Coluna do Alvaro Dias: A luz não pode ser apagada

xisto

Em sua coluna semanal, o senador Alvaro Dias (PV) se manifesta contra o fechamento da Usina de Xisto da Petrobras localizada em São Mateus do Sul, no sul do Estado. Para o senador, o encerramento das atividades da Usina na esteira dos escândalos da Petrobras é inaceitável.  A unidade tem mil funcionários, gera mais de três mil empregos indiretos e é vital para a economia local. Alvaro argumenta que a Usina não é deficitária e pode contribuir para a retomada do crescimento da Petrobras e da economia nacional. Sua produção atende os estados do Paraná, São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Alvaro está conversando com ministros e autoridades para que o fechamento da Usina seja revertido. Leia, ouça, comente e compartilhe.

Download áudio

Alvaro Dias*

Diante do turbilhão provocado pela crise que se abateu sobre a Petrobras e do anúncio de cortes, o Paraná pode vir a sofrer consequências. A Usina do Xisto, de São Mateus do Sul, estaria sendo incluída entre as economias propostas pela direção da Petrobras. A decisão seria lamentável.

A Usina do Xisto é vital para a economia local. Apesar dos problemas de gerenciamento, a usina não é deficitária; pelo contrário, ela pode se constituir em importante instrumento de superávit para a Petrobras.

A unidade tem mil funcionários e gera mais de três mil empregos indiretos. Inúmeras empresas se instalaram na região após a construção da usina, que recolhe aproximadamente R$98 milhões em impostos e royalties por ano. Esse montante representa 48% da renda do município; R$60 milhões são repassados ao governo do Paraná.

As atividades da usina têm impacto sobre a vida de 16 mil pessoas, mais de um terço da população de São Mateus do Sul.

É importante ressaltar a dimensão estratégica dessa usina, sediada sobre as maiores reservas mundiais de xisto. Sua produção atende aos mercados do Paraná, São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Na cadeia de problemas que o fechamento da usina provocaria, há ainda a questão da interrupção do fornecimento de calcário e o lixo urbano depositado nas cavas da usina.

Quando eu era governador do Paraná, travamos uma batalha com a Petrobras, para que o projeto do xisto em São Mateus do Sul fosse implementado. E nós assistimos à revitalização da região sul do Paraná, que alavancou o seu processo de industrialização e continua gerando frutos e benefícios, como o aumento da receita pública dos municípios da região e o desenvolvimento industrial.

Hoje estamos diante da possibilidade de que essa luz se apague. A extinção da usina, na esteira dos escândalos da Petrobras, é inaceitável. Estamos conversando com ministros e autoridades para que isso seja revertido. O fechamento da usina seria uma tragédia para toda a região sul do Paraná, com reflexos que transcendem as fronteiras estaduais.

*Alvaro Dias é senador pelo PV. Ele escreve nas quartas-feiras para o Blog do Esmael sobre “Ética na Política”.

Comentários encerrados.