Em nota, PT defende rompimento de contrato com empresas de ônibus de Curitiba e Região Metropolitana

ptonibusA direção do Partido dos Trabalhadores (PT) de Curitiba emitiu nesta quinta-feira (11) uma nota oficial sobre o novo aumento na passagem de ônibus de Curitiba e sobre a situação do transporte público da Capital e Região Metropolitana. O partido defende o rompimento do atual contrato com as empresas concessionárias do serviço.

O pronunciamento dos petistas corroboram com a tese do deputado Requião Filho (PMDB), que no mês passado defendeu o rompimento do contrato entre Prefeitura de Curitiba e as empresas que exploram o transporte público na capital, que estariam descumprindo a licitação, provocando greves e locautes.

O partido da vice-prefeita Mirian Gonçalves defende a “reestruturação da URBS e uma nova forma de gestão do transporte público com frota pública; nova licitação que integre o sistema público de transporte com a Região Metropolitana; Conselho Municipal e Metropolitano de Transporte aberto a sociedade civil com poder de fiscalização da tarifa e serviços prestados”.

Além de criticar a condução da prefeitura e da Urbs, a nota responsabiliza o governador Beto Richa (PSDB) e seu secretário de Estado do Desenvolvimento Urbano (SEDU), Ratinho Júnior (PSC), pela desintegração do transporte na Região Metropolitana de Curitiba.

A nota em si não traz grandes novidades, pois os problemas apontados são os mesmos já denunciados pela imprensa, sindicatos, movimento social e até parlamentares de diversos partidos, inclusive do próprio PT.

A novidade é o partido se manifestar de maneira oficial, poucos meses após desembarcar da administração municipal do prefeito Gustavo Fruet (PDT), a quem apoiou e ajudou a eleger. Parece mesmo que o PT nunca teve espaço ou força para influenciar de forma decisiva a gestão de Fruet.

De qualquer forma, a nota contribui com o debate e sinaliza que tipo de política o Partido dos Trabalhadores implementaria caso alcançasse o governo municipal. Pelo menos em tese.

Leia a seguir a íntegra da nota:

Nota oficial do PT de Curitiba sobre o transporte coletivo

A Executiva Municipal do PT de Curitiba vem a público manifestar-se sobre a atual situação do transporte público coletivo na cidade:

O aumento recente na passagem mostra que o cenário está insustentável. A Prefeitura e a URBS tiveram, nos últimos anos, a oportunidade de mudar a realidade e lutar para que a planilha de custo do sistema fosse revista, retirando itens que são cobrados do usuário injustamente, como o imposto de renda das empresas.

A administração municipal teria o respaldo da sociedade e do Tribunal de Contas do Estado para fazer isso, mas não o fez. Surpreendentemente, o que acontece é o oposto: a URBS entra com uma série de recursos contra a decisão do TCE de reajustar a tarifa, atitude que demonstra falta de interesse na mudança.

Se não concorda com as contas realizadas pelo TCE, a URBS deveria aproveitar para abrir o debate com a sociedade. Em vez disso, opta por manter o controle da planilha nas mãos das empresas que há décadas se beneficiam e operam o sistema – empresas que se mantiveram no controle mesmo depois do processo licitatório de 2010, que as favoreceu.

Este é o exemplo mais recente da intervenção da URBS quando o sistema tem a oportunidade de ganhar transparência. No início da gestão, a Prefeitura chegou a dar mostras de que estava disposta a resolver a questão do transporte. Na ocasião foram constituídas duas comissões (análise da tarifa do sistema de transporte coletivo e a de auditoria da URBS) que fizeram um trabalho importante, inclusive conseguindo dados que poderiam alterar a realidade do transporte de Curitiba. Entretanto, quando a Comissão de Auditoria estava construindo um edital para contratar uma auditoria externa, o trabalho foi encerrado pela própria URBS e nenhuma medida foi tomada.

Tudo isso inserido em um cenário em que o transporte público de Curitiba e Região Metropolitana está desintegrado, em parte por culpa das prefeituras, tanto de Curitiba quanto das outras cidades, que em nenhum momento tiveram a intenção de se unir para evitar que este prejuízo chegasse ao povo, mas principalmente pela atitude do governador Beto Richa (PSDB), que deu fim ao subsídio que garantia a integração.

Vale destacar demagogia do secretário de Desenvolvimento Urbano Estado, Ratinho Junior, que afirmou em entrevista ao jornal Gazeta do Povo publicada no dia 20 de janeiro que a culpa pela desintegração foi da administração municipal, dizendo que se for eleito para a Prefeitura sua primeira medida seria voltar com a integração.

No entanto, segundo o próprio site da Secretaria do Desenvolvimento Urbano, a missão da pasta é “definir as políticas, o planejamento, a execução, a coordenação e o controle das atividades ligadas ao desenvolvimento urbano e regional, além de integrar os municípios, a fim de ordenar o pleno desenvolvimento das cidades e garantir o bem-estar dos habitantes”. Colocando a culpa na gestão municipal, Ratinho tira de si a responsabilidade que tem, junto com o governo estadual, de contribuir com a integração do sistema.

Soma-se a isso a inoperância do Conselho Municipal de Transporte, que deveria ser um espaço de participação da sociedade e fiscalização deste serviço público essencial, mas não funciona. A última reunião foi no dia 20 de julho de 2012.

Há, portanto, uma clara falta de interesse dos atores sociais envolvidos, inclusive a URBS e a Prefeitura, na participação da sociedade nesta questão.

Por estes motivos, o PT de Curitiba defende a reestruturação da URBS e uma nova forma de gestão do transporte público com frota pública; nova licitação que integre o sistema público de transporte com a Região Metropolitana; Conselho Municipal e Metropolitano de Transporte aberto a sociedade civil com poder de fiscalização da tarifa e serviços prestados.

Curitiba, 11 de fevereiro de 2016.

Executiva Municipal do Partido dos Trabalhadores.

10 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. As empresas já entraram na justiça pedindo a recisão do contrato autos nº 0006486-17.2013.8.16.0004, em tramite na 2ª Vara de Fazenda Publica da Capital.
    Esmael, busque e divulgue a informação!
    Politico que for usar a recisão dos contratos como palanque eleitoral, vai quebrar a cara, pois as próprias empresas estão pedindo a rescisão do mesmo! Promessa furada de politicos e partidos mentirosos!

  2. Infelizmente o PT perdeu toda a sua linha de quando foi formado de quando disputou eleições para chegar ao poder e hoje é um partido normal, tendo seus cabeças preocupados em ganhar o deles e a militancia sendo usada como massa de manobra deles, repararam que o marido da Gleise sumiu? Que o André Vargas está preso, no Paraná as poucas lideranças que tem e são respeitadas são Veneri e Rosinha o resto é resto…

  3. Vejo comentários, pelos sites aonde costumo me informar, de pessoas que aceitam a morte da democracia e a implantação do autoritarismo para terem seus desejos realizados. Muitos não percebem a caça seletiva de corruptos. Brasil não quer o fim da corrupção, quer somente se dar bem com a corrupção. Portanto, elime-se os inimigos e saiam fazendo as suas falcatruas sem serem incomodados.
    “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas” (Jesus)

  4. TEM QUE RESCINDIR MESMO O CONTRATO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CURITIBA E REGIÃO METROPOLITANA. AS EMPRESAS ESTÃO DEITANDO, ROLANDO E PROMOVENDO GREVES ( ESTAS GREVES DOS FUNCIONÁRIOS, NÃO SÃO GREVES DOS FUNCIONÁRIOS, SÃO GREVES DOS PATRÕES). SE ESTIVESSEM NO PREJUIZO, ELES COLOCARIAM SUAS EMPRESAS À VENDA. SÃO VÁRIAS EMPRESAS, MAIS OS DONOS SÃO POUCOS OU OS MESMOS QUE EXPLORAM O TRANPORTE COLETIVO HÁ MAIS DE 40 ANOS. O PRINCIPAL PROPRIETÁRIO DE VÁRIAS EMPRESAS NEM MORA MAIS NO PARANÁ, AS EMPRESAS ESTÃO NO NOME DE PARENTES, LARANJAS E AS CARTAS ESTÃO SENDO DADAS À DISTÂNCIA.

  5. “O MORTO RESPIROU”.Após uma passagem pífia na administração municipal o pt que não conseguiu se defender(indefensável) e nem propor, agora é tarde.Descanse em paz..

  6. Claro que o PT não defende rompimento coisa nenhuma. Nem a vice prefeita tem coragem de tratar esse tema. A nota fala em ” nova licitação” mas não diz quando nem como…Fruet não está nem aí para o PT e o PT não quer largar o osso do Fruet….

  7. O prefeito não faz nada contra as empresas e ainda entra na justiça para punir o sindicato, porque este convoca greve para que seus afiliados possam receber o salário!

  8. O Partido dos Trabalhadores defende a falência da nação,

    defende o monstro inflação,

    defende o desemprego (falência das empresas),

    defende um rombo histórico nas contas publicas,

    defende retomada da CPMF,

    defende o corte drástico na educação,

    defende o corte drástico na saúde,

    defende a privatização dos nossos aeroportos,

    defende o aumento no preço dos combustíveis (enquanto o preço do barril de petróleo diminui em todo o mundo),

    defende a quase impagável conta de energia,

    defende o ’empréstimo’ a Cuba,

    defende o ’empréstimo’ a Angola,

    defende o ’empréstimo’ ao Uruguai,

    defende o aumento no imposto de renda,

    defende parte da privatização da Caixa Econômica,

    defende o derretimento do maior Plano Monetário da história da América Latina,

    defende o vale tudo, pelo o Poder!!

    • Defende também:
      Bater nos professores;
      Roubar recursos para as escolas;
      O primo distante;
      Meter a mão na previdência dos professores;
      Aumentar o IPVA em 40% ou de 2,5 para 3,5;
      Aumentar o ICMS de 90000 produtos…
      Vou parar por aí, porque estou com nojo desse Beto Bicha.

  9. Com certeza o PT não recebeu a parte que lhe cabia…..