11 de fevereiro de 2016
por Esmael Morais
1 Comentário

Fábio Silveira disseca corrupção de tucanos: “Beto Richa tem razão”

por Fábio Silveira, do blog Baixo Clero, de Londrina

O governador Beto Richa (PSDB) costuma atribuir as más notícias para o seu governo, ao uso da sua gestão como “contrapeso” no “Fla-Flu” que PSDB e PT disputam nacionalmente. O raciocínio é que quando alguém procura alguma coisa errada nas gestões do PSDB para rebater ou contrabalançar o que há de errado na gestão nacional do PT, sobra para o tucano paranaense. Ainda segundo esse raciocínio, quando alguém tenta mostrar que não bate só no PT, procura algo da gestão Beto Richa para demonstrar equilíbrio editorial. A conclusão é que denúncias de irregularidades ocorridas na gestão Richa, como as apuradas nas operações Publicano e Quadro Negro, ganhariam notoriedade nacional porque o paranaense funcionaria como contrapeso no “Fla-Flu”.

Beto Richa acerta em parte no diagnóstico. Em parte, porque o erro está em usar isso como desculpa para não dar as explicações que ele e a sua gestão devem à sociedade. Por exemplo, o companheiro de Richa de cockpit, Márcio Lima, que na gestão do tucano foi alçado à condição de inspetor geral de fiscalização da Receita Estadual, é uma das figuras centrais no escândalo apurado pela Operação Publicano, do Gaeco de Londrina. Além disso, uma das denúncias é de que dinheiro de propina recebida de empresários que pagaram por fora para pagar menos impostos foi para o caixa da campanha de Richa à reeleição. A Procuradoria Geral da República (PGR) demonstrou interesse em investigar essa denúncia.

Na Operação Quadro Negro, mais denúncias de que dinheiro recebido indevidamente por uma construtora – ela recebeu sem ter feito parte das obras – também teria alimentado o caixa da campanha da reeleição de Richa e de pelo menos três deputados estaduais que o apoiam.

Recentemente Richa foi “rifado” pela revista Veja, notoriamente favorável ao PSDB. Foi tratado como “tucano problema” (como se fosse o único. Assim, como, obviamente, é impossível apontar só um “petista problema”, já que são vários). A revista que não poupa elogios aos tucanos e que em janeiro publicou uma pesquisa que apontava São Paulo e Paraná como os primeiros colocados em rankings de educação e segurança (não, não foi matéria do site sensacionalista), desancou Richa e os problemas investigados nas duas frentes abertas pelo Gaeco.

Richa tem certa razão ao reclamar do destaque negativo que ganha, tornando-se um contrapeso. Mas erra no diagnóstico. Ele é lançado às feras para que sejam poupados outros tucanos de escalões mais altos, como Aécio Neves, citado recentemente como destinatário de “um terço” de uma propina paga pelos delatores do petrolão, e os tucanos de São Paulo sempre sensíveis a investigações independentes sobre os problemas nas obras do metrô.

Leia mais

11 de fevereiro de 2016
por admin
12 Comentários

Após confisco do fundo de aposentadoria, Beto Richa quer privatizar a previdência dos servidores

previ

O estoque de maldades do governo Beto Richa (PSDB) contra os paranaenses, em especial os servidores do estado, parece longe de chegar ao fim. Hoje (11) pela manhã, o Blog do Esmael já noticiou o “Pacote de Maldades 4” que pretende fatiar e vender as principais empresas pública do Paraná, dentre as quais a Copel e a Sanepar.

A este funesto pacote, some-se agora a proposta do governo de privatizar de vez a previdência dos servidores públicos estaduais. Isso mesmo, após confiscar mais de R$ 8 bi da poupança dos servidores, Richa quer passar o filé mignon da previdência para a iniciativa privada.

