Coluna do Marcelo Araújo: Falsa valentia ou declarada covardia?

avestruz

Em sua coluna semanal, Marcelo Araújo comenta a sabatina promovida pelo jornal Gazeta do Povo com os pré-candidatos a prefeito de Curitiba. Marcelo questiona os critérios do jornal para definir quem participaria da sabatina e também a recusa do atual prefeito, pré-candidato à reeleição, Gustavo Fruet (PDT). Eles pergunta se a ausência de Fruet significa medo de se expor ou falta de propostas mesmo. Leia, ouça, comente e compartilhe.

Download áudio

Marcelo Araújo*

Primeiramente quero cumprimentar o leitor e ouvinte da minha coluna no Blog do Esmael, os que concordam e discordam das minhas opiniões, em especial àqueles que dedicam seu tempo a comentar, protegidos ou não pelo anonimato e pelo pseudônimo, os quais sempre que possível procuro responder.

Apesar da crença que o ano só começa a partir de amanhã, à tarde, no cenário político municipal já tivemos um aperitivo interessante com a sabatina da Gazeta do Povo aos pré-candidatos à prefeitura de Curitiba que se deu a partir de 18 de janeiro.

Houve a participação de sete pré-candidatos escolhidos pelo aleatório critério de possuir mais de 4% de índice nas pesquisas. Me parece que este critério de corte nesse momento preliminar não ofereceu a todos a oportunidade de se expor e expor. Ter índice abaixo de 4% não significa necessária indiferença ao processo eleitoral, pois 5 candidatos com 3% representariam 15% dos votos, sem as margens de erro.

Uma análise do perfil dos pré-candidatos também expôs um lado preconceituoso do jornal, pois apenas citou e não entrevistou duas mulheres e ainda destacou a ausência de um negro, mesmo já tendo feito correções em matérias anteriores reconhecendo a presença de um negro, o que mostra que quem escreve na Gazeta não lê a Gazeta.

Mas, o mais surpreendente, inesperado, inexplicável e em momento algum analisado pela Gazeta foi a ‘recusa’ do atual prefeito a participar da sabatina. Não se analisou se é estratégia de não se expor e não arriscar queda nos atuais índices, se é medo ou falta de propostas.

Ao contrário, numa inversão de valores o jornal foi desrespeitoso àqueles que se dispuseram a participar da sabatina, covardemente acusados de frágeis tecnicamente e ignorantes da realidade, impossibilidade de realizações e falsa valentia. Entre acusar de falsa valentia e não apontar a declarada covardia do atual prefeito não sei o que é pior.

O fato é que os sabatinados, tratados pela alcunha de ‘bolas murchas’, genericamente criticados, deveriam interpelar o periódico para esclarecer quem é acusado do que e sob quais fundamentos e provas, ou meras palavras lançadas a esmo.

Vamos ver até onde a estratégia avestruz do atual prefeito receberá essa blindagem, pois nem precisa ser analista político para concluir que ele é tecnicamente frágil, ignorante da realidade, não realiza nada e estraga o que estava bom. Ou seja, não é um falso valente, mas um declarado covarde. Um verdadeiro bola murcha!

De multa eu entendo!

*Marcelo Araújo é advogado, presidente da Comissão de Trânsito, Transporte e Mobilidade da OAB/PR. Escreve nas terças-feiras para o Blog do Esmael.

7 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Desprefeito numa desprefeitura. Que dó de Curitiba! Fará 323 anos decadente! Pobre Curitiba!

  2. Estava esquecendo: mais paz no coração e menos ódio dos carros, eles não te fizeram mal algum e te rendem um bom dinheiro com as multas e o IPVA. Fora Fruet.

  3. Para o covardao, tudo é culpa da gestão anterior, mesmo depois de três anos e vários aumento de IPTU e IPVA. Conserve pelo menos as ruas do Boa Vista que foram pavimentadas pelo papai em 1984.

  4. Gostaria de saber porque nosso “Excelentíssimo Incompetente Prefeito” não quis participar das entrevista da gazeta do povo? Porque não tem nada para mostrar? A tem sim, já estava esquecendo: Radares, tinta no asfalto e área de imbecilidade 40km/H. Fora Fruet, vai atrás do caminhão que você caiu..

  5. O forfait” do pior prefeito da história de Curitiba, Gustavo Fruet, à entrevista no principal periódico do Estado do Paraná, GAZETA DO POVO, tem vários motivos: ausência total de obras de relevância desde que assumiu a prefeitura em benefício da população; as ruas da cidade abandonadas a própria sorte – sobretudo, nos bairros (buraco em cima de buraco); riachos, parques e valetões infestados de ratazanas, aranhas e lixos o que provoca constantes transbordamentos; falta de um programa de excelência na área social (Fundação de Ação Social de Curitiba (FAS) – em prover meios de atender o verdadeiro exército de moradores de rua que tomaram de assalto o anel central da nossa cidade, tornando-a uma das mais fétidas e sujas do Brasil; a falta de “pulso” firme de Fruet, no “jogo sujo” perpetrado pelo patronato do transporte coletivo de Curitiba que, culminou com várias greves dos motoristas e cobradores em prejuízo de milhares de trabalhadores, e elevou a tarifa de Curitiba como uma mais caras do País; a deterioração lenta e gradual da qualidade dos terminais e, por consequência, da frota de ônibus totalmente sucateada e a avalanche de reclamações contra o atendimento nas UPAs, postos de saúde assemelhados. MUDA CURITIBA, ANTES QUE SEJA TARDE.
    Valdir Bicudo

  6. O que se diz prefeito gustavo fruet é um covarde e incompetente, no carnaval cobrei delepessoalmente duas vezes a coleta de galhos de uma poda que fiz em casa e já faz quase duas semanas e alguns protocolos solicitando a coleta e nafa, ele simplesmente disse que iria resolver e me virou as costas duas vezes e não teve nem a capacidade de pedir a um de seus aspones para anotar os protocolos. não temos prefeito e sim covarde e incompetente que só sabe tirar fotos com as vovós e com crianças para aparecer bom moço.

  7. É que o jornal não conhece aquela frase: “Chega dos mesmos”.

    Na última eleição em São Paulo o atual prefeito tinha 2% e venceu!