Coluna do Rafael Greca: Fruet fecha até comércio ao deixar gente na rua da miséria

greca

Em sua coluna semanal Rafael Greca (PMN) fala da cidade de Curitiba que vai fechando um a um seus espaços de cidadania e acolhimento aos curitibanos. Segundo ele, o prefeito Gustavo Fruet (PDT) está “fechando portas e cortando sonhos”. Fechou a integração do transporte metropolitano, fechou a UPA da Fazendinha, fechou o Farol do Saber da Praça Espanha, fechou o Pavilhão do Parque dos Tropeiros, fechou praças, fechou atendimentos da FAS, etc. Leia, ouça, comente e compartilhe.

Download áudio

Rafael Greca*

A atual gestão da Prefeitura de Curitiba, sob direção de Gustavo Fruet (PDT), tem fechado portas e cortado sonhos. Abandona, larga, descarta seres humanos na rua da miséria. A omissão do nosso primeiro mandatário e seu secretariado é corrosiva. Clama providências. Curitiba inspira cuidados.

O que fizeram da nossa Casa?

Como conseguiram, em tão pouco tempo, destruir a qualidade de vida de uma Cidade que já mereceu da ONU o Prêmio Mundial do Habitat 1996. Foi um reconhecimento mundial pela qualidade humanitária de nossas políticas públicas de desenvolvimento sustentável, ecologia, transportes, cidadania, saúde, segurança, cultura, educação e promoção social dos excluídos.

Fruet fechou a integração do Transporte Coletivo. Fechou portas dentro dos terminais, dividindo o público como se gado fosse, cada rebanho na sua baia, sem possibilidade de ir e vir com liberdade. Benefícios que todos os cidadãos metropolitanos já usufruíam desde 1993-1996 quando fui o Prefeito implantou a grande Rede Integrada Metropolitana de Transportes, com uma única tarifa social. Avanço social sem precedentes.

Fruet fechou a UPA da Fazendinha. Era para ter aberto ontem, mas, as obras não ficaram prontas. O material atrasou, a tinta não secou, o dinheiro não deu, a RPC noticiou ontem no jornal das 19:00 horas. O que não contaram é que – depois que Fruet entregou a Saúde Pública de Curitiba ao seu PT – uma UPA custa R$ 2 milhões por mês. Fechada, já durante três meses, e prometida só para daqui um mês, a UPA da Fazendinha pode “render” R$ 8 milhões à sanha arrecadadora desta ‘Prefs’ sem nenhum feito.

Fruet fechou o Farol do Saber da Praça Espanha. Pintado de preto, dizem que por obra da Copa, R$ 5 milhões depois, o Farol Miguel de Cervantes está transformado em cenário de abandono e cracolândia. Privado dos seus 15 mil livros, 10 mil deles em espanhol, síntese da literatura na língua de Dom Quixote, presente que consegui para Curitiba junto ao Instituto Cervantes , através do detentor do Prêmio Nobel de Literatura Mário Vargas Llosa que, ao meu tempo de prefeito, nos visitou. E deixou seu encantamento por escrito num artigo publicado no jornal El País. Naquela praça, transformada em cenário de repetidos homicídios, até a estátua de Cervantes, em bronze, presente do Rei da Espanha, sumiu, substituída por uma ordinária réplica de massa de cimento.

Fruet fechou o caminho dos jovens que sonhavam com a profissionalização: acabou com a oferta de vagas FAS para a Escola Profissionalizante Maria Ruth Junqueira; exemplar Liceu de Ofícios da Federação Espírita do Paraná, que nossa gestão municipal fomentou e ampliou.

Fruet fechou o Pavilhão do Parque dos Tropeiros, na CIC, entre os bairros Sabará e Diadema. Abandonou o local que fiz erguer em 1995, a pedido do professor Velocino Fernandes, nosso saudoso amigo, filiado ao PDT do Paraná, mestre da História do Brasil. Fruet abandonou um espaço que fizemos em homenagem aos Tropeiros Pioneiros, todos os que sabem que o Sul começa em Curitiba. Fruet ignora que no nosso céu brilham Antares e Aldebarã, as estrelas meridionais.