E não se trata de nenhuma especulação ou boato de corredor. É o próprio secretário da Fazenda, o interventor nacional do PSDB nas finanças paranaenses, Mauro Ricardo da Costa, que vem anunciando aos quatro ventos o projeto que institui uma previdência privada para os servidores estaduais. O projeto de lei será ser enviado à Assembleia Legislativa nos próximos dias. Leia mais

11 de fevereiro de 2016
por Esmael Morais
7 Comentários

PSDB “afrouxa a tanga” para ferrar com os trabalhadores do Brasil

Os coxinhas da ultradireita amanheceram o dia irritados, indignados, com a cúpula do PSDB que resolveu “afrouxar a tanga” depois de pesquisas internas realizadas no Carnaval. Portanto, os golpistas que querem atalho para o poder acordaram nesta quinta-feira (11) com uma tremenda ressaca.

Foi o senador Aécio Neves (PSDB-MG) quem sinalizou primeiro o fim da aposta no ‘quanto pior, melhor’, a partir de sondagens que mostram danos à imagem dos tucanos com a estratégia de “tocar fogo no circo”, durante entrevista ao jornalista Ilimar Franco — colunista d’O Globo.

O líder Antonio Imbassahy (PSDB-BA), em entrevista ao jornalista Bernardo Mello Franco, da Folha, também foi na linha de evitar pautas-bombas no Congresso que podem sabotar o ajuste fiscal da presidente Dilma Rousseff.

O diabo é que Aécio, Renan Calheiros (PMDB-AL) e o governo Dilma disputam entre si a liderança de projetos que acabam com as conquistas do Estado Social brasileiro, obtidas a partir da revolução de 1930 sob a presidência de Getúlio Vargas.

A concessão ao neoliberalismo é evidente tanto no Congresso quanto no governo petista, embora este último negue veementemente que puxa o saco ora do sistema financeiro (crédito consignado com garantia do FGTS), ora do Sistema S quando retira direitos dos trabalhadores. Aliás, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) defende o impeachment enquanto a classe laboral vinha lutando pela permanência de Dilma.

O PT, em sua página oficial, reclama da pauta neoliberal no Congresso que deverá propor a “quebra de ‘um certo’ monopólio da Petrobras, as leis da terceirização e da independência do Banco Central (BC)”.

Por outro lado, os mesmos petistas — capitaneados pelo governo Dilma — irão propor as reformas sindical e da previdência. Ambas as pautas têm tudo para ser um tiro no pé da governabilidade do país. (Ou houve um acordão entre governo e Congresso para ferrar com os trabalhadores?).

Mais do que nunca, é fundamental que os partidos (inclusive os setores mais consequentes do PT), os movimentos populares e sindicais, saiam às ruas contra o desmonte do Estado Social para salvaguardar os interesses das velhas oligarquias que sempre arrancaram o couro dos brasileiros.

Na verdade, a unidade entre PT, PSDB, e o que tem de pior do PMDB, pelo ajuste fiscal, é a própria pauta-bomba no Congresso. É a fórmula perfeita para amplificar a crise econômica nos seios populares e possibilitar o surgimento de um programa desenvolvimentista a exemplo do que propõe ao país o senador Roberto Requião (PMDB-PR) — “o nosso Bernie Sanders”, segundo o também senador Lindbergh Farias (PT-RJ).

Leia mais

11 de fevereiro de 2016
por Esmael Morais
12 Comentários

Gleisi: ‘Para a velha mídia e os ricos, Lula é o grande problema do Brasil’

gleisi_lulaA senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), colunista do Blog do Esmael, em artigo publicado em seu perfil no Facebook, em tom de ironia, afirmou nesta quinta-feira (11) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva — para a velha mídia e os ricos — é o grande problema do país.

“Não consigo esquecer o debate fatídico com Collor em que, dentre outras coisas, foi acusado de ter um aparelho de som “três em um”. Como podia? Um operário?!”, compara Gleisi a conjuntura atual, em tempo de Lava Jato, com o debate presidencial de 1989.

Para a senadora, Lula é acusado injustamente de ser corrupto, após Getúlio e Kubitscheck, porque ousou ter um projeto de desenvolvimento nacional.

Gleisi diz não entender o fato de Lula ser “acusado de se relacionar com empreiteiros, beber whisky, de querer ter um apartamento na praia, no Guarujá, de tê-lo visitado, embora não comprado, de utilizar e investir num modesto sítio de amigos, de ter um bote de alumínio para pescar no pequeno lago do sítio”.

A seguir, leia a íntegra do artigo da senadora Gleisi Hoffmann:

Prender o Lula, acabar com Lula, é resolver os problemas do Brasil! Leia mais

11 de fevereiro de 2016
por Esmael Morais
62 Comentários

“Pacote de Maldades 4” de Beto Richa prevê privatização da Copel e Sanepar

ricardo_privatizacao_richaO governador Beto Richa (PSDB) deverá encaminhar novo pacote de maldades à Assembleia Legislativa do Paraná na volta do feriado de Carnaval. O tucano vai retomar a ideia de privatizar a Companhia Paranaense de Energia, a nossa Copel, e a Companhia de Saneamento do Paraná, a nossa Sanepar.

O “Pacote de Maldades 4” retoma projeto que revoga um inciso da Lei Estadual 15.608/2007, o que desobrigaria o executivo de precisar de autorização dos deputados estaduais para vender ações de empresas públicas e de economia mista, como as companhias de água e energia. No segundo semestre do ano passado, essa mensagem do Palácio Iguaçu foi gongada pelos parlamentares.

O sonho do governador do PSDB em privatizar as duas empresas símbolo do estado é antigo. Foi verbalizada pela primeira vez no começo do ano passado, quando o secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, numa entrevista à imprensa “especializada” em economia, cantou com todas a letras os passos seguintes de Richa: desfazer das ações da Sanepar e Copel.

O “PAC Tucano 4” (Programa de Aceleração da Crina) não é autossustentável tal qual os anteriores, por isso sempre exigirá arrancar cada vez mais o couro dos cidadãos desta terra das araucárias. Leia mais

11 de fevereiro de 2016
por Esmael Morais
6 Comentários

Coluna do Reinaldo de Almeida Cesar: “Eu os acuso de canalhas, de praticarem canalhices”

Reinaldo de Almeida César*

Eu acuso, no melhor estilo Émile Zola, contudo, ao que agora me proponho, baseado na verdade factual e em farto conjunto probatório, muito diferente, portanto, da saga do capitão Alfred Dreyfus, imortalizada na literatura francesa e mundial.

Eu os acuso de canalhas. De praticarem canalhices.

São rematados canalhas, esses que desviaram milhões de reais de recursos destinados a construção de escolas públicas.

Só pode mesmo ser considerado vil e infame – canalha, portanto – quem rouba descaradamente o sagrado recurso público, ainda mais quando verba carimbada, do FNDE, destinada a ampliar vagas para alunos nas escolas da rede estadual.

Em reportagem muito tocante, a Gazeta do Povo (clique aqui) mostrou a frustração e tristeza dos gêmeos Patrique e Pablo de Assis, que viram a escola onde sonhavam estudar ser transformada em mocó para consumo de drogas na obra inacabada, ou talvez melhor, quase nem iniciada pela construtora Valor, mas ainda assim regiamente paga como se executada tivesse sido.

Deixa qualquer um estarrecido ler que a roubalheira deixou mais de duas mil crianças fora da sala de aula e que obra inconclusa faz crianças precisarem caminhar mais de dez quilômetros para alcançar outra escola.

Já temos uma saúde e uma segurança pública de péssima qualidade, ineficiente e muito longe das reais necessidades da população.

Agora, meter a mão no dinheiro público, negando matrícula, sala de aula e instrução no ensino formal, é o mesmo que condenar filhos de trabalhadores a uma forma de escravidão, em trevas, na era moderna.

Como pode uma empreiteira, sem nenhum histórico ou acervo, ter conquistado, em tão pouco tempo, tantos contratos de expressivo valor? O vocábulo valor vai aqui, sem a intenção de cometer uma redundância, quase pleonástica.

Marco Nanini e Ney Latorraca encenaram uma peca que ficou anos em cartaz com absoluto sucesso e recorde de público. Chamava-se “O mistério de Irma Vap”, uma adaptação do original de Charles Ludlam, teatro anárquico e do ridículo, que revelava, quase ao final da montagem, o anagrama do título com a palavra “vampira”.

Seria a construtora Valor, também ela, um anagrama sanguessuga ?

E, mais ainda, perguntam-me os meus inquietos botões: houve aditivo nos contratos? Os saques em espécie, na boca do caixa, serviram a qual propósito? Por qual razão a maior movimentação de recursos desviados se deu exatamente no ano de eleição, em 2014? Carros de luxo apreendidos na operação “Quadro Negro” combinariam com relógios de caríssima grife a adornar pulsos, a fim de serem galantemente ostentados em aces e forehands em partidas de tênis?

Assisti o governador se eximir de culpa, dizendo que não teria qualquer responsabilidade sobre os pagamentos – que, diga-se, comprovadamente, até mesmo pelo Tribunal de Contas, foram efetivados sem a necessária medição da obra – alegando Sua Excelência não ter trena em seu gabinete. Pode-se até conferir isenção de culpa ao governador, pela ausência de trena e pelo volume de despachos de Sua Excelência, em dias de trabalho.

De outra banda, folgo em sa Leia mais

11 de fevereiro de 2016
por admin
25 Comentários

Coluna do Requião Filho: Contra Beto Richa, mas a favor da Polícia Militar do Paraná

Requião Filho*

Ando meio assustado! O mundo está sofrendo de um mal muito perigoso. Um maniqueísmo daltônico vem tomando conta das ideias de muita gente. De repente ser a favor de algo te obriga a ser contra tudo e qualquer coisa mesmo que não seja diretamente antagônica ao que você defende. É pior que torcer fanaticamente para algum time. Isso é muito ruim.

Fui e sou a favor dos nossos professores, e abomino de todas as formas o massacre por eles sofrido em praça pública. Defenderei a classe e buscarei melhores condições de trabalho sempre que tal oportunidade estiver ao meu alcance. Dito isso é imperativo dizer que tenho asco do responsável pelo massacre, não respeito o ato covarde de mandar surrar professores e se esconder a quilômetros de distância.

Isso não me torna inimigo dos policiais militares e não me faz cego ao caos que se encontra nossa polícia e muito menos me faz ignorante do valioso e honrado efetivo da corporação. Defender os professores não me torna inimigo da PM. Querer uma PM com condições de trabalho e reconhecimento por seus atos não me faz apoiar o massacre do dia 29.

Esse maniqueísmo é dizer que bandido bom é bandido morto. Então o pai de família que no desespero da fome de seus filhos furta (subtrair algo sem o uso de violência) um pouco de comida merece o linchamento?

Não é bem essa a ideia de sociedade civilizada que tenho. Tampouco é dizer que o estuprador e assino merece toda a proteção e carinho do mundo esperando por uma segunda chance com marshmallows e purpurina no final do arco-íris.

O mundo não é preto no branco, existe o cinza! Os paladinos da justiça recebem diárias, auxilio moradia e o escambau; o pilantra pode ser um bom pai; o gay pode ter mais valores do que o pai de família que vai à igreja e rouba o dinheiro que era para construir escolas. Todo político é corrupto, todo médico é frio, todo taxista é malandro, todo pastor é estelionatário e todo padre é pedófilo… perigoso isso, não?

A virtude não está no meio, mas sim na compreensão de que não existe perfeição, não existem verdades absolutas. Só um idiota é capaz de defender apenas um lado sendo co Leia mais