadora Cida Borghetti (PP), e projeta um bom desempenho para a provável primeira governadora do Paraná; colunista vê boas chances dela na disputa pelo governo na próxima eleição; por fim, colunista também prevê que a Polícia Militar será, em breve, comandada por uma mulher e comenta a possível troca na chefia da Polícia Civil. Leia, comente e compartilhe.

Reinaldo de Almeida César*

E eis que novamente chega, para nós outros que estamos abaixo da linha do Equador, a estação do outono austral.

Não tenho dúvidas em dizer que é também o outono da gestão do governador Beto Richa, cujos acertos e erros serão julgados pela história. E, talvez, pela massa dos eleitores paranaenses em 2018.

É chegado o outono do atual ocupante temporário do Iguaçu, porque de agora em diante, a velocidade do passar dos dias se acelera. É quando a fina areia da ampulheta parece ser ainda mais fina, esvaindo-se com incrível rapidez pelo vértice do artefato de tempo.

De agora até a desincompatibilização do cargo para fins eleitorais, restam apenas e exatos dois anos.

Tire feriados, esticados finais de ano, temporadas de praia em Caiobá, períodos em que despesas já não podem mais ser empenhadas, lapsos de tempo em que o orçamento ainda não foi votado e liberado, prazos licitatórios e de contratação de obras previstos na lei e veja quanto ainda resta de tempo útil para o atual governo. É muito pouco.

Dificilmente o que não foi feito em seis longos anos, será agora feito em míseros dois.

Já, já, faremos o cotejo do que foi executado no Programa PARANÁ SEGURO, programa oficial do governo para o setor.

Nesta despretensiosa análise, estou a assumir a premissa de que Sua Excelência haverá de apresentar seu nome às urnas, em 2018.

Neste ponto, sou lembrado pelos meus sempre indóceis botões que os procedimentos investigativos no STJ, PGR e PF, sobre as operações Publicano e Quadro-Negro, haverão de empurrar o governador para a disputa eleitoral.

Seria um arriscado luxo permanecer sem foro privilegiado, num país que redescobriu o significado deste instituto jurídico.

Não se sabe, porém, se Beto Richa buscará a Câmara dos Deputados ou o Senado Federal.

Se tiver êxito, na eleição para a Câmara Baixa, adentrará o Plenário Ulysses Guimarães trajando um elegante terno cinza claro, com gravata azul de listras, ambos da caríssima grife Ermenegildo Zegna. Caem-lhe bem, segundo vejo nas fotos e telas.

Se for eleito para o Senado, poderá tomar assento no belíssimo plenário de tons azulados, projetado por Niemeyer, com a abóbada cintilante de Atos Bulcão.

O mesmo plenário em que Beto Richa esteve, quando ainda prefeito de Curitiba e onde foi saudado pelo então Senador Artur Virgilio, que evocou a memória de José Richa, no mesmo momento em que a segurança do Senado barrava o ingresso de Luis Abi, integrante da comitiva, que teve seu acesso impedido por estar trajando calça jeans, camiseta preta de gola V e uma inseparável mala de couro preta.

Se estiver sentado na bancada do Paraná no Senado, Beto Richa será observado o tempo todo pelo busto de Rui Barbosa, jurista e jornalista, emérito defensor das liberdades individuais que, entre outros tantos pensamentos, nos legou o sentimento de que “de tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.”

***

Mas, não estou aqui a deitar escrita sobre a eventual eleição de Richa.

O que me importa mesmo é que toma desenfreado ritmo a chegada de Cida Borghetti ao cargo de Governadora do Estado.

Não arrisco dizer, tenho certeza: será uma grande governadora.

Cida Borghetti tem, ao lado das qualidades de liderança e sensibilidade, as virtudes do gosto pela política, sabe ouvir, é ponderada.

Mais que isso, tem vocação para a gestão, interessa-se de verdade pelos assuntos de Estado, jamais revela sinal de enfaro quando algum tema da administração da coisa pública lhe é apresentado.

Digo ainda mais, será candidata muito, mas muito competitiva, na eleição de 2018.

***

Na Segurança Pública, as peças começam a se mexer, girando-se a proa do poder para a governadora Cida Borghetti.

Se teremos Hillary Clinton como primeira presidente americana e Cida Borghetti como primeira governadora empossada no Paraná, teremos também a primeira Comandante-Geral da Polícia Militar, que será, com inteira razão de ser, a Coronel Audilene Rosa de Paula Dias Rocha.

Conheci a Coronel Audilene nos meus tempos de SESP, quando ela cumpria seu ofício militar em Maringá. É extremamente competente e muito preparada, sabe exercer comando e liderança, é cativante, sabendo dosar a propensão ao diálogo com muita firmeza no agir.

Será o primeiro grande acerto da governadora.

Alguns especulam que a melhor equação para Cida Borghetti, no setor, seria deslocar o Coronel da reserva – portanto, hoje, em trajes civis – Adilson Castilho para a SESP e o Coronel Tortato, hoje no comando-geral da PM, para a Casa Militar.

Não sei se acontecerá, mas se ocorrer, o governo acertará em cheio.

***

Na Polícia Civil, o quadro é mais incerto.

Só não pode ocorrer o que agora se tenta, sem cerimônias, em conversas conspiratórias nas franjas do gabinete do atual governador, que é trocar prematuramente Julio Reis por Francisco Caricatti, no cargo de delegado-geral, aproveitando-se que Reis estaria enfraquecido pela barulhenta queda de Sciarra na Casa Civil.

Caricatti é igualmente competente, contudo, não é hora pra marola.

Deixem chegar 2018. É logo ali.

*Reinaldo Almeida César é delegado da Polícia Federal. Foi secretário da Segurança Pública do Paraná. Chefiou a Divisão de Cooperação Policial Internacional (Interpol). Escreve nas quartas-feiras sobre “Segurança e Cidadania”.

6 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. I just want to mention I am beginner to blogging and site-building and certainly liked this page. Probably I’m likely to bookmark your blog . You certainly come with impressive article content. Bless you for sharing with us your website.

  2. Nosso governador ja se desgastou e muito na área da segurança pública, no entanto, as considerações não deixam de ter a sua lógica, a vice governadora em assumindo por questões técnicas, é claro que o time será modificado, sem dúvidas, mas, trocas nesse momento só trariam desgastes ao governo, a menos que a troca diminuisse algum desgaste maior.

  3. Esse Reinaldo não toma jeito mesmo. Já foi mordido pelo leitão vesgo e agora já defende o lixo novamente. Com certeza foi convidado a ser secretário da insegurança novamente. Nada, mas nada mesmo pode se ter certeza final. Os interesses pessoais sempre à frente. Esse já era. Não leio mais também.

  4. Senhor Reinaldo, considero um descalabro acreditar que Cida Borghetti tenha tanto cacife para, a dois anos das eleições, poder imaginar que há viabilidade de ser eleita. Posso estar enganado, afinal não sei qual é a percepção da população paranaense sobre essa senhora.

    Da mesma forma, fico imaginando que malabarismos políticos precisam ser feitos nesses dois anos para viabilizar a eleição do atual governador para qualquer cargo, tendo em vista sua popularidade ser péssima. Mas, em se tratando de eleitores nascidos no Brasil, tudo é possível. E eleitor paranaense, na suas sandices, pode mesmo conduzir esse despreparado a um cargo no Congresso Nacional.

    De toda forma, o que os paranaenses cônscios da péssima situação do Paraná esperam é que apareça um candidato decente. Nada de Requião ou Álvaro Dias, indicados como os preferidos em pesquisas recentes. Queremos alguém que tenha caráter, ética e capacidade.

    Assim como acontece no atual cenário eleitoral para a prefeitura de Curitiba, nada que preste está no radar eleitoral.

  5. Nobelissimo Delta. Faria bem minimizar os recursos descritivos e impressoes poeticas de sua coluna. Não lhe cae bem. Tem dó dos leitores que querem informação e não dispoe do tempo necessário para saborear sua ilações literárias.

  6. ESMAEL: POR FAVOR FAZ UMA NOTÍCIA EXPLICANDO PARA O BRASIL ESSA QUESTÃO DA VELHA MÍDIA ( A MIDIA PODRE E GOLPISTA), TER OCULTADO NOMES DA LISTA DE 200 ACHACADORES, BANDIDOS, E GOLPISTAS, POIS QUANDO FOI CONTRA LULA, DILMA E QUANDO ERAM APENAS DO PT A LISTA E CONVERSAS FORAM DIVULGADAS NA ÍNTEGRA. PORQUE QUE AGORA A MIDIA PODRE NÃO DIVULGA TODOS OS NOMES DA LADRÃOZADA.