Esta semana, tristemente, como se não bastasse o abandono, nosso Parque dos Tropeiros ardeu em chamas, incendiado por mãos criminosas. Terá sido para apagar vestígios? A Prefeitura de Fruet anunciou e empenhou, em 2015, verba de R$169 mil para reparos no Parque –  notícia do site da Prefs, segundo post no Facebook do próprio Fruet. Quanta desonestidade! Ninguém sabe, ninguém viu onde este dinheiro foi aplicado. Explica esta, Fruet?

Terá sido por isso que ardeu o outrora belo galpão de madeira, já palco de fandangos tradicionalistas, torneios de viola, serenatas gauchescas, tertúlias de trovas tropeiras. Os vereadores Chico de Uberaba (PMN) e Chicarelli (PSDC) foram vozes a denunciar o descaso com o patrimônio público. A Prefeitura fingiu que não viu o incêndio, pois nem a Guarda Municipal andava por lá, depois que Fruet fechou várias de suas escalas, reduziu pagamento de horas extras trabalhadas das sentinelas da cidade, restringiu o combustível e o conserto das viaturas.

Fruet fechou praças, em todos os 75 bairros de Curitiba, deixando crescer o mato, fechou aliança com o Mosquito da Dengue, o vírus da Zika, a temida Chicumgunha, e todas as modernas pestes e pragas deste Brasil infeliz; esperançoso de ser saneado, seja por água sanitária, seja pelas sentenças da Operação Lava Jato.

Prefeito tranqueira, Fruet fechou todos os contratos que trancam a cidade de Curitiba. Renovou contrato com o ICI, confirmou a catraca do Dataprom no Transporte Coletivo. Confirmou a empresa de radares Consilux, os mesmos que desmoralizados nada marcaram quando do desastre Carli x Yared x Almeida.

Tranqueira política, ambicioso para chegar ao poder pelas mãos do então poderoso Casal de Ministros, Glesi e Paulo Bernardo (PT), alicerçados nas superfaturadas obras da Repar, Fruet fechou com o PT do Paraná, o pior PT do Brasil. O grupo político dos encarcerados André Vargas e José Dirceu. Fechou o pior acordo político de toda a história política de Curitiba, e agora tenta enganar incautos fingindo rompimento que não há.

Fruet fechou a FAS-SOS, exemplar casarão de Socorro aos Necessitados, onde atendíamos às pessoas em risco de rua, combinando a Ação Social com equipamentos e programas de resgate social quais o Ônibus da Linha Sopão, Educadores de Rua, Ambulatório Médico e Odontológico Emergência, exemplar serviço de Albergagem, Fazenda Solidariedade, Pousada de Maria, Casa da Acolhida e do Regresso, mais o apoio aos Albergues Espírita, São João Batista e da Assembléia de Deus.

Ao fechar o serviço social da cidade de Curitiba, amesquinhando-o, envenenando-nos com a ideologia do conflito social, sem dar boas condições de trabalho à equipe da FAS, Fruet fechou o comércio por insistir na equivocada política de manter as pessoas na rua da miséria. Nossos irmãos menos favorecidos, transformados em aviõezinhos de crack, farrapos humanos, abandonados desassistidos à sua própria (falta de) sorte.

Ao ignorar pessoas caídas pelas calçadas,sarjetas, marquises, como se descartáveis fossem, Fruet amealhou o repúdio de contribuintes, da tradicional Associação Comercial do Paraná à Associação de Proprietários de Bares e Restaurantes de Curitiba.

Prefeito tranqueira, Fruet fechou oportunidades, fechou perspectivas de futuro. Deve fechar o mandato como o Prefeito de Curitiba menos produtivo da História.

Não há de ser nada, este ano,de novo,as urnas vão se abrir. Aí vamos, reunidos no movimento #VoltaCuritiba, recuperar tudo o que Fruet fechou, cortou, descontinuou e desintegrou. #VoltaCuritiba. Vamos recuperar o tempo perdido.

*Rafael Greca, ex-prefeito de Curitiba, é engenheiro. Escreve às quartas-feiras no Blog do Esmael sobre “Inteligência Urbana”.

Comentários encerrados.