Coluna do João Arruda: Corrupção no governo Beto Richa prejudica investimentos no Paraná

corrup

Em sua coluna desta terça-feira, o deputado federal João Arruda (PMDB) mostra como a corrupção do governo Beto Richa (PSDB) atrasa os investimentos e o desenvolvimento do Paraná. Ele cita o exemplo do dinheiro desviado da construção e reforma de escolas, do qual boa parte tinha origem federal. Isso fará com que o caso seja investigado pela Controladoria Geral da União. Leia, ouça, comente e compartilhe.

Download áudio

João Arruda*

Até as paredes do Palácio Iguaçu sabem: fica difícil pedir dinheiro federal quando o que vem para o Paraná é roubado. Isso está acontecendo com o nosso estado, onde os escândalos que se sucedem ameaçam investimentos. Um novo ano começou, mas a suspeita de corrupção segue firme e forte no governo de Beto Richa (PSDB), agora acuado pela Operação Quadro Negro.

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e o ministério público federal investigam o desvio de recursos destinados à construção de escolas para a campanha de reeleição do governador Beto Richa, em 2014. A teia de corrupção, formada por políticos, autoridades e empresas, teria garfado quase R$ 20 milhões em dinheiro público. Em vez de salas de aulas, ganhamos obras inacabadas e a vergonha nacional.

O atual governador passou os últimos cinco anos reclamando que o estado não recebia verbas federais. Aí, quando elas vêm, os recursos são roubados. Isso desmoraliza o Paraná e repercute muito em Brasília, especialmente nos ministérios.

Quer outro exemplo? O governo do estado devolveu R$ 19 milhões para a União, dinheiro que deveria ser usado na construção de quatro escolas, hoje inacabadas. Você leu certo: Beto Richa devolveu recursos federais. Na verdade, foi uma manobra para tentar manter a investigação da Quadro Negro sob jurisdição estadual e evitar a Controladoria Geral da União (CGU). Isso não vai funcionar.

Depois do Carnaval, pretendo denunciar o escândalo que desviou dinheiro da educação ao Tribunal de Contas da União (TCU). Ainda vou requisitar junto à Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara, da qual sou membro titular, uma auditoria no Paraná. Além disso, quero convocar os delatores da Operação Quadro Negro e analisar todos os contratos do Ministério da Educação com o estado.

Com isso, deixo claro ao governador Beto Richa que ele não vai conseguir abafar o caso. Todas as informações que eu colher serão encaminhadas para o Ministério Público Federal (MPF). No que depender de mim, a investigação continua. Os responsáveis serão punidos. O Paraná não pode pagar pela má conduta de alguns poucos agentes públicos.

*João Arruda é deputado federal pelo PMDB, coordenador da bancada do Paraná no Congresso Nacional, escreve nas terças-feiras sobre “Os bastidores do poder em Brasília”. Excepcionalmente escreveu nesta segunda-feira.

Comentários encerrados.