Coluna do Alvaro Dias: O papel da oposição no Parlamento

oposicao

Em sua coluna semanal, o senador Alvaro Dias (PV) fala sobre o papel da oposição no parlamento no sentido de fiscalizar o governo e apontar seus erros. Ele cita as denúncias dos desmandos na área econômica e também na barganha de cargos por apoio político. Mas segundo Alvaro, o Poder Legislativo não deve concorrer com outras instituições quando se trata de investigar possíveis crimes ou ilegalidades, pois há outras instâncias com maior preparo e competência. O papel do Legislativo é criar leis que possibilitem o combate efetivo da corrupção. Leia, ouça, comente e compartilhe. 

Download áudio

Alvaro Dias*

Quanto mais livre e atuante é a oposição, mais democrático é o regime político. No Brasil, a oposição, embora numericamente raquítica, faz do Congresso o espaço legítimo para manifestação. Durante os últimos anos, denunciamos os desmandos do governo na área econômica e também o balcão de negócios para a conquista de apoio político.

Atualmente, grande parte do que identificamos em relação a Petrobras está sendo investigado pela Polícia Federal, Ministério Público, Justiça Federal e Tribunal de Contas da União. Como resultado das CPIs, protocolamos 18 representações junto ao Procurador-Geral da República. As denúncias foram feitas em 2009 e, dessas representações, surgiram os inquéritos instaurados pelo Ministério Público Federal.

O Poder Legislativo não deve concorrer com as instituições que estão atuando, porque constantemente nós somos cobrados como se devêssemos instalar novas CPIs, para investigar aquilo que já está sendo investigado com maior autoridade e competência.

Estamos vivendo um momento de mudança do paradigma de justiça, que merece ser celebrado. O Parlamento não pode se contrapor à Operação Lava Jato. Um novo conceito de justiça emergiu do mar de ilícitos. Devemos, sim, estar atentos e atuar para garantir a continuidade e regularidade do trabalho que está sendo realizado pelas instituições. Creio que essa é nossa missão nessa hora: corroborar, valorizar, apoiar, para que essas investigações alcancem o resultado desejado pelo povo brasileiro.

Também temos o dever de oferecer marcos legais para o efetivo combate à corrupção, com a aprovação de projetos em tramitação, como o que muda as regras da prescrição penal para reduzir a impunidade, bem como o projeto sugerido pela Ajufe que inibe manobras processuais utilizadas pelo réu para responder em liberdade, a exemplo de tantos outros.

Os parlamentares, especialmente os de oposição, precisam interpretar as inquietações e necessidades populares. Caso não atuem com esse espírito, produziremos um distanciamento, cada vez maior, dos eleitores, o que não é desejado, visto que o desprestígio dos políticos pode corroer o prestígio da instituição parlamentar e a própria democracia.

*Alvaro Dias é senador pelo PV. Ele escreve nas quartas-feiras para o Blog do Esmael sobre “Ética na Política”.

4 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. É o rabo balançando o cachorro. Olha só quem fala em combate à corrupção! Até hoje o senador não explicou quais a$ força$ oculta$ que o fizeram desmantelar a CPI da Petrobrás. Deve de pensar, R.I.P. Sérgio Guerra.

  2. Por que não diz a todos os seus eleitores que é a favor do projeto do Serra que prejudica a Petrobrás pra beneficiar a Shell no pré-sal?

  3. Caro senador, esse discurso é vazio. Um Congressk que tem Cunha e Renan como presidentes das 2 casas não serve para nada. Nem oposição, nem situação prestam qualquer serviço relevante a população. Pelo contrário, prestam um desserviço que levaremos anos para consertar. O Congresso é uma confraria de picaretas que estão lá para resolver as suas situaçõrs particulares. Nunca ouvi o senhor ou algum de seus pares indignarem-se com o enriquecimento sem justificativa do Renan, ou do Sarney, ou de tantos outros. Vocês são todos cúmplices da situação pela qual passamos.

  4. Esta desanimador pagar imposto no Parana